O novo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, avaliou que a reforma do sistema previdenciário é fundamental para assegurar as aposentadorias no futuro. Ele defendeu a adoção de uma nova idade mínima para a aposentadoria e uma regra de transição com prazo equilibrado.

“Não prometemos valores que não podem ser cumpridos. Despesas públicas são sempre pagas pela população, e a Previdência também”, disse o ministro, em entrevista ao programa Bom Dia Brasil, da Rede Globo.

A ala política que apoia o Presidente interino Michel Temer, não gostaria de ver o tema previdência em destaque nesse momento. O tema é considerado espinhoso e poderá trazer desgaste em um momento crucial para o novo governo.

Rombo maior do que esperado

O governo Temer quer aprovar um abatimento maior da meta fiscal deste ano para acomodar perda com a negociação da dívida dos Estados. A medida, se aprovada pelo Congresso Nacional, abre caminho para que o rombo das contas públicas em 2016 seja superior a R$ 96,65 bilhões ao final do ano.

Se quiser evitar um déficit maior, o novo governo será obrigado a fazer um esforço fiscal adicional. Logo depois da posse do presidente em exercício Michel Temer, o ministro do Planejamento, Romero Jucá, admitiu que o déficit das contas públicas previsto para 2016 é superior a esse valor, pelos cálculos de hoje.

Gosta de vídeos sobre educação financeira? Clique aqui, assine nosso canal, e receba atualizações direto no seu e-mail

Atividade econômica recua 1,44%

A atividade econômica brasileira recuou 1,44% no primeiro trimestre do ano em relação aos três meses anteriores, segundo dados divulgados pelo Banco Central, nesta sexta-feira (13).

Em março, o IBC-Br, indicador de atividade do Banco Central, caiu 0,36% na comparação com fevereiro. Segundo o Banco Central, O IBC-Br caiu 6,64% sobre março de 2015 e acumulou queda de 5,11% em 12 meses – sempre em números dessazonalizados. O índice tem registrado desempenhos mensais negativos desde janeiro de 2015.

O IBC-Br incorpora estimativas para a produção nos três setores básicos da economia: serviços, indústria e agropecuária, assim como os impostos sobre os produtos.

Mercado Financeiro

O mercado financeiro continua aguardando as primeiras medidas que serão propostas pelo novo governo. O discurso de Temer sinalizou a disposição de maior diálogo com o congresso e a sociedade. Reformas em áreas importantes são esperadas e a disposição de recomeçar um novo período de crescimento no país estão evidenciadas.

No lado corporativo, segundo o analista de investimentos Roberto Indech, da corretora Rico, “vale ficar atento com as ações de Petrobras, BM&FBovespa, MRV, Cosan, Ecorodovias, Light, CPFL e Rossi, que reportaram seus números do 1T16”.

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, operava às 12h17 em baixa de -1,74% a 52.312 pontos. Já o dólar, subia 1,02% negociado a R$ 3,51.

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários