Com a taxa de juros em alta, muito se ouve falar em investimentos de renda fixa, mas afinal, o que é renda fixa? Toda aplicação de renda fixa é um empréstimo de dinheiro por um tempo determinado. Você aplica, mas isso significa que você empresta o dinheiro para uma determinada instituição, que usará esse capital e o devolverá depois, mas corrigido.

No final de um determinado período, o que recebemos é o nosso dinheiro investido mais um montante de juros acordado no momento da aplicação. Hoje temos dois principais produtos em renda fixa, são eles: Tesouro Direto e LCI/LCA – Letras de Crédito Imobiliário e Letras de Crédito Agrário.

Tesouro Direto

O Tesouro Direto é a oportunidade de negociar títulos públicos, emitidos pelo Governo Federal, e é um dos investimentos de renda fixa mais acessíveis disponíveis hoje. A partir de R$ 80,00 você já pode iniciar seus investimentos e o processo é bem simples e seguro.

Você pode optar pelos títulos prefixados ou pós-fixados: Os prefixados oferecem uma taxa fixa até o vencimento do título, já os pós-fixados podem oferecer uma taxa fixa mais a variação de um indexador (IPCA, por exemplo) ou apenas a variação de um indexador (Selic).

Para o longo prazo: Tesouro IPCA+ (antiga NTN-B Principal)

Para investimentos de longo prazo, como aposentadoria, poupança dos filhos ou para mais de três anos, você pode optar pelo Tesouro IPCA+, título público que paga uma taxa fixa que hoje está em torno de 6,3% mais a variação da inflação oficial do período (IPCA).

O Tesouro IPCA+ é o título mais recomendado porque como no longo prazo a nossa inflação pode ser alta e muito difícil de estimar, ela pode corroer seus rendimentos. Por isso, quando se pensa em longo prazo, você deve procurar aplicações que ofereçam proteção conta inflação.

Para o médio prazo: Tesouro Prefixado (antiga LTN)

Agora, se você está pensando no médio prazo, como por exemplo dar entrada em um imóvel daqui dois ou três anos, o título mais indicado é o Tesouro Prefixado, título público prefixado que está pagando uma taxa fixa em torno de 13% ao ano. Essa acaba sendo a melhor para esse prazo porque é um título que sempre vai valer R$ 1.000,00 no vencimento, e fica mais fácil de planejar algo.

Para o curto prazo: Tesouro Selic (antiga LFT)

Se você vai precisar do dinheiro no curto prazo ou ainda não tem uma data definida, pode escolher o Tesouro Selic, título pós-fixado que paga a variação da Selic, que hoje está em 12,75%. É o título mais conservador e o único que você pode vender antes do vencimento e nunca perder dinheiro – você sempre receberá a variação da Selic pelo tempo que ficar com o investimento.

Sobre o Tesouro Direto como um todo, vale lembrar que o Tesouro Nacional garante a liquidez dos títulos todas as quartas-feiras, isso significa que você pode vender todas as quartas e no dia seguinte o dinheiro estará disponível em sua conta para sacar.

Preparei, ao lado do Conrado Navarro, um curso gratuito composto de 4 vídeos bem explicativos sobre Tesouro Direto (clique para assistir). Se você prefere um material mais completo para leitura, sugiro que conheça o eBook gratuito preparado pelo André Massaro (clique e baixe).

Letras de Crédito (LCI e LCA)

Já as Letras de Crédito (LCI/LCA) são títulos emitidos por bancos com o objetivo de financiar o setor imobiliário e agrário. É também um investimento muito seguro, pois é garantido pelo FGC – Fundo Garantidor de Crédito – em até R$ 250 mil por CPF, o que significa que se acontecer algum problema com o banco, você ficará protegido e terá seu dinheiro de volta.

Os títulos podem também ter rentabilidade pré ou pós-fixada, ou seja, você pode saber exatamente quanto vai receber no vencimento ou ter um retorno que dependerá da variação do CDI; como referência, o CDI costuma ficar bem próximo da Selic, nossa taxa básica de juros.

Outra grande vantagem da LCI e LCA é que são investimentos isentos de Imposto de Renda (IR), o que garante uma rentabilidade maior; quanto maior o prazo, maior a taxa:

  • Hoje, para investimentos de um ano, é possível ter uma rentabilidade líquida em torno de 99% do CDI, isto é, uma taxa próxima de 12%;
  • Para seis meses, a taxa cai um pouco, ficando próxima de 11,60% ao ano;
  • Para 90 dias, 11,20% ao ano;
  • São retornos bem expressivos (pense nos 7% da poupança, por exemplo!).

Conclusão

Por se tratar de renda fixa, esses dois tipos de investimentos são muito atrativos, você não concorda? Você pode obter um retorno de quase o dobro da poupança e com a mesma segurança! Se você gostou destas informações, convido-o a conhecer as recomendações de melhores investimentos que fiz ao lado de meus colegas de trabalho (clique e conheça).

Espero ter ajudado. Se você ainda tem dúvidas, entre em contato comigo através de meu e-mail direto – [email protected] – e prometo ajudá-lo. Um grande abraço é até uma próxima!

Nota: Esta coluna é mantida pela Rico.com.vc, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Foto “Smart invest”, Shutterstock.

Caroline Guedes
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários