Home Empresas Mercedes-Benz reforça motores a combustão em meio à desaceleração de veículos elétricos

Mercedes-Benz reforça motores a combustão em meio à desaceleração de veículos elétricos

Os planos atuais da fabricante para atualizações significam que "é quase como se tivéssemos uma nova linha em 2027 que nos levará até a década de 2030"

por Reuters
0 comentário
Mercedes-Benz Brasil

A Mercedes-Benz reduziu nesta quinta-feira as expectativas sobre a demanda de veículos elétricos e disse que atualizará sua linha de motores a combustão até a próxima década, tornando-se a mais recente montadora a sinalizar um apetite mais lento do que o esperado por carros movidos a eletricidade.

A empresa agora espera que as vendas de veículos eletrificados, incluindo híbridos, representem até 50% do total até 2030, um grande retrocesso em relação à ambição anterior de se preparar para vendas totalmente elétricas até 2030, que estava condicionada a condições de mercado favoráveis.

O presidente-executivo da montadora, Ola Kaellenius, advertiu, no final do ano passado, que mesmo a Europa provavelmente não estaria pronta até 2030 para uma linha totalmente elétrica, com vários estudos mostrando que os clientes estavam se retraindo por uma série de razões, incluindo a falta de infraestrutura de recarga e de modelos elétricos atraentes.

Kaellenius disse que a Mercedes-Benz quer que clientes e investidores saibam que a montadora está bem posicionada para continuar produzindo carros com motor a combustão e que está pronta para atualizar essa tecnologia até a próxima década.

Os planos atuais da fabricante para atualizações significam que “é quase como se tivéssemos uma nova linha em 2027 que nos levará até a década de 2030”, disse Kaellenius.

As ações da montadora de luxo subiram 5,9% após a notícia, também apoiadas por um programa de recompra de ações de 3 bilhões de euros revelado na quarta-feira.

Incerteza à Frente

Embora as montadoras e os fornecedores estejam apostando alto na demanda futura por veículos elétricos, o investimento em capacidade e desenvolvimento de tecnologia ultrapassou a demanda real, aumentando a pressão sobre as empresas para cortar custos.

O crescimento econômico mais lento, os gargalos da cadeia de suprimentos e as tensões comerciais envolvendo China, Estados Unidos e União Europeia também pesaram sobre as perspectivas da Mercedes-Benz para 2024, disse a montadora, prevendo retornos mais baixos sobre as vendas em sua divisão de carros e vans.

As vendas do primeiro trimestre provavelmente ficarão abaixo do nível do ano anterior, disse a empresa.

(Imagem: REUTERS/Athit Perawongmetha)
(Imagem: REUTERS/Athit Perawongmetha)

Espera-se que as vendas de veículos eletrificados, incluindo híbridos, permaneçam em aproximadamente entre 19% e 21% do total, disse a Mercedes-Benz, em linha com os relatórios do setor sobre o crescimento mais lento da demanda por veículos elétricos.

A montadora de carros de luxo relatou um retorno ajustado sobre as vendas em sua divisão de carros de 12,6% para 2023, em linha com sua previsão, já que a inflação e os custos relacionados à cadeia de suprimentos, bem como a escassez de componentes, afetaram seus lucros.

Para 2024, a empresa disse que esperava um retorno ajustado menor, de 10% a 12% para carros e de 12% a 14% para vans, abaixo dos 15,1% do ano passado.

A empresa aumentou seu preço médio em 2%, para 74.200 euros, e elevou os gastos com pesquisa e desenvolvimento de tecnologias futuras, como a plataforma MB.OS.

Os lucros do grupo antes de juros e impostos caíram para 19,7 bilhões de euros em relação aos 20,5 bilhões de euros do ano passado, apesar do aumento de 2% na receita.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.