Linguagem e os programas de treinamentoPara atender as novas exigências impostas nas últimas décadas e trazer um olhar diferenciado sobre os saberes presentes nas estruturas das empresas, surge a necessidade da troca de informações e da construção do conhecimento organizacional. Uma grande quantidade de produções científicas tem sido desenvolvida sobre o tema aprendizagem organizacional. Em especial estudos relativos à formação para o trabalho, isto é, os programas de treinamento. Muitos pesquisadores relatam a deficiência desses programas, um deles é o italiano Bruno Maggi. Veja o que ele diz:

A maioria dos programas de formação é isolada do contexto organizacional, de análises das necessidades de formação e programas centrados nas prescrições hierárquicas, de atividades realizadas por agentes externos.

Uma dessas questões em relação à insatisfação frente à eficácia dos programas de treinamento passa pela linguagem, pois é ela que mobiliza o conhecimento e que gera saberes. Por meio dela podemos compreender as reais necessidades dos trabalhadores e elaborar programas de formação mais coerentes e satisfatórios, tanto para a empresa quanto para os funcionários.

A linguagem deve ser tratada como elemento fundamental para a produção e disseminação dos saberes presentes no trabalho, principalmente quando falamos em Gestão do Conhecimento. Essa ferramenta pode ser muito útil para os programas de formação e usada amplamente pelo setor de Gestão de Pessoas[bb].

No entanto, sabe-se que compartilhar conhecimento não é uma atividade fácil e que existem muitas barreiras para que uma comunicação seja eficaz:

  • A falta de uma linguagem comum que aproxime trabalhadores e gestores;
  • A dificuldade em verbalizar as ações cotidianas e suas dificuldades;
  • A resistência dos trabalhadores em revelar seus “segredos” de produção;
  • O desconhecimento, por parte de quem elaborada os programas de formação, da importância de ouvir quem executa as atividades.

Ergologia e as necessidades reais de quem executa o trabalho
Dentre muitos estudos realizados acerca dos conhecimentos organizacionais e do trabalho, temos a Ergologia. Essa perspectiva surgiu na França no início da década de 80 a partir de discussões de um pequeno grupo de pesquisadores, dentre eles Yves Schwartz, Daniel Faita, Bernard Vuillon e Jacques Duraffourg. O grupo debatia acerca das mudanças do trabalho nos anos 80, onde emergiu a questão “O que é o trabalho?”

Surgiu também naquele momento a necessidade de construir um acesso mais profundo e rigoroso ao mundo do trabalho, ao que era trabalhar para poder avaliar a transformação em curso – declínio parcial do taylorismo e mudanças tecnológicas. Para avaliar essa mudança era preciso aproximar do trabalho de modo mais simples, diferente dos moldes acadêmicos já instituídos. Era preciso ouvir os trabalhadores, como relata a pesquisadora Elisa Borges:

Trata-se de uma outra maneira de ver o trabalho, focando o ponto de vista da atividade do trabalhador, não na ótica de um “recurso humano a ser administrado”, ou como uma “pessoa a ser gerida”, mas como um trabalhador (individual e coletivo) que também faz a gestão de seu trabalho

O interessante é que a Ergologia demonstra que o trabalho é atravessado por questões societárias, valores pessoais e socioculturais, relações complexas e por formas de inteligências sociais diferentes e complementares. Todas as descobertas e avanços acadêmicos conseguidos nos estudos realizados possuem como ferramenta central a linguagem[bb].

Uma breve conclusão
Acredito que é possível melhorar os moldes dos programas tradicionais de formação para o trabalho e a linguagem é a força motriz para isso. Quer compartilhar alguma experiência pessoal neste sentido? Comente e vamos discutir o tema com mais profundidade.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários