Cartão de CréditoRod comenta: “Navarro, parabéns pelo blog (já acho que é um site). Tenho reparado nas muitas notícias acerca de nosso crescimento econômico e da disponibilidade de crédito e notei, na pele, alguns efeitos colaterais deste fenômeno. Precisei ajustar alguns problemas com minha fatura de cartão de crédito e fui muito mal atendido. Li recentemente na Folha que o problema parece ser de infraestrutura. Isso não é bem uma reclamação, senão um desabafo para que você possa tocar no assunto com seus leitores. Valeu”.

Rod, obrigado pela visita e pela motivação para com o blog (ou será site?). Tenho certeza de que este seu desabafo vem com a força de muitos outros leitores, também vítimas de situações semelhantes. Os dados realmente impressionam e demonstram claramente essa falta de estrutura. Não sei se a reportagem que você viu foi a que circulou ontem pela Folha, então tratarei de comentá-la para que todos também possam perceber como anda nossa situação.

Alguns números
O Brasil conta hoje com aproximadamente 400 milhões de cartões (de crédito, de desconto etc). O crescimento foi de mais de 12% em relação ao ano passado. É um crescimento expressivo. No bom popular, é cartão pra burro. Engraçado que as queixas seguiram um ritmo bem mais acelerado (e triste), crescendo 52% em relação ao mesmo período do ano passado. Você gasta mais, financia mais, endivida-se mais e as operadoras continuam sem melhorar seus serviços? Isso mesmo.

Sendo mais específico, o ranking de reclamações do primeiro semestre está assim:

  1. Cartões de crédito, com 1674 ocorrências;
  2. Bancos, com 1004 ocorrências;
  3. Financeiras, com 363 ocorrências;
  4. Cartões de desconto, com 264 ocorrências;
  5. Seguros, com 231 ocorrências.

O que diz o Procon?
Nada que você já não saiba. Ele diz que realmente o número de cartões aumentou e que as operadoras e empresas responsáveis estão sendo cada vez mais criticadas e processadas pelos usuários de seus serviços. O ranking acima é deles. Mas isso não significa que não temos opção. Continue usando os serviços de defesa do consumidor, eles funcionam e merecem todo nosso crédito.

Há como escapar do desafio de telefonar para eles?
Sei que de vez em quando aparece uma cobrança indevida em sua fatura. Sei também que você já recebeu um cartão sem solicitá-lo. Infelizmente (ou será felizmente?), o melhor que você pode fazer é não precisar consultar sua operadora para resolver algum problema. Vimos que, de certa forma, isso é inevitável. No entanto, algumas dicas do próprio Procon podem ajudá-lo a evitar maiores dores de cabeça:

  • Tarifas: informe-se sobre as taxas cobradas no contrato e certifique que elas estão dispostas em reais;
  • Valores: sempre confira as faturas. Sempre;
  • Data de fechamento: procure informar-se sobre a data de fechamento da fatura. Assim você programa suas compras com mais inteligência e facilidade;
  • O lugar: só use seu cartão em estabelecimentos confiáveis. Costumo sempre procurar por indicações visuais de que a operadora esteve recentemente por ali (máquina nova, tipo de máquina, adesivos pouco desgastados etc);
  • Pagamento da fatura: pague sempre em dia. Lembre-se que os juros deste tipo de estão entre os mais altos do mercado;
  • No telefone: se você vai precisar ligar para o atendimento da operadora, faça questão de anotar o nome da atendente, a data e horário da ligação e o número de protocolo da chamada.

Minha conclusão?
Tenha sim um cartão de crédito, ele é útil, ajuda e facilita muito algumas compras. Mas tenha um cartão. Ok, no máximo dois. Ufa.

Fontes: Folha de S. Paulo e Procon SP

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários