Liderança: Os Sete Hábitos para 2010Executivos estão mais otimistas e acham que a economia mundial voltará a crescer no segundo trimestre de 2010. Cerca de 22% dos CEOs de vários países ouvidos em pesquisa feita pela Cook International afirmam que o pior já passou e apostam em crescimento. Esse panorama positivo pode e deve ser acompanhado de uma estratégia estruturada e baseada em uma afirmação vencedora de Stephen R. Covey[bb]: “vamos questionar a forma de pensar que está nos trazendo resultados de hoje, a fim de que possamos obter resultados excepcionais amanhã”.

Esse planejamento de sucesso para 2010 vai além da perspectiva do fim da crise econômica mundial. É preciso haver uma autoavaliação individual para descobrir o que pode ser mudado nas ações cotidianas de quem pretende superar não só a crise externa, mas também reverter os resultados pouco favoráveis do cotidiano individual. Ou seja, o líder precisa querer alcançar novos parâmetros e, assim, focado, encontrar caminhos para colocar as mudanças vitoriosas em prática.

Um dos caminhos é fazer uma mudança de paradigmas. A maioria das descobertas científicas é resultado de quebras de paradigmas, tais como quando Copérnico considerou o Sol como o centro do universo e não a Terra. Quebras de paradigmas são mudanças quantificáveis, mesmo que lentas e deliberadas ou instantâneas.

Os “7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes” podem e devem ser aplicados nessa mudança de postura para alcançar novos resultados e resolver problemas profissionais baseados em princípios. Muitos executivos fazem questionamentos a si mesmo e, sem respostas, encontram desculpas como forma de justificativa para a falta de perspectiva. Isso porque não conseguem perceber que as mudanças esperadas que venham de fora podem acontecer com a modificação da postura pessoal.

Um hábito é a interseção entre o conhecimento, a habilidade e o desejo. O conhecimento é o que fazer e porque fazer, a habilidade é o como fazer e o desejo é a motivação, o querer fazer. Para tornar algo um hábito em nossas vidas precisamos reunir estes três elementos. Os 7 Hábitos são uma abordagem altamente integrada que passa da dependência (você cuida de mim) para a independência (eu cuido de mim mesmo) e para a interdependência (podemos fazer algo melhor juntos).

O primeiro hábito essencial é ser proativo. As pessoas reativas deixam circunstâncias, condições ou o ambiente mostrarem a elas como responder. Pessoas pró-ativas deixam seus valores selecionados, internalizados e cuidadosamente pensados para sabermos como responder às situações. Não é o que nos acontece, mas a nossa resposta, que diferencia estes dois comportamentos.

Ter um objetivo em mente faz toda a diferença. Cada parte de sua vida pode ser analisada em termos daquilo que realmente é mais importante para você – a visão de sua vida como um todo. Por exemplo: se você quer ter uma empresa bem sucedida, inicie com um planejamento que irá produzir um determinado objetivo. Assim, a liderança é a primeira criação e o gerenciamento é a segunda. Liderar é fazer as coisas certas e gerenciar é fazer as coisas do jeito certo. Para começar com um objetivo em mente, desenvolva uma filosofia pessoal como jamais comprometer sua honestidade e sempre manter uma atitude positiva.

Distinga o que é mais importante. Saber gerenciar o tempo, priorizar atividades e fazer uma coisa de cada vez, com planejamento. Ver o problema do ponto de vista do outro, identificar as questões-chave e as preocupações envolvidas, determinar os resultados aceitáveis e identificar as novas opções possíveis para atingir resultados. Agindo assim, você estará seguindo o quarto hábito e encontrando elementos para progredir e alcançar objetivos.

Outro princípio básico da liderança[bb] está no quinto hábito: primeiro compreender para ser compreendido. Procurar primeiro compreender implica uma mudança no paradigma, visto que geralmente procuramos que primeiro nos compreendam. É o foco na aprendizagem de como a outra pessoa vê o mundo, como ela o sente. A essência da escuta empática não está em concordar com alguém, mas sim compreender aquela pessoa profundamente, tanto no plano emocional quanto no intelectual.

O sexto hábito fala de sinergia, ou seja, o todo é maior do que as partes. Quando há uma compreensão genuína, as pessoas encontram soluções que são melhores do que encontrariam agindo individualmente.

O Hábito 7 prioriza o seu eu: preserve e melhore seu bem mais precioso, que é você. Renove as quatro dimensões de sua natureza – física, espiritual, intelectual e emocional. Significa alimentar-se adequadamente, descansar, relaxar e praticar exercícios regularmente. A dimensão espiritual é o seu comprometimento com o sistema de valores. A renovação vem da oração, meditação e leituras espirituais. A dimensão mental é o desenvolvimento permanente do intelecto através da leitura, seminários e da escrita.

Cuide de você para cuidar do outro. Acredite em você para ter resultados vitoriosos. Tome uma atitude. Inove! Acredite que a mudança interna gera resultados vitoriosos. E isso independe do cenário econômico, pessoal e/ou social do País onde você vive. Ser um gestor nunca foi fácil, mas gerenciar suas ações faz a diferença, pois gerenciar com eficácia não é apenas organizar pessoas e recursos. É também liderar os potenciais das pessoas de sua equipe para que elas trabalhem melhor, com excelência.

Atitudes positivas e diferenciadas são o caminho para alcançar novos rumos para 2010 com resultados de sucesso[bb]. A base para uma gestão excelente é gerenciar a si mesmo primeiro. Ou seja, trabalhar com a excelência exigida do próximo. Sair das pressões do dia a dia e olhar como se estivesse fora do contexto, do topo da montanha, faz toda a diferença.

Um líder precisa, acima de tudo, inspirar confiança. Que eficácia terá um líder se ele não conseguir inspirar confiança nas pessoas que trabalham com ele? A competência correspondente à mente é esclarecer propósitos, que significa que esse líder sabe construir, com os colaboradores, uma visão poderosa e envolvente; seja a visão de um país, de uma empresa, de um departamento ou de uma escola.

A competência que corresponde ao aspecto físico é alinhar sistemas: as organizações também têm um “corpo”, digamos, que são os sistemas que devem favorecer o que se deseja realizar. Sistemas burocráticos, por exemplo, não estão alinhados com uma cultura de confiança. Se há confiança, não há necessidade de haver excesso de controle. O principal sistema é o de execução – poucas organizações têm um sistema consistente para transformar metas em resultados.

O quarto e último imperativo do líder da Era do Trabalhador do Conhecimento é liberar talentos. O líder precisa conhecer seus liderados e ajudá-los a crescer, provocar o seu potencial. Se for hábil o suficiente para escolher as pessoas certas e conciliar as metas arrojadas da empresa com o maior potencial e paixão dos colaboradores, assistirá verdadeiros milagres e o crescimento contínuo de seu pessoal, preparando também a linha sucessória em todos os níveis.

Crédito da foto para stock.xchng.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários