Escrevemos no último artigo que a tendência primária do mercado acionário local era de alta, para a realidade dos fatos no curto prazo contestar. Essa é a maravilha dos mercados de risco e a sutileza que carregam, onde alguns dados podem mudar o comportamento de curto prazo.

Por conta de mudanças de humor no mercado internacional e do local, a B3 (Bovespa) registrou seis pregões consecutivos de queda saindo de 87.300 pontos para 83.700 pontos, justo onde encontramos linha de suporte gráfico. Portanto, o curto prazo ficou bem complicado, nos mesmos moldes do que ocorreu no início do mês de fevereiro, quando chegamos a fazer mínima de 79.600 pontos.

Governo Temer

Motivos para esse reajuste tivemos aos “potes”. No segmento interno, passou a vigorar a percepção de que no ano de 2018 o governo Temer não conseguirá aprovar mais nada de relevante na direção do ajuste da economia e redução do déficit primário. Além disso, por conta de problemas no segmento externo, o Bacen e o Copom parecem estar numa autêntica “sinuca de bico”, no que tange à taxa de juros básica.

Na reunião do Copom de amanhã (21 de março) está praticamente certo que a taxa Selic será novamente reduzida em 0,25% para o patamar de 6,50%. A dúvida está concentrada se no comunicado e, na ata, o Copom deixará a porta aberta para nova queda na reunião do início de maio ou próximas. A inflação rodando consistentemente abaixo da meta, reforçada por projeção de safra agrícola e chuva em reservatórios prolongando bandeira verde; dão margem para manter essa postura. Contudo quando incluímos o setor externo, a situação complica.

Guerra comercial

Temos a possibilidade de guerra comercial a partir da tarifação que os EUA pretendem impor para aço e alumínio, retaliações e denúncias junto à Organização Mundial do Comércio (OMC), o que no final da linha poderia interferir no crescimento econômico global.

Incluímos ainda a preocupação manifestada justamente pelo presidente do Bacen, Ilan Goldfajn, sobre a atitude dos principais bancos centrais no que versa sobre normalização da política monetária. Notem que não falamos somente do FED que saiu na frente nos ajustes de juros e tamanho do balanço do banco central, mas podemos incluir os bancos centrais da Inglaterra, BCE (Europeu), Austrália e até o do Japão (BoJ) que está atrasado nisso.

A preocupação de Ilan é com relação ao eventual reforço da inflação nesses países, o que determinaria elevações de juros não tão graduais quanto se supõe. Caso isso aconteça, acabaria por alterar o fluxo de recursos para emergentes, onde o Brasil se mostra bastante dependente. Ilan alerta que o Brasil possui amortecedores para aguentar os solavancos da economia global, mas certamente não seria bom passarmos por isso nesse ano tão complicado.

Facebook no meio de uma crise

É por isso que sempre temos alegado a volatilidade dos preços dos ativos. Agora temos mais uma encrenca envolvendo diretamente o Facebook, que acaba arrastando outras ações de tecnologia. Notadamente o Google. A empresa de Zuckerberg foi atingida por investigações no caso Rússia das eleições presidenciais.

Mas são exatamente essas sutilezas que fazem a maravilha dos mercados. Enquanto alguns se assustam com a volatilidade dos preços, outros investidores enxergam nisso boas oportunidades de auferir lucros extraordinários. Basta lembrar que logo após a acentuada queda do início de fevereiro, a Bovespa voltou a bater novo recorde histórico perto dos 88.400 pontos. Quem sabe essa história não se repete?

Alexandre Graham Bell dizia que: “nunca ande pelo caminho traçado, pois ele conduz somente até onde os outros já foram”.

Alvaro Bandeira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários