Outro dia li o livro “The Key to Happiness”, Meik Wiking o fundador do Instituto para Pesquisa sobre a Felicidade, da Noruega.

Entre muitas lições interessantes sobre itens que fazem parte do dia a dia dos povos mais felizes do mundo, uma delas costumo adotar frequentemente: mais experiências, menos coisas. Diz o autor que, conforme pesquisas, quem investe o dinheiro visando à felicidade, consegue mais resultados se aplicá-lo em ações e não em bens materiais.

A explicação é que as experiências ficam na memória e podemos revivê-las a qualquer tempo, ao passo que a aquisição de bens costuma trazer uma alegria temporária. Quantas vezes não compramos algo e em pouco tempo já cansamos deste algo? Inúmeras!

Uma vida minimalista, você concorda?

Me lembrei dessa parte do livro porque acho que ela está bem relacionada a um estilo de vida mais minimalista, você já ouviu falar a respeito?

De forma resumida, esse movimento começou em 2012 na França e prega menos consumo, mas com mais qualidade.

Um dos principais defensores do movimento é o japonês Fumio Sasaki, autor do livro “Adeus, Coisas”. Ele abriu mão de muitos objetos que não lhe faziam mais sentido e passou a influenciar muita gente ao redor do globo.

Sasaki costuma citar uma pesquisa que diz que 10% da felicidade depende das condições de vida de alguém, 50% da genética, e 40% do comportamento. O japonês acredita que nestes 40% deveriam estar exercícios físicos e espirituais – e também as viagens. Disso eu não duvido!

Viajar, um dos melhores investimentos

Eu adoro viajar. Já viajei bastante e costumo incluir as viagens em meus sonhos e metas financeiras. No começo do ano fiquei alguns meses fora trabalhando e estudando, mas isso só foi possível porque, além de muita organização e pouco desperdício de dinheiro, eu também não costumo consumir demais, e prefiro guardar focando nos gastos que uma viagem traz, como passagens, hospedagens, passeios, cursos.

Como sempre digo, tudo é possível para quem planeja, mas é fundamental que cada um de nós saiba onde está o que deseja para a vida.

Muita gente às vezes acha que viver certas experiências é muito difícil, que é caro demais pensar em conhecer a Torre Eiffel ou a Robben Island, só que boa parte dessas mesmas pessoas também se esquece de fazer as contas para checar o quanto costuma gastar no dia a dia com um consumo sem sentido, entende?

Outro dia vi no Instagram a foto de um casal viajante que estava em Londres, e na legenda a menina dizia algo assim: “Essa foto representa várias blusinhas que deixei de comprar no ano, vários almoços que decidimos fazer em casa, e vários dias de maior economia com um propósito maior”. Valeu a pena? A alegria estampada na frente do orelhão vermelho indicava que sim. E para você, será que economizar hoje pensando em um objetivo maior para daqui um ano também valeria a pena? Nunca é tarde para começar!

Se você se animou a começar a seguir um estilo minimalista, onde menos é mais – e todo dinheiro economizado em consumo de bens pode ser aproveitado para experiências – confira quatro reflexões importantes que separei:

Ser apegado demais a coisas materiais te escraviza – isso significa que, para seguir este estilo, você deve desapegar e se livrar de tudo que não faz sentido. Há muitas coisas que não usamos e que não fariam a menor falta se descartadas. Venda, doe, passe a viver com menos para experimentar.

Valorizar o que é simples vale muito – Simplicidade ajuda muito em todos os sentidos. Quando você valoriza o que é simples, passa a dar valor a muitas coisas que antes passavam despercebidas. As experiências também passam a ser mais valorizadas e você vê que consegue fazer muito mais por menos ou que precisa de menos do que imaginava para ser feliz.

Avaliar se determinada compra realmente é necessária – Quantos objetos inúteis não costumamos comprar o tempo todo? Quando adotamos um estilo em que não faz sentido consumir muito, passamos a pensar duas vezes na hora das compras. E o melhor, nem é preciso contar até 10 ou esconder o cartão de crédito em casa, já que consumir demais simplesmente passa a não ter mais tanto significado.

O sonho vale mais que a satisfação momentânea – Quando passamos a não ter mais tanta necessidade de consumir, fica mais fácil juntar e investir dinheiro para os sonhos de médio e longo prazo. Você passa a entender, sem tanto esforço, o porquê de estar tendo certas atitudes hoje com vistas a um benefício maior no futuro. Vale a pena tentar!

Janaína Gimael
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários