Livrar-se das dívidas e limpar seu nome com dignidade é possível!Meire comenta: “Navarro, depois de algum tempo desempregada e sem renda, finalmente consegui um novo emprego. No entanto, tenho muitas dívidas trazidas da época em que meu padrão de vida era melhor e nosso consumo era mais elevado. Não sei como começar a enfrentar o endividamento de maneira a me livrar dele sem perder qualidade de vida e a alegria de trabalhar. Quero negociar e pagar minhas dívidas, mas estou presa no medo de começar. Pode me ajudar?”

As perspectivas econômicas do país são as melhores possíveis. O ciclo de crescimento e migração social parece ter tomado força. Tomar dinheiro[bb] emprestado se tornou atividade corriqueira, simples e sem burocracia. O trabalho formal atingiu números recordes. O índice de confiança, tanto do empresário quanto do consumidor, está lá em cima. Sua vida provavelmente melhorou. A minha também.

O parágrafo anterior representa o retrato de um Brasil melhor, não há como negar, mas que ainda guarda desafios especiais para quem vive suas primeiras oportunidades de lidar com dinheiro e para milhares de famílias que veem, depois de muito esperar, a possibilidade de consumir, comprar supérfluos e também ter acesso ao crédito. O endividamento excessivo ainda atrapalha a vida de muitos brasileiros.

Onde as dívidas começam? Por quê?
Como parte do raciocínio que envolve a avaliação da situação de uma família, é importante levantar uma questão: quem são os verdadeiros responsáveis por tantas e tamanhas dívidas? A necessidade de apontar um culpado costuma diagnosticar protagonistas completamente equivocados: o banco, o lojista, os juros, a facilidade de comprar, o cartão, os filhos, o marido, a esposa. O outro, como bem aborda Bernadette Vilhena no excelente artigo “Escolha o caminho certo: opte pela qualidade de vida”.

Do palácio do comodismo, área também conhecida e apresentada em muitos livros como zona de conforto, apontamos o dedo para todos aqueles que influenciam nossas vidas. O piloto automático transforma o dia a dia em cotidiano, o hábito em falta de atitude, o sujeito em vítima. Vítima da própria ingenuidade ou cara de pau: alguns sequer compreendem como suas decisões são importantes; outros simplesmente fingem que isso não importa. Todos decidem, mesmo quando escolhem não mudar, nem melhorar.

A dívida, portanto, é apenas uma consequência. Um efeito sinistro, pesado da falta de planejamento, do confortável papel de vítima, da incoerência e da falta de bom senso. O endividamento é o retrato daqueles que desejam muito, mas sonham pouco – brasileiros que preferem comprar a construir, consumir a investir e trabalhar a ser livre. Quantos podem bradar o velho bordão “quem não deve, não teme”?

“Algum dia vou enfrentar a situação e sair dessa” é o que costumo ouvir quando pego pesado com a responsabilidade que todos devemos ter com nossas finanças. Algum dia, expressão pobre que para a grande maioria significa nunca. Expressão que evidencia como a mentalidade pobre vê o dinheiro: sem prioridade, como um acessório.

Você conhece a realidade da “corrida dos ratos”, termo criado por Robert Kiyosaki, autor do livro “Pai Rico Pai Pobre”? É simples: você trabalha, faz contas, trabalha mais para pagar as novas contas, a família cresce, sobem as despesas, você trabalha ainda mais, faz novas contas e o ciclo se repete. Você vive correndo para dar conta de tudo, tem a impressão de estar com tudo sob controle, mas no fundo é dependente e está preso ao ciclo. Trata-se do oposto da independência financeira.

