Home Carreira O que não é dito nos manuais de Empreendedorismo

O que não é dito nos manuais de Empreendedorismo

por Richard Rytenband
0 comentário

Empreender não tem a ver apenas com o lado bom dos negócios. E ignorar isso pode ser um perigoso erro ao ingressar nesta jornada.

Com o aumento do interesse pelo empreendedorismo e pelo modelo de negócio das startups, não há uma semana sequer que não se leia ou se discuta sobre as características em comum entre os empreendedores de sucesso.

A fórmula parece insuperável; o sucesso, garantido. No entanto, a realidade não é tão simplista assim. O que pouco se fala é o preço psicológico do empreendedorismo, que pode ser caro e brutal.

Falhar pode ser algo natural, mas não para quem é treinado apenas para vencer, e esse pode ser um perigoso erro. Empreender não tem a ver apenas com o lado bom dos negócios. A importância de desenvolver uma estrutura emocional para transpor as dificuldades impostas neste percurso é muitas vezes ignorada nos manuais de “sucesso”.

Leitura recomendada: O fracasso (e não a escola) ensina sobre empreendedorismo e negócios

Essa falta de transparência ao tratar sobre o assunto pode desencadear o chamado viés heurístico da representatividade, tratado no ramo das finanças comportamentais.

Este viés se refere ao julgamento baseado em estereótipos, em que não se avalia a representatividade do tamanho da amostra. Em outras palavras, as pessoas julgam os eventos pela sua aparência e semelhança, não pela probabilidade deles realmente acontecerem.

Atenção aos casos de fracasso

Ao se deparar com uma listagem de casos de sucesso, e os pontos em comuns entre eles, um jovem julga que a probabilidade de ocorrer algo similar é elevada. Contudo. não levam em conta os inúmeros casos de fracassos que não foram noticiados.

Esta contradição gerada pelo viés da representatividade e a dura realidade de sobrevivência pode ter impactos severos na saúde mental dos empreendedores.

Pesquisa atualizada em abril de 2015, realizada por Michael A. Freeman, da Universidade da California São Francisco e colegas da UC Berkeley, sob o título “Are Entrepreneurs touched with fire?” e que contou com a participação de 242 empreendedores, apontou que 72% dos empreendedores são afetados direta ou indiretamente por problemas de saúde mental, sendo que o grupo não empreendedor utilizado na comparação, apresentou um percentual bem inferior, 48%.

Leitura recomendada: 10 atitudes para transformar seu fracasso em sucesso financeiro

Exceto a ansiedade que é presente no mesmo percentual em ambos os grupos, os empreendedores lideraram em relatos de depressão (30% versus 15% dos não empreendedores), déficit de atenção (29% versus 5% dos não empreendedores) e doença bipolar (11% versus 1% dos não empreendedores).

Conclusão

Uma maneira de ajudar profissionais que têm interesse em ter seu próprio negócio é começar a abordar com mais transparência a questão sobre a qualidade da saúde emocional envolvendo o empreendedorismo.

Não podemos prosseguir pressionando os jovens a empreender, sem avançar no preparo da parte mental. E isso não se refere a replicar características tidas como padrões entre os bem-sucedidos. Mas sim em como não negligenciar a própria saúde e a felicidade em troca de um sucesso futuro que pode nunca chegar.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Faça parte da rede “O Melhor do Dinheirama” com as melhores análises e notícias

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.