Viver de Renda
Viver de Renda
Home Empresas McLaren compra créditos de carbono no Brasil para zerar emissões

McLaren compra créditos de carbono no Brasil para zerar emissões

A equipe pretende reduzir suas emissões em 90% até 2040. Para os 10% restantes, ela implementará iniciativas como a compensação

por Reuters
0 comentário
McLaren

A McLaren Racing concordou em comprar créditos de carbono de projetos de reflorestamento na Amazônia e de iniciativas de remoção de CO2 no Reino Unido e nos Estados Unidos como parte de sua tentativa de zerar suas emissões líquidas até 2040, informou a equipe nesta quinta-feira.

A McLaren compete na Fórmula 1 e na Fórmula Indy, com emissões provenientes — além do próprio automobilismo — de atividades como viagens aéreas, sendo que a Fórmula 1 deve ter 24 corridas em 22 países diferentes no próximo ano.

Um dos acordos foi a compra de créditos de remoção de carbono da startup brasileira Mombak, que refloresta terras degradadas na Amazônia, enquanto um segundo envolve a empresa escocesa UNDO, que remove o CO2 da atmosfera por meio do aumento do desgaste das rochas.

A McLaren também disse em um comunicado que estava fazendo uma parceria com a Great Barrier Reef Foundation, uma organização australiana sem fins lucrativos que trabalha para restaurar os recifes de coral. O australiano Oscar Piastri pilota para a equipe na Fórmula 1. A equipe pretende reduzir suas emissões em 90% até 2040. Para os 10% restantes, ela implementará iniciativas como a compensação de carbono.

Cadeia de suprimentos

A empresa não revelou quanto estava investindo em seu novo “Programa de Contribuição Climática”. “Uma grande parte disso é garantir que reduziremos as emissões em todas as nossas operações e na cadeia de suprimentos”, disse a diretora de sustentabilidade da equipe, Kim Wilson, sobre a meta para 2040. “Mas sabemos que isso não é suficiente. Também temos que fazer algo com relação ao carbono existente na atmosfera da Terra.”

A Mombak disse à Reuters que, segundo o acordo, a empresa fornecerá remoções de 2023 a 2025 a um preço médio de mais de 50 dólares por tonelada métrica, acima da média no mercado tradicional de créditos de carbono. Os créditos de carbono são autorizações negociáveis que permitem que o proprietário emita determinadas quantidades de gases do efeito estufa, sendo que cada crédito permite a emissão de uma tonelada de dióxido de carbono.

“Para mim, a grande notícia é o crédito de carbono acima de 50 dólares”, disse Peter Fernandez, cofundador da Mombak, em uma entrevista. “Isso é um patamar novo. No Brasil, as pessoas ainda acham que crédito de carbono vale 5 dólares, 10 dólares, 20 dólares — isso não é verdade mais.”

A Mombak, que compra terras degradadas de agricultores e pecuaristas ou faz parcerias com eles para replantar espécies nativas na maior floresta tropical do mundo, é apoiada por investidores como a Bain Capital e a AXA. Recentemente, a empresa levantou um fundo de 100 milhões de dólares para construir projetos de remoção de carbono na Amazônia, com dinheiro do CPPIB, do Canadá, e da Fundação Rockefeller, e disse que espera que o acordo com a McLaren ajude a moldar o nascente setor de remoção de carbono do Brasil.

“Como é que a gente faz restauração ecológica no Brasil com apenas 20 dólares por tonelada? Não dá, a conta não fecha mesmo. Agora isso vai mostrar que não precisa, na verdade o mundo topa pagar mais”, disse Fernandez. Os críticos dos mercados de compensação de carbono, incluindo o Greenpeace, dizem que eles permitem que os emissores continuem a liberar gases do efeito estufa.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Faça parte da rede “O Melhor do Dinheirama” com as melhores análises e notícias

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.