Por Walter Poladian Filho, consultor de investimentos e planejador financeiro do Criando Riqueza.

Vou simplificar a definição desse produto bancário, pois acredito que você já deve estar cansado de explicações em “economês”, nas quais você lê, relê e não entende.

Basicamente você empresta dinheiro para o banco, que lhe pagará juros sobre o valor em questão. O banco, por consequência, utiliza esse recurso para realizar empréstimos aos seus correntistas com juros maiores, nos quais ganha o famoso spread (diferença entre taxas).

CDBs dos grandes bancos

Os CDBs mais comuns são aqueles com rentabilidade pós-fixada indexada ao CDI, com liquidez diária, oferecidos pelos grandes bancos. Ou seja, você receberá um percentual da variação do CDI, referencial que tende a acompanhar de perto a taxa básica de juros da economia (Selic), hoje em 14,25% ao ano.

Muitas pessoas optam por essa aplicação por ouvirem falar que ela rende mais que a poupança e por ter a possibilidade de resgate imediato e garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) no valor de até R$ 250 mil.

Pelo que percebi conversando com diversos investidores, a maioria não se atenta às taxas de retorno oferecidas pelos bancos. E tem dificuldade em encontrar essa informação acessando suas contas on-line. O que tenho visto em aplicações com valores baixos, nos grandes bancos, são rentabilidades próximas a 80% do CDI.

E levando em conta que no CDB há incidência de Imposto de Renda sobre os rendimentos, conforme tabela abaixo, o retorno pode ser insuficiente até para compensar a inflação (lembrando que a inflação medida pelo IPCA nos últimos 12 meses chegou a 9,3%).

A melhor maneira de investir em CDB

Portanto, caso não consiga uma taxa de retorno acima de 95% do CDI em seu banco, sugiro investir no título Tesouro Selic (do Tesouro Direto) por uma corretora independente (não ligada a um banco), em que, com valores pequenos, você conseguirá retorno próximo de 98% do CDI e com liquidez em D+1 (1 dia útil).

O banco é sensível ao montante investido pelo correntista. Quanto mais alto o valor aplicado lá, maiores devem ser as taxas de retorno oferecidas, podendo chegar a 100% do CDI nos CDBs.

Finalidade para o CDB de liquidez diária

Por ter sua rentabilidade diária atrelada aos juros, não há risco de perdas nesse tipo de aplicação. Todo dia o CDB irá render um pouco, de acordo com a Selic do dia. Portanto, esse produto pode ser utilizado como reserva de caixa para atender necessidades ou oportunidades de curto prazo.

Caso já tenha acumulado valores suficientes para seu “colchão de liquidez” com os outros recursos poupados, sugiro diversificar sua carteira com títulos de renda fixa de prazos mais longos (sem tanta liquidez) e incentivados (isentos de Imposto de Renda), que poderão trazer retornos maiores ao portfólio.

Vantagem dos CDBs diante dos fundos referenciados DI

Nos fundos de investimento de renda fixa, há cobrança de Imposto de Renda via come-cotas. Em maio e dezembro, são retidos 15% dos rendimentos como antecipação de pagamento do IR. Já nos CDBs, o imposto só é retido nos resgates e, portanto, o efeito dos juros compostos (juros sobre juros) é maior que nos fundos.

Se um fundo referenciado DI entrega um retorno semelhante ao CDB de liquidez diária, opte pelo CDB. Apenas certifique-se que o CDB tenha vencimento de longo.

CDBs de vencimentos fixos

Quando o prazo de um CDB é fixo e não há liquidez diária, a taxa de retorno oferecida pelo banco tende a ser maior. E quanto maior o prazo, maior deverá ser a rentabilidade.

Além da possibilidade de ter rentabilidade pós-fixada indexada ao CDI, o CDB pode ter taxa prefixada ou ainda pós-fixada indexada à inflação.

Dica: sempre compare as taxas de retorno oferecidas com as disponíveis em títulos semelhantes do Tesouro Direto.

Os títulos públicos são os ativos financeiros de menor risco do mercado e exigem baixo valor para aplicação. Portanto, para um CDB valer a pena, ele precisa oferecer rentabilidade superior.

Curso recomendado: Investimento para Leigos

Bancos de médio e pequeno porte

Por meio de uma corretora independente, você consegue ter acesso a CDBs de diversos bancos de médio e pequeno porte. Como os riscos são maiores que nos grandes bancos, essas instituições oferecem taxas de retorno superiores, podendo chegar a mais de 120% do CDI.

Já dizia o ditado: “Quando a esmola é demais, o santo desconfia”. Recomendamos sempre olhar os ratings (avaliação das agências de risco) dos emissores e não somente a rentabilidade.

Mesmo existindo a garantia do FGC de até R$ 250 mil por banco, entendo que o risco de ficar sem rentabilidade na aplicação no período entre a quebra da instituição até o pagamento, mais a burocracia e a inconveniência para receber os valores, podem não justificar optar por uma diferença pequena na taxa de retorno.

O risco que você corre é do emissor e não da corretora de valores. A corretora é apenas a intermediadora. Os títulos ficam registrados em seu nome/CPF na Cetip.

Se a corretora possuir o selo “Cetip Certifica”, ela oferece maior segurança ao investidor, que saberá que seus títulos são devidamente lançados em seu nome. Caso a corretora feche, esses títulos poderão ser transferidos para outra instituição.

Consultando os CDBs disponíveis nas corretoras

Geralmente você não consegue visualizar os títulos distribuídos pelas corretoras sem ter uma conta aberta. Para não ter o trabalho de entrar em contato com cada corretora para descobrir, há um aplicativo para smartphone que promete entregar esses dados a você de maneira fácil, rápida e gratuita.

O app Renda Fixa permite a consulta de investimentos em várias corretoras. Assim, dá uma ideia de onde você poderá encontrar os títulos que procura.

Afinal, CDB vale a pena?

O CDB pode valer a pena, sim, para parte de sua carteira, desde que possua uma taxa de retorno adequada e atenda seus objetivos de investimento. Com o alto juro que temos hoje no país, o momento é favorável para aplicações de renda fixa, sendo possível obter ótimos retornos sem correr tantos riscos.

A crise política e econômica no Brasil gerou grandes oportunidades de investimento tanto em renda fixa como em renda variável. Aproveite, pois o renascimento do nosso mercado está apenas começando! E se você quiser se preparar melhor ainda para o que verá, clique aqui e confira este material. Até a próxima!

Nota: Esta coluna é mantida pelo Criando Riqueza, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Criando Riqueza
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários