Não sei você, caro leitor, mas eu tenho visto e lido muitas opiniões contrárias às manifestações. As vozes dissonantes alegam que falta aos cidadãos nas ruas definir objetivos claros, uma agenda de exigências e também lideranças capazes de negociar.

Entendo que é difícil liderar quem não compartilha dos mesmos sentimentos em relação às reformas tão necessárias, mas não acredito que este seja o caso do Brasil representado pelos movimentos atuais.

Não posso falar pelos demais, mas eu protestei e sigo protestando por razões óbvias, já batidas e, tenho certeza, presentes nos pensamentos de muita gente. Não se trata de criticar este ou aquele governo, uma sigla ou a figura de um político qualquer. As mudanças passam por isso, é verdade, mas são mais profundas. São de ordem cidadã.

É ridículo ter que pagar 53% de impostos em um litro de gasolina, mais IPVA, e ainda assim andar em ruas e estradas de péssima qualidade, muitas delas ainda de bloquetes e paralelepípedos. O que dizer dos caros pedágios cobrados para usar as estradas que meu dinheiro construiu e que o governo não tem competência para manter? Falo apenas do carro porque transporte público de qualidade e infraestrutura ainda são meros sonhos.

É um absurdo encontrar escolas e hospitais em condições deploráveis enquanto vemos salários de políticos aumentarem em linha com o inchaço da máquina pública. Um país cuja classe política mais importante ganha cerca de 20 vezes mais que a renda per capita média não pode se julgar sério quando fala de erradicar a pobreza e diminuir a desigualdade. E sem educação e sistema de saúde de qualidade fica impossível criar as condições para que novos cidadãos brilhem e levem consigo o desenvolvimento da nação.

É lamentável notar que os gastos públicos com pessoal foram levados a patamares absolutamente desnecessários e de uma forma irresponsável. Pense em quantos funcionários incompetentes mantemos nas mais diferentes funções de governo e que não podem ser mandados embora. Como administrar e ser responsável com a gestão diante de uma realidade assim? Só no discurso, como já tem sido feito há muitos governos.

É desanimador abrir e manter uma empresa, especialmente porque temos uma legislação trabalhista atrasada e paternalista, longe do necessário equilíbrio entre deveres e direitos de empresários e empregados, algo fundamental para permitir mais crescimento e oportunidades para todos. Some a esse quadro uma burocracia desconcertante e uma carga de impostos absolutamente confusa e o resultado é descaso com o desejo empreendedor. O resultado? Os concursos públicos viraram “tábua de salvação”.

É triste não poder circular com tranquilidade e ter direitos simples revogados porque não há garantias mínimas de segurança – basta lembrar que a solução para diminuir os furtos tipo “saidinha de banco” foi proibir o cidadão de usar o telefone celular e não mais policiamento e rigor com o bandido. Resta sair às ruas com medo e presenciar a corrupção como se isso fosse normal.

É decepcionante constatar que roubar e agir de forma corrupta e contra o interesse público se tornaram parte de uma profissão lucrativa e de grande influência na política. Dói muito saber que nossos representantes nos assaltam, sem pudor e de forma descarada. A impunidade machuca ainda mais. Valores e princípios ficam banalizados e a cidadania toma ares de cartilha, o que deseduca e destrói os laços que precisam existir entre o povo e seus representantes.

É cruel a relação entre o montante de impostos que pagamos e a contrapartida do benefício público por eles gerados. Os desvios e a falta de prioridades são problemas crônicos que vêm de muito tempo. O que dizer dos juros, uma verdadeira festa do dinheiro paga com o esforço do cidadão? Enquanto somos incentivados a consumir para fazer o Brasil crescer, o Estado incha seus quadros (nós pagamos a conta) e as instituições financeiras ficam mais ricas (nós pagamos a conta).

Não sei você, mas eu tenho bons motivos para reclamar, protestar e me manifestar. Claro que com decência, civilidade e sem violência, afinal o principal é entender que a mudança começa comigo e com o meu comportamento no dia a dia e nas pequenas coisas. É preciso evitar a hipocrisia a qualquer custo, é verdade.

Seguirá protestando? Sim, afinal protesto pelo direito de me sentir cidadão, porque por hora tudo que sinto é que estou sendo enganado, governo após governo. E faço questão de agir, através de muito voluntariado, projetos de educação como esse e com a criação de empresas. Fazer mais também é protestar.

Protesto, pois, para me sentir um brasileiro de verdade, respeitado por isso e orgulhoso por construir e usufruir do potencial que possuímos enquanto nação. E você, protesta por quê? Protestaria pelo quê? Deixe seu comentário por aqui e também no Twitter – sou o @Navarro por lá. Até a próxima.

Foto: divulgação.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários