Você conhece as Letras de Câmbio, ou simplesmente LC? É um tipo de investimento que também faz parte da categoria Renda Fixa, como os títulos do Tesouro Nacional, LCI e LCA.

É comum as pessoas fazerem uma associação entre as Letras de Câmbio e o dólar, mas as LCs não têm relação com essa moeda. O nome surgiu da essência do significado da palavra câmbio, que é troca.

Origem das LCs

Segundo rezam os dados históricos, as primeiras Letras de Câmbio foram emitidas na região da Itália, durante a Idade Média.

A economia naquele período era descentralizada. Você talvez se lembre de ter estudado algo sobre o sistema feudal, predominante naquela época.

Cada feudo tinha seu próprio governo, que era feito pela nobreza local. Assim, tinham sua própria economia, maneira de negociar e também sua própria moeda local.

Ebook gratuito recomendado: 10 Atitudes para Transformar sua Vida Financeira

Os problemas começaram a surgir quando um comerciante de um feudo queria fazer negócios com outro feudo (que tinha sua própria moeda). Naquela época já existiam os “banqueiros”.

Então criaram um sistema, onde o comerciante local depositava suas moedas (também locais) no “banco” do próprio feudo de origem, e o banqueiro emitia um documento ao banqueiro do outro feudo, atestando o valor que fora depositado em moeda local (o que dava direito de crédito ao comerciante que possuía tal documento).

Naturalmente havia lastros para definir o poder de compra nas negociações entre os feudos. Assim, o comerciante chegava ao feudo de destino, com o documento em mãos, e o apresentava ao banqueiro local. Este sacava o valor em moeda local, e o comerciante fazia suas negociações normalmente.

Depois os banqueiros dos dois feudos envolvidos faziam seus “acertos de contas”. Assim surgiam as letteras (que significa “carta” em Italiano).

Definição atual

Depois da história acima, que mostra insights interessantes sobre as soluções que o “mercado financeiro” adotou na época, vamos a algo mais atual.

Hoje, as LCs são definidas como sendo títulos oferecidos pelas financeiras (sociedades de crédito, investimento e financiamento), onde o emitente é o devedor, o beneficiário é a pessoa (física ou jurídica) que investe o seu dinheiro, e o aceitante é a financeira.

Leia novamente o parágrafo anterior, devagar, para não ter dúvidas sobre isso. Em outras palavras, é uma relação onde alguém empresta dinheiro para o emissor do papel em troca de remuneração (juros e correção monetária).

Para as financeiras emitirem uma LC, elas precisam ter lastro, ou seja, precisam ter recursos para oferecer como garantia de pagamento dos títulos no final do período acordado.

Podcast recomendado: O dólar e sua participação em nossa vida financeira

Mais 5 informações importantes sobre as LCs

1. Prazo de investimento

Os prazos do investimento são variados, podendo ser de meses ou anos. Sendo assim, é necessário que se faça um planejamento para não precisar do dinheiro investido antes do vencimento da LC.

Você pode até vender antes, se houver alguém interessado em comprar, mas muito provavelmente perderá todos os juros obtidos durante o investimento.

As LCs de mais longo prazo geralmente são mais interessantes, pois como são tributadas, caem numa menor alíquota de imposto de renda (falo mais sobre isso no item 5).

2. Riscos das LCs

Há quem diga que é mais arriscado investir em LCs do que em CDBs, por exemplo, que são os títulos emitidos pelos bancos.

Na verdade ambos são cobertos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito) até o limite de 250 mil Reais por CPF.

Assim, se a financeira “quebrar”, você estará resguardado até este valor. Mas saiba que levará alguns meses até você receber o seu dinheiro do FGC, e isso também deve ser considerado na sua tomada de decisão.

Vídeo recomendado: Fundo Garantidor de Crédito (FGC): saiba o que é, como funciona e como acioná-lo

3. Remuneração atraente

É fato que algumas LCs possuem remunerações mais atraentes que outros produtos de Renda Fixa. Elas costumam pagar entre 110% e 120% do CDI.

Claro que isso depende da quantidade de dinheiro que você tem para investir, e o prazo de vencimento dos papéis. Quanto mais dinheiro e mais longo o vencimento, maior a rentabilidade. O valor mínimo costuma ser de R$ 30 Mil.

Segundo o amigo e consultor financeiro André Massaro, essa rentabilidade costuma ser maior que a dos CDBs, para que as financeiras consigam atrair o público que utiliza os bancos para investir:

“As financeiras, costumam ser menos visíveis do que os bancos. As pessoas enxergam as financeiras muito mais como um local para conseguir empréstimos do que para investir”.

4. Tipos de LCs

Existem três tipos de Letras de Câmbio: as pós-fixadas, onde você não conhece a rentabilidade exata, porque ela está atrelada a uma porcentagem do CDI (que sofre variações). Esta é a modalidade mais segura, inclusive.

As pré-fixadas, onde você saberá sua rentabilidade final já no momento da aplicação. O risco é maior, pois se a taxa de juros da economia (Selic) subir, a rentabilidade deste tipo de LC ficará prejudicada. Por outro lado, se cair, você irá lucrar mais.

As mistas ou híbridas, que possuem um componente de juros fixo e o restante fica atrelado a algum índice de mercado, como o IPCA ou o próprio CDI.

Leitura recomendada: 5 dúvidas comuns de quem quer investir. Qual é a sua?

5. Tributação das LCs

Aqui temos uma desvantagem das LCs em relação a outros investimentos, que é o fato de termos que pagar Imposto de Renda sobre os lucros. Isso é diferente, por exemplo, das LCIs e LCAs, que não sofrem tributação.

A tabela do Imposto de Renda é a mesma utilizada para outros investimentos em Renda Fixa que são tributados, sendo regressiva conforme o tempo da aplicação:

  • LC com vencimento até 6 meses: 22,5% de imposto sobre o lucro.
  • LC com vencimento entre 6 meses a 1 ano: 20% de imposto sobre o lucro.
  • LC com vencimento entre1e 2 anos: 17,5% de imposto sobre o lucro.
  • LC com vencimento superior a 2 anos: 15% de imposto sobre o lucro.

O imposto já é retido na fonte, então você não precisa se preocupar em realizar o pagamento. Basta apenas declarar o investimento na relação de bens, conforme o extrato que receberá da financeira.

Conclusão

Agora você já sabe o suficiente sobre as LCs para poder decidir se ela é ou não um bom investimento para você realizar.

Se desejar investir, experimente consultar a plataforma de investimentos da Rico.com.vc e verifique se há alguma LC disponível com rentabilidades atraentes. O cadastro na plataforma é gratuito.

A qualquer momento pode surgir uma nova oportunidade de LC para você investir. Fique atento! Um grande abraço e até a próxima!

Giovanni Coutinho
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários