Kroton e Anhanguera se unem e criam maior grupo educacional do mundoA Kroton e Anhanguera, os dois maiores grupos de educação do Brasil, anunciaram uma fusão que resultará no maior conglomerado do setor do mundo. A união das duas companhias deverá ter faturamento bruto de R$ 4,3 bilhões, mais de um milhão de alunos e valor de mercado próximo a R$ 12 bilhões.

De acordo com o comunicado, a Kroton terá cerca de 57,5% da empresa resultante, enquanto os acionistas da Anhanguera ficarão com 42,5%. Como as ações da Anhanguera serão incorporadas pela Kroton, os atuais acionistas da Anhanguera receberão 1,364 ação da Kroton após a aprovação da fusão.

Para que isso aconteça serão emitidas 198.763.627 de novas ações da Kroton, observando a relação de troca, para os acionistas da Anhanguera. “A companhia combinada seguirá listada no Novo Mercado da BM&FBovespa e as companhias esperam que a associação também resulte em uma companhia com elevado nível de liquidez de suas ações”, diz o fato relevante.

O atual presidente da Kroton, Rodrigo Galindo, será o presidente da nova empresa. Já o conselho de administração será comandado por Gabriel Mário Rodrigues, que lidera o conselho da Anhanguera. “Será uma empresa maior e mais eficiente, os dois grupos têm complementaridade geográfica e possibilidade de sinergias relevantes”, disse Ricardo Scavazza, atual presidente da Anhanguera.

As fortes presenças das instituições nos estados brasileiros se completam. A Anhanguera marca território em São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. A Kroton, por sua vez, está fortemente estabelecida nos estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Bahia, Santa Catarina e Paraná.

Graças a união, 73% da receita virá do ensino superior em campus, 23% do ensino superior em polos associados e 4% de educação básica. O grupo terá cerca de 800 unidades de ensino superior e 810 escolas associadas.

A consumação da fusão dependerá de prévia aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). No entanto, isso não parece preocupar os comandantes do acordo. Além de aumentar a área de atuação, a complementaridade geográfica faz os administradores acreditarem que não haverá maiores problemas no Cade. “Nosso market share nacional é baixo, e os munícipios onde há sobreposição de atuação são muito poucos”, diz Galindo.

Até a aprovação acontecer, a vida de estudantes e professores vinculados a instituições dos dois grupos não muda, segundo comunicado das empresas.

Sempre que dois gigantes se unem o interesse do mercado aumenta vale a pena acompanhar de perto o nascimento de um novo gigante que terá muitas oportunidades e desafios pela frente.

Até a próxima.

Fontes: iG | EXAME. Foto de freedigitalphotos.net.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários