Home Empresas Lítio, divórcio e ações em queda: o tumulto na mineradora brasileira Sigma Lithium

Lítio, divórcio e ações em queda: o tumulto na mineradora brasileira Sigma Lithium

O lítio é um mineral é essencial para a fabricação de baterias de longa duração que equipam veículos elétricos, parte da transição energética

por Redação Dinheirama
0 comentário
Produção da Sigma Lithium na mina Grota do Cirilo (MG), Brasil

As ações da mineradora brasileira de lítio Sigma Lithium (S2GM34) despencam 8% nesta quinta-feira (5) em suas negociações na B3, Nasdaq e TSX (Canadá)

Um imbróglio envolvendo um divórcio e a renúncia de diretores têm movimentado o mercado.

O lítio é um mineral é essencial para a fabricação de baterias de longa duração que equipam veículos elétricos, indústria que vem sendo impulsionada pela transição energética.

O primeiro embarque do “lítio verde” da Sigma, extraído no Vale do Jequitinhonha, foi acompanhado pelo vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, e aconteceu no final de julho.

A remessa foi enviada a empresa chinesa Yahua reúne 15 mil toneladas de lítio de alta pureza e 15 mil toneladas de rejeitos ultrafinos. Até o final do ano, a estimativa de exportação é de cerca de 130 mil toneladas.

Demissão

O diretor de operações da Sigma, Brian Talbot, deixou a empresa no fim do mês passado, disse ele à Reuters nesta quinta-feira, na mais recente reestruturação de liderança na mineradora sediada em Vancouver.

Talbot assumiu o cargo de COO no ano passado, supervisionando as operações na mina Grota do Cirilo, a principal da Sigma. Sua saída da Sigma, empresa vista como referência no setor de lítio em crescimento no Brasil, ocorre em meio a uma batalha legal entre o casal que comandou a empresa junto até o início deste ano.

Talbot disse que apresentou sua renúncia à Sigma no final de julho e que seu último dia na empresa foi sexta-feira, 29 de setembro. Ele não deu um motivo para sua saída.

A Sigma não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Sigma Lithium 2
Grota do Cirilo, da Sigma, que está entre os maiores e mais altos depósitos de lítio em rocha dura do mundo (Imagem: Site/ Sigma Lithium)

Divórcio

Na semana passada, a Reuters informou que o processo de divórcio entre a atual CEO da Sigma, Ana Cabral-Gardner, e Calvyn Gardner, seu marido e ex-co-CEO, desencadeou várias ações judiciais, incluindo uma disputa sobre alguns dos direitos minerários onde a Sigma planeja desenvolver minas.

Na época, a Sigma disse à Reuters que a disputa não afetaria seus planos de expansão, pois afirmou que poderia desenvolver a área por meio de um “contrato de compartilhamento de material estéril”. Também afirmou que os esforços para atrair um comprador para a Sigma não foram afetados.

Gardner deixou seu cargo de co-CEO em janeiro, e a Sigma anunciou um novo diretor financeiro em agosto.

Cemig

No final de agosto, a Cemig (CMIG4) fechou contrato para o fornecimento de energia limpa, renovável e de baixo custo à Sigma Lithium.

O acordo celebrado no mercado livre de energia possibilitará à Sigma uma economia de cerca de 60 milhões de reais ao longo de sua vigência, em comparação com a aquisição de energia via mercado cativo.

(Com Reuters)

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.