Mesada aos filhos. Está aí um assunto que deixa praticamente todos os pais com a orelha em pé.

E não é por menos. As dúvidas são muitas sobre aderir ou não a esta prática, e as experiências (e resultados) são divergentes.

A pergunta que fica é: como dar mesadas aos seus filhos sem que isso gere desarmonia familiar, atritos entre cônjuges, anseios entre as crianças?

Antes de seguirmos, saiba que, se bem feita, a prática é saudável e pode ensinar seus filhos a lidar com o dinheiro da forma correta e com ótimos resultados.

Para termos uma melhor compreensão do lado positivo da mesada, listamos algumas dicas para você aprender e aplicar, conforme a realidade de sua estrutura familiar.

Ebook gratuito recomendado: Como falar sobre dinheiro com o seu filho

Defina a periodicidade das mesadas

Entre as formas de como aprender a dar mesadas a seus filhos está o fator idade e periodicidade. Até uns 6 anos, por exemplo, a mesada aos filhos deve ser eventual, e não frequente. Isso faz com que as crianças comecem a compreender o que é o dinheiro.

É importante este contato com o assunto, e os pais precisam se policiar para tratar o tema de forma natural, e não como se o dinheiro fosse algo “sujo” ou “escasso”. Lembre-se que por mais que você ensine por palavras, as crianças irão aprender mesmo é pelo seu exemplo.

Entre os 6 e 8 anos aproximadamente, o fator periodicidade entra em questão. Nessa idade, o intervalo entre a mesada pode ser semanal, para a criança começar a se habituar.

Como nessa faixa etária a maioria das crianças ainda não compreende bem a questão da periodicidade, este será um bom exercício.

Assim ela irá aprendendo aos poucos sobre o valor do dinheiro no tempo, e passará a perceber a necessidade de controlar a quantidade de gasta.

Entre os 8 e 11 anos, os pais já podem planejar a mesada dos filhos para que aconteçam a cada 15 dias. Agora a criançada já começa a se acostumar com a ideia do aumento desse intervalo de tempo.

Quando romperem com a barreira dos 11 anos aproximadamente, as crianças já podem praticar o intervalo mensal, exatamente como é na vida da maioria dos adultos.

Ebook gratuito recomendado: Invista e Construa o Futuro dos seus Filhos

Noções de orçamento

Desse ponto em diante, entra um aprendizado dos mais importantes, e que devem perdurar por toda a vida: o orçamento familiar.

É a partir daí que elas podem começar a compreender como os pais precisam lidar com os compromissos regulares que envolvem o dinheiro.

É importante que os filhos percebam e participem, entendo como acontecem os gastos recorrentes, os urgentes, e principalmente como poupar dinheiro para adquirir um bem de maior valor.

Valor da mesada

Outra dúvida muito recorrente é qual deve ser o valor dessa mesada. Uma coisa importante na hora de definir isso é que os pais expliquem aos filhos a situação financeira da família.

Os filhos não precisam de mesadas altas. O principal objetivo da mesada é que ela seja uma ferramenta de educação financeira que gere resultados positivos.

Assim, defina um valor que seja suficiente para eles comprarem algumas coisas corriqueiras que gostam, e que permita que eles administrem esses recursos para precisarem poupar, se desejarem comprar algo mais caro.

Leitura recomendada: Filhos, trabalho e finanças: o desafio de equilibrar essa relação

Observe e instrua

Depois de toda esta rotina estabelecida, lembre-se de acompanhar frequentemente a maneira como seus filhos lidam com a mesa.

Instrua-os a controlar os gastos num caderninho desde cedo. Dê a orientação adequada caso observe que eles estejam se comportando como “gastadores”.

Explique que se pouparem parte da mesada e somarem à mesada do mês seguinte, poderão ter mais poder de compra.

Alguns cuidados

Não penso que seja bom a criança utilizar esse dinheiro da mesada para pagar, por exemplo, cursos extracurriculares, como inglês, natação, música, etc.

Também não deve ser utilizada como uma “barganha” para os pais conseguirem que a criança tire notas altas ou mesmo realize algumas tarefas domésticas, que na verdade são obrigações.

Atitudes assim podem desvirtuar o objetivo principal da mesada, conforme comentei.

Ebook gratuito recomendado: Pai, Dinheiro!

Considerações finais

Por fim, utilize essas dicas para trabalhar o assunto com seus filhos, mas sempre lembrando que cada família possui situações financeiras diferentes.

O importante é que você perceba a essência por trás do assunto, e independente se você concorda ou discorda daquilo que foi escrito aqui, não deixe de trabalhar a educação financeira com seus filhos.

Por fim, também recordando outro ponto, seja você o exemplo maior para seus filhos. Eles dificilmente irão aprender algo que você fala, se verem você fazendo outra coisa.

Faço votos para que esse assunto prospere na sua casa e na vida de seus filhos. O dinheiro está presente em quase tudo o que fazemos. Ele é um instrumento de melhoria da sua qualidade de vida.

Despeço-me deixando este vídeo bacana que gravei com a amiga Ana Paula Hornos, que é educadora financeira infantil. Ela deixa mais alguns insights importantes relacionados ao tema. Abraços e até breve!

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários