A liderança situacional ensina que o líder atua de maneira diferente à medida que encontra circunstancias e pessoas diferentes para guiar. Além disso, nem sempre uma decisão bem-sucedida poderá ser replicada ou potencializada apenas com sua repetição. Uma pequena história mostra isso:

Um mestre encarregou seu discípulo de cuidar do campo de arroz. No primeiro ano, o discípulo vigiava para que nunca faltasse a agua necessária. O arroz cresceu forte e a colheita foi boa.

No segundo ano, ele teve a ideia de acrescentar um pouco de fertilizante. O arroz cresceu rápido e a colheita foi maior.

No terceiro ano, ele colocou mais fertilizante. A colheita foi maior ainda, mas o arroz nasceu pequeno e sem brilho.

Então, o mestre advertiu-o: – Se continuar aumentando a quantidade de adubo, não terá nada de valor no ano que vem.

Liderança pressupõe sensibilidade para conduzir a equipe e lidar com as circunstâncias. Hoje quero focar em dois exemplos de liderança que parecem muito interessantes, mas que se mostram tóxicos e perigosos no médio e longo prazo, especialmente no que diz respeito ao ambiente de trabalho.

Liderança tóxica 1: estilo marcador de ritmo

Todos conhecem esse estilo. São líderes ávidos por eficiência e resultado, o que pode até parecer admirável, mas deve-se ter cautela. Neste perfil, costuma-se definir padrões elevados de desempenho.

“Mais com menos” é a regra de ouro, e por essa característica aqueles que não correspondem à expectativa são substituídos por pessoas que correspondam. Simples assim.

Você pode pensar: “Essa abordagem melhora os resultados, então ótimo!”. No entanto, não é isso que ocorre. Marcadores de ritmo destroem o clima, esmagam as pessoas com suas exigências de excelência e o moral cai de forma gritante.

Talvez seja este o estilo de liderança que tenha motivado John Sculley e outros membros do conselho da Apple a tirar Steve Jobs da empresa que ele mesmo fundou. Uma lição amarga que imprimiu aprendizado na vida deste ícone contemporâneo e nos resultados da empresa.

Não prego a ingenuidade, longe disso. O mundo corporativo é competitivo e não deixa espaço para os medíocres. Todo sabemos disso. No entanto, a reflexão é que o estilo marcador de ritmo não pode ser o único nem o principal estilo do líder

A meu ver, Jobs deu a volta por cima e retornou como herói em sua empresa porque amadureceu e desenvolveu outros estilos de liderança (falarei disso em um próximo artigo) para recomeçar. Um grande exemplo de mudança. Ele também foi conhecido por ser marcador de ritmo, mas soube despertar e explorar outras formas de liderança em seu retorno. O resto é história.

Liderança tóxica 2: estilo “eu mando, você faz”

O lema deste estilo pode ser o clássico “Manda quem pode, obedece quem tem juízo”. Líderes assim criam um cenário de terror na empresa ao intimidar e humilhar seus executivos, deixando clara sua insatisfação, por menor que seja o deslize (geralmente gostam de fazer isso gritando e na frente dos outros).

É o estilo que mais produz detratores na organização. A flexibilidade é impactada significativamente, levando seus subordinados a pensar da seguinte forma: “Não vou mencionar minhas ideias, elas serão rechaçadas mesmo”. Outros ficam tão desmotivados e ressentidos que pensam: “Não vou mais ajudar este canalha”.

Este líder mina a motivação, pois retira a autonomia, não deixa o liderado alcançar a excelência por si e faz com que o propósito maior de se fazer presente no trabalho seja perdido. Costumo dizer que é o estilo “Faça isso!”, pois seu vocabulário é curto e direto.

Por fim, devo mencionar que se trata de um estilo de liderança muito comum e não totalmente ruim. Em tempos de crises e catástrofes, ou mesmo diante de uma fusão agressiva, este líder pode se destacar e fazer a diferença. Ainda assim, no médio e longo prazo eles costumam falhar como líderes (não confunda com chefe).

Conclusão

Precisamos estar atentos a nossos estilos de liderança para não sermos monossilábicos e detentores de apenas um estilo. É importante adotarmos práticas que atendam as demandas das pessoas e as circunstâncias/contexto em que elas estão.

Do contrário, ficaremos reféns de nossos próprios erros, assim como o jovem discípulo que intoxicou o arroz com adubo em sua ansiedade por resultados. Arroz é orgânico; nós somos humanos; e números são números. Fica a reflexão. Até a próxima!

Foto “Leadership”, Shutterstock.

Alex Arcanjo
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários