Home Agronegócio Marfrig “sai da fazenda” ao vender R$ 7,5 bilhões em unidades de abate para a Minerva

Marfrig “sai da fazenda” ao vender R$ 7,5 bilhões em unidades de abate para a Minerva

A transação, explica a empresa, faz parte da estratégia de focar na produção de carnes com marca e produtos de maior valor agregado

por Gustavo Kahil
0 comentário

A Marfrig (MRFG3) informou nesta segunda-feira que fechou acordo para vender para a Minerva (BEEF3) e sua controlada Athn Foods Holdings determinadas unidades de abate de bovinos e ovinos na Argentina, Brasil, Chile e Uruguai por 7,5 bilhões de reais.

Segundo a Marfrig, pelo acordo, foi acertado um sinal de R$ 1,5 bilhão recebidos nesta segunda-feira, enquanto o saldo de R$ 6 bilhões será pago no fechamento da transação, “tendo o comprador apresentado compromisso firme de financiamento de instituição bancária”.

A transação, explica a empresa, faz parte da estratégia de focar na produção de carnes com marca e produtos de maior valor agregado.

Os ativos vendidos no Brasil incluem as unidades de abate de bovinos: Alegrete, no Rio Grande do Sul; Bagé, no Rio Grande do Sul; Bataguassu, no Mato Grosso do Sul; Chupinguaia, em Rondônia; Mineiros, em Goiás, Pontes e Lacerda, no Mato Grosso, São Gabriel, no Rio Grande do Sul, Tangará da Serra, no Mato Grosso e três unidades inativas.

Na Argentina, a unidade de abate de bovinos de Villa Mercedes; no Chile a unidade de abate de ovinos Patagonia; e no Uruguai: as seguintes unidades de abate de bovinos Colônia, Salto e San José.

O que sobrou?

Ademais de sua participação de controle na BRF, na National Beef e na Plant Plus, nos Estados Unidos, a Marfrig continua nos segmentos de bovinos e processados, no Brasil, e continua com a fábrica de industrializados Pampeano, a maior exportadora brasileira de enlatados para Europa, e com os complexos industriais de abate e processamento de produtos com marca e valor agregado de Várzea Grande e Promissão, assim como a fábrica de hambúrgueres de Bataguassu.

Na Argentina, a Marfrig segue com o seu complexo industrial de San Jorge, produtor das marcas Quickfood, Paty e Vienissima!, assim como com a unidade de Campo del Tesoro, fornecedora das principais cadeias de fastfood globais, além das unidades de Baradero e Arroyo Seco.

No Uruguai, a companhia seguirá com o complexo industrial de Tacuarembó, líder na produção de carne orgânica, e a unidade de processados de Fray Bentos. No Chile, continua com seus complexos de armazenagem, distribuição e trading.

Veja o documento:

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.