Livro Antifrágil

Livro: Antifrágil

Autor: Nassim Nicholas Taleb
Editora: Best Business
Páginas: 664
Preço médio: R$ 60,00
[Clique aqui para comprar o livro no Submarino]

Primeiras Impressões

Quando comecei a ler Antifrágil imaginei que a leitura seria demorada, não só pelo número de páginas da obra, mas principalmente por se tratar de um livro que aborda um assunto delicado e que certamente despertaria, durante a leitura, a curiosidade por pesquisas complementares.

Sim, sou desses leitores que faz anotações, sublinha o livro todo e sai buscando outras opiniões diferentes das do autor. Mesmo agindo dessa forma, a leitura acabou sendo rápida, pois durante a leitura o autor Nassim Nicholas Taleb conseguiu apresentar uma tese que surpreende e convence com argumentos claros (mesmo batendo de frente com algumas verdades do pensamento contemporâneo).

Tomo a liberdade de utilizar as palavras da orelha do livro para compartilhar uma boa definição inicial para o problema que o autor aborda:

“Apesar de percebermos apenas instintivamente, muitas coisas na vida se beneficiam do nervosismo, da desordem, da volatilidade e da agitação. O que Taleb identificou como antifrágil é a categoria de coisas que não apenas se beneficiam do caos, mas que precisam dele para sobreviver e crescer”

Estrutura do livro

Ao todo o livro possui 664 páginas, divididas em 25 capítulos, mais epílogo, glossário, apêndices I e II, notas adicionais, reflexões posteriores e leituras complementares, bibliografia, agradecimentos e índice. Trata-se de um livro denso, mas muito prazeroso – digo isso para que você não se assuste com a robustez da obra.

Durante a Introdução, o autor entra nos conceitos de fragilidade e, claro, na sua ideia de antifragilidade:

“Não há uma palavra para antifragilidade nas principais línguas conhecidas, modernas, antigas, coloquiais ou gírias. Até mesmo o russo (a versão soviética) e o inglês padrão do Brooklyn não parecem ter uma designação para antifragilidade, confundindo-a com robustez”

Ao nomear o termo antifragilidade, o autor desenha a tese de que ele não seria compatível nem sinônimo das palavras “robusto”, “sólido”, “inquebrável”, “bem-construído” ou  “resiliente”. O que o autor pretende é justamente dar a ideia de um termo que possa expressar a fragilidade reversa.

Ao se aprofundar sobre o tema em Antifrágil, Nassim Taleb ainda destaca a necessidade de conflitos e adversidades como molas propulsoras à uma série de avanços – estes acontecem justamente por nos sentirmos provocados a seguir em frente.

“Não se pode subir ao poder e governar sem enfrentar perigo contínuo – alguém trabalhará ativamente para derrubá-lo”

O livro se desenvolve cercado de exemplos e pensamentos antigos capazes de provocar reflexões importantes sobre o mundo contemporâneo. Coisas como a importância da morte para a vida, as vantagens dos erros para o coletivo e algo que considero fundamental para o desenvolvimento da humanidade: as razões pelas quais precisamos de pessoas que assumam riscos.

Opcionalidade, tecnologia e inteligência da antifragilidade

Uma das partes mais interessantes do livro dá vazão a um pensamento em que fica clara a tensão existente entre a educação convencional, que preza a ordem, e a inovação, que preza a desordem. Nesse ponto, o autor faz uma constatação interessante, que apresento abaixo:

“Investigações empíricas sérias (em grande parte graça a um certo Lant Pritchet, então economista do Banco Mundial) não demonstram qualquer evidência de que o aumento do nível geral da educação aumenta a riqueza de um país. Mas sabemos que o oposto é verdadeiro, que a riqueza leva ao aumento da educação – e isso não é uma ilusão de ótica”

Em Antifrágil, o autor defende a tese de que a educação traz benefícios que vão além da estabilização da renda familiar, sendo que a ideia de investir em educação para aprimorar a economia é algo bastante recente, sem comprovação técnica de tais benefícios.

Muitas vezes acabamos fazendo as perguntas erradas e, consequentemente, chegamos a conclusões equivocadas – não com relação à resposta para a pergunta, mas sim quanto a resolução do verdadeiro problema. Sim, porque o problema da educação é categórico e requer discussão importante, com o olhar voltado para o futuro.

A ética da fragilidade e da antifragilidade

Cada vez está mais claro que apenas boas intenções são insuficientes para que a sociedade possa evoluir, e o limite entre o ético e o legal se torna uma barreira praticamente inexistente para uma sociedade onde as pessoas assumem cada vez mais posições pessoais sem levar em conta o bem comum.

“O pior problema da modernidade reside na maligna transferência de fragilidade e de antifragilidade de um lado para o outro, com um dos lados recebendo os benefícios e o outro recebendo (involuntariamente) os danos; essa transferência é facilitada pela lacuna, cada vez maior, entre o ético e o legal”

Tomando as palavras de Adam Smith, fica nítido o saber de que o coletivo não exige a benevolência dos indivíduos, pois o oportunismo pode ser o motor do crescimento.

Conclusão

Antes de tudo, Antifrágil é uma verdadeira aula. Poucos autores na atualidade conseguem transitar por temas tão complexos de maneira suave e interessante quanto Nassim Taleb.

Uma sugestão que proponho aos leitores é que possam dividir a leituras com amigos, para que possam compartilhar opiniões e promover um debate ainda mais interessante em torno da tese defendida pelo autor. Confira abaixo minhas notas:

  • Linguagem e narrativa: 9,0
  • Exemplos práticos: 9,5
  • Temas abordados: 9,0
  • Preço: 6,0
  • Custo/Benefício: 8,0

O livro Antifrágil me surpreendeu muito positivamente e eu recomendo a leitura. Se você gostou da ideia, a leitura do livro “A Lógica do Cisne Negro”, do mesmo autor, ajuda a entender melhor a lógica de alguns pensamentos e de algumas referências realizadas em “Antifrágil”. Até a próxima.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários