Mercado reduz previsão de crescimento da economia mais uma vezO mercado está cada vez menos otimista quanto ao crescimento da economia brasileira. Os bancos e as consultorias rebaixaram para pouco mais de 2% a expectativa de avanço do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil em 2013.

A baixa expectativa de crescimento não é de agora, o mercado já reduzia a aposta de expansão da economia desde o início do ano – em janeiro, no primeiro Boletim Focus, do Banco Central, a previsão para o PIB era de 3,26%.

Com o fim do semestre, os economistas estão ficando mais pessimistas para o desempenho econômico do Brasil até o fim do ano. A instabilidade do câmbio, que pressiona a inflação, e os desequilíbrios das políticas fiscal e monetária também influenciaram a opinião negativa.

“A essa altura do campeonato, é inevitável que o Brasil esteja caminhando para mais um ano de crescimento medíocre, com possibilidade de comprometer o crescimento em 2014”, aponta o economista Fábio Giambiagi, especialista em finanças públicas.

O especialista ainda afirma que os últimos acontecimentos foram cruciais para que a projeção de crescimento se aproximasse de 2%. Há 15 dias, ele trabalhava com um número entre 2,5% e 2,8%.

Desde maio, a GO Associados rebaixou a previsão do PIB de 2,7% para 2,2%. O banco Santander diminuiu de 2,8% para 2,2%. A LCA e a Tendências Consultoria estão com as previsões mantidas em 2,7% e 2,5%, respectivamente, mas com tendência de baixa.

“O que impõe um viés de baixa para o PIB é o aumento de incerteza em relação ao Brasil. Uma perda de confiança dos agentes, tanto do lado do consumidor como do empresário, pode indicar uma retenção de planos de consumo e de investimento”, afirma Alessandra Ribeiro, economista da Tendência Consultoria.

Sem boas perspectivas futuras

A perspectiva de crescimento está tão fraca que as projeções mostram que o baixo desempenho da economia pode se repetir no próximo ano, o que levaria o governo Dilma Rousseff a um crescimento médio de 2%.

“Não há no horizonte um único sinal de que o governo tem uma estratégia, com efeitos práticos, para virar o jogo e recuperar o rumo do crescimento econômico”, explica Monica de Bolle, professora da PUC-Rio e diretora do Iepe/Casa das Garças.

A persistência da inflação é outro fator preocupante. O último IPCA-15, que mostra o comportamento mensal dos preços entre 15 de maio e 15 de junho, assinala uma pequena redução nos preços durante o período, mas o índice acumulado em 12 meses está em 6,67%, acima do teto da meta da inflação.

Enquanto investidores em todo o mundo estão receosos quanto à instabilidade financeira e econômica de Pequim e à dificuldade dos mercados de precificar o plano do banco central dos Estados Unidos de reduzir seu estímulo monetário ainda neste ano, a economia brasileira cresceu 0,6% no primeiro trimestre de 2013.

A conta feita em relação ao trimestre anterior mostra um crescimento abaixo do esperado pelo mercado. Os economistas elevaram a perspectiva para a inflação em 2013 a 5,86%, ante 5,83%.

Fontes: UOL | R7. Foto de freedigitalphotos.net.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários