Home Economia e Política Lula compara ação israelense em Gaza com atuação de Hitler contra judeus; Israel fala em ataque a seu povo

Lula compara ação israelense em Gaza com atuação de Hitler contra judeus; Israel fala em ataque a seu povo

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, disse que convocaria o embaixador do Brasil no país para uma reprimenda

por Reuters
0 comentário
Presidente Luiz Inácio Lula da Silva discursa na 37ª Cúpula de Chefes de Estado e Governo da União Africana, em Adis Abeba, na Etiópia

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comparou neste domingo a ação das forças de Israel na Faixa de Gaza com a atuação do governo nazista de Adolf Hitler contra os judeus, o que gerou forte reação do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e da comunidade israelita no Brasil.

Em entrevista coletiva após participar da 37ª Cúpula de Chefes de Estado e Governo da União Africana, em Adis Abeba, na Etiópia, Lula voltou a condenar a atuação de Israel na Faixa de Gaza na guerra contra o Hamas.

“O que está acontecendo na Faixa de Gaza, com o povo palestino, não existiu em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu quando Hitler decidiu matar os judeus”, afirmou Lula.

“O Brasil continua solidário ao povo palestino. O Brasil condenou o Hamas, mas não pode deixar de condenar o que o Exército de Israel está fazendo na Faixa de Gaza”, acrescentou.

Em reação, Israel acusou Lula de banalizar o Holocausto e ofender o povo judeu. Netanyahu descreveu os comentários de Lula como “vergonhosos e graves”.

“Isto é uma banalização do Holocausto e uma tentativa de atacar o povo judeu e o direito de Israel à autodefesa. Fazer comparações entre Israel, os nazis e Hitler é cruzar uma linha vermelha”, disse Netanyahu em comunicado.

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, disse na rede social X, antigo Twitter, que convocaria o embaixador do Brasil no país para uma reprimenda pelos comentários feitos pelo presidente brasileiro.

O Palácio do Planalto informou que não iria comentar. Já o Ministério das Relações Exteriores não respondeu imediatamente a um pedido de comentários.

No Brasil, a fala de Lula em Adis Abeba também repercutiu na comunidade israelita. Em nota, a Confederação Israelita do Brasil (Conib) repudiou os comentários.

“Os nazistas exterminaram 6 milhões de judeus indefesos na Europa somente por serem judeus. Já Israel está se defendendo de um grupo terrorista que invadiu o país, matou mais de mil pessoas, promoveu estupros em massa, queimou pessoas vivas e defende em sua Carta de fundação a eliminação do Estado judeu”, disse a Conib.

“Essa distorção perversa da realidade ofende a memória das vítimas do Holocausto e de seus descendentes”, acrescentou a confederação, que qualificou a postura do governo brasileiro em relação ao conflito em Gaza como “extrema e desequilibrada”.

Em Adis Abeba, Lula também foi questionado sobra a intenção do Brasil de elevar as contribuições para a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos (UNRWA, na sigla em inglês).

Ligada à ONU, a agência tem enfrentado críticas e cortes de doações de países aliados de Israel, como os Estados Unidos, após denúncias de que funcionários teriam participado dos ataques do Hamas a cidadãos israelenses em 7 de outubro.

Segundo Lula, ainda não há definição sobre a quantia que será enviada pelo Brasil à UNRWA.

Morte de opositor russo

Na entrevista coletiva, Lula evitou se manifestar sobre a morte de Alexei Navalny, o mais destacado opositor do presidente russo, Vladimir Putin, e que teria desmaiado e morrido numa prisão do Ártico na sexta-feira, após uma caminhada, conforme a versão oficial.

“Se a morte está sob suspeita, temos que primeiro fazer uma investigação para saber do que o cidadão morreu’, afirmou Lula. “O cidadão morreu numa prisão… não sei se ele estava doente, se tinha algum problema”, acrescentou.

Lula afirmou que condenar a morte de Navalny sem uma investigação seria “banalizar” uma acusação. “Eu até compreendo os interesses de quem acuse”, acrescentou, sem se aprofundar na questão.

Países como Estados Unidos, Alemanha, França e Reino Unido condenaram a morte do opositor russo, enquanto a China — próxima ao governo Putin — se recusou a comentar até o momento.

Fuga de presídio no Brasil

Na entrevista, Lula também foi questionado a respeito da fuga de dois detentos do presídio federal de Mossoró (RN) na última quarta-feira. Segundo ele, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, foi a “primeira pessoa” a afirmar que seria feita uma sindicância para apurar possível participação de funcionários do presídio na fuga.

“Queremos saber como estes cidadãos cavaram um buraco e ninguém viu”, afirmou Lula. “Pode ter havido relaxamento e precisamos saber de quem”, acrescentou.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.