Livre-se das dívidas! Hora de se mexer!
Sempre faço questão de frisar que para livrar-se do endividamento é mais importante ter atitude que dinheiro. Assumir a responsabilidade, jogar fora a máscara de vítima e “colocar a mão na massa” farão de você alguém motivado a buscar alternativas para aumentar suas receitas, diminuir suas despesas e renegociar suas dívidas. Experimente:

  • Definir suas prioridades. Quem você ama de verdade? Seus credores, representados por suas incontáveis contas, crediário etc. ou sua família, amigos, seu tempo livre e sua liberdade? Reavaliar o que é importante traz motivação para enfrentar a difícil aventura de sair da zona de conforto;
  • Listar todos os seus compromissos financeiros. Você já sabe qual é o montante devido aos credores? Quais são as dívidas mais caras? Quais são as dívidas que podem ser pagas mais rapidamente, cujo número de parcelas é menor? Ande com essa lista, atualize-a sempre e faça dela sua prioridade[bb];
  • Reorganizar as dívidas de forma inteligente e motivadora. É preciso enfrentar de cabeça erguida o período em que você se abstém de comprar para pagar suas despesas. Você pode pagar as dívidas mais curtas e baratas e logo comemorar a sensação de vitória pela ação alcançada. Organize a lista do item anterior de acordo com suas possibilidades e perfil. Por exemplo, se você gosta de ter sempre algo a comemorar e precisa de motivação, priorize as dívidas mais simples e fáceis de pagar, honre-as e então volte seu esforço para as demais;
  • Renegociar prazos, valores e dívidas. Se você tem dívidas caras, de juros altos, troque-as por dívidas mais baratas. Exemplo: faça um empréstimo pessoal (juros de 5% a.m.) e com esse dinheiro pague a dívida do cartão de crédito (juros de 12% a.m.). Exercite sua nova atitude frente às finanças telefonando e indo até as lojas/agências credoras. Explique a situação, negocie novas parcelas, prazos e demonstre interesse;
  • Fazer alguns sacrifícios. Avalie seu custo de vida em relação às suas receitas. Talvez seja necessário vender alguns pertences, a moto, o carro, itens que você não usa mais e por ai vai. Brechós, sebos, sites de leilão na Internet, são muitas as opções para levar adiante essa ação;
  • Ter mais paciência e investir em qualidade de vida. Lembre-se de suas novas prioridades e procure agir de forma progressiva na condução das negociações e pagamentos. Um novo hábito não se instala da noite para o dia, então procure pensar mais em agir que em evitar aquilo que não agrega valor. Estabeleça mudanças simples, que você sabe ser capaz de colocar em prática;

Dívidas demais, alegria de menos
A verdade por trás do endividamento é cruel: quanto mais posses a família acumula, mais ela quer acumular para impressionar novos e emergentes segmentos da sociedade, parentes e amigos. Não há um limite quando o que se pretende é a inclusão social pelo carro que se dirige ou marca de roupa. O perigo está justamente em ver no consumo razão de competição, quando o importante deveria ser a satisfação. O resultado disso é, via de regra, catastrófico.

O texto foi escrito de forma propositalmente pesada, incisiva, mas está carregado das melhores intenções. O apelo para o consumo[bb], uso excessivo do crédito e ostentação é muito maior que o recado de minhas palavras e deste espaço. Infelizmente. Ainda assim, não desistirei. Para minha alegria, muitos leitores passaram a relatar as mudanças ocorridas em suas vidas depois de colocar em prática a educação financeira.

Dignidade. Responsabilidade. Liberdade. Amor. Solidariedade. Realização. Futuro. Se minhas palavras incutirem em você o espírito da mudança, já me darei por satisfeito. Deixe seus comentários, vamos discutir o tema. Até a próxima.

Fórum Dinheirama Social
Se você quiser tirar dúvidas específicas sobre o endividamento, negociação de dívidas, finanças pessoais e investimentos em geral, acesse www.dinheirama.com/social e faça parte de nosso fórum de discussões. O cadastro é gratuito, leva pouco tempo e permite que você faça perguntas, colabore nas discussões e conheça pessoas com interesses semelhantes aos seus. Participe!

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários