Dinheirama - Foto geralRegina comenta: “Navarro, sou mãe e gostaria de ver alguns textos voltados para o raciocínio que envolve a decisão de instituir (ou não) a mesada. Tenho filhos em idades distintas e passo por alguns ‘apuros’ quando eles resolvem me questionar sobre os valores/critérios usados neste sentido. Há aquele que quer trabalhar e aquele acomodado com a situação. O que você tem a dizer sobre a famosa mesada? Gostaria de sua opinião. Obrigada”.

Regina, que fogueira hein? Puxa, um assunto desses merece muita atenção. Lá vou eu entrar num assunto polêmico e cheio de “verdades absolutas”. De cara, percebo que o maior problema em relação à mesada é a tal “hora certa” de cortá-la e como proceder para que isso aconteça sem traumas. Romper o fluxo de capital nunca é tarefa fácil, especialmente em um país onde existem dificuldades para que o jovem consiga seu primeiro emprego. Tenho algumas opiniões sobre o tema.

Sete anos e um celular
Pense em toda a sua família por um instante. Quantas crianças com menos de dez anos possuem celular? Quase todas, certo? Hum, mas o que isso tem a ver com a mesada? Expectativa. Ora, se uma criança de apenas sete anos recebe tamanha demonstração de dedicação financeira, qual será seu desejo ao chegar aos 16 anos? E aos 18? A educação financeira é fundamental desde os primeiros anos de vida e o uso da mesada, bem como a hora de cessá-la, é um reflexo desse aprendizado. Certa ou errada, toda ação traz pelo menos uma consequência.

Blah, não que eu seja contra uma criança andar pendurada ao seu celular (ou vice-versa). Não sou contra nada. Sou a favor da blindagem ao consumismo de moda exigido pelos filhos, especialmente quando é a família, como um todo, que merece maior atenção. O celular é apenas um exemplo de transferência de princípios e valores. Diversas outras analogias podem ser feitas a partir daqui, mas deixo essa tarefa para você.

Quando?
Será que existe hora certa para começar a dar mesada aos filhos? Provavelmente sim, mas regras neste sentido costumam ser inapropriadas e prefiro evitá-las. Alguns especialistas afirmam que o ideal é começar quando a criança aprende a somar e subtrair. Mais, costumam solicitar que até os 11 anos as crianças recebam “semanada”, justificando a necessidade de contato mais direto com a criança, de forma instrui-la sobre o uso do seu dinheiro. Me parece justo.

Atitude
Tenho um conceito muito simples de mesada: ela é um instrumento poderoso de educação financeira. Ponto. Sendo assim, não adianta usar dela para punir ou ilustrar metas a serem cumpridas. Flagradas de maneira incorreta, essas atitudes podem transformar a sua relação com seu filho em um jogo perigoso de poder. Acabou a mesada? Paciência. Prefira demonstrar (e ensinar) os requisitos de comportamento fundamentais para que ele possa receber um bônus (ou aumento) a puni-lo com o corte de dinheiro sempre que algo lhe desagrada. Atitude não tem preço, não está a venda.

Você, adulto, passa pelas mesmas provações, quer ver? Não é bom saber quais os requisitos e exigências da empresa para que você possa ser promovido? Plano de carreira é como costumam chamar esse exercício. Vencer por mérito próprio, como fruto de suas atitudes é o que há de mais gratificante. A inocência da criança e do adolescente potencializa esse prazer, mas são poucos os pais dispostos a levá-los a sério quando o assunto é a auto-estima e o estímulo financeiro. É uma pena.

Aprendendo a aprender
Seu filho precisa ser responsável pelas escolhas que faz. Se ele quer comprar algo fora do seu universo normal, primeiro precisa aprender a poupar. Ah, ele não aprende sozinho (duh!). É papai, mamãe, você terá de ensiná-lo. É um capítulo a menos da novela, um final de semana sem ir ao clube com os amigos. É assim. Participação dos pais é fundamental (outro duh!). Se o pimpolho tem mais de 8 anos, R$ 40,00 no bolso e o brinquedo custa R$ 50,00, deixe que ele negocie com o vendedor. Apenas observe. Depois, peça que ele lhe explique o que aconteceu na loja e o quais suas conclusões sobre a compra do brinquedo. Você vai se surpreender.

Atitudes (simples) assim evitam que o pimpolho arrisque-se no cheque especial ou caia na armadilha do crédito fácil quando atingir a maioridade. A culpa não é da televisão, das revistas ou dos colegas. A educação financeira dos filhos é responsabilidade dos pais, da família (já sei, estou sendo repetitivo demais). As palavras ensinsam, mas só o exemplo arrasta, portanto preste atenção ao que você faz. Alegar falta de dinheiro para comprar um mimo no passeio de domingo e entrar em um financiamento de um carro novo, logo na segunda, é um exemplo (comum) do que estou falando. Ninguém faz isso, não é mesmo? Aham.

Hora de parar
Geralmente o problema surge quando os pais dão uma mesada muito alta ou cobrem o filho de presentes “extra-mesada”. A mesada precisa ter um objetivo e seu filho um dia vai precisar trabalhar, certo? Portanto, cuidado com o exagero na hora de bancar as aventuras do rebento. Deixe ele perder a viagem com os amigos porque a mesada acabou. Perder? Seu filho sabe o que isso significa? Esse é o erro crítico que antecede a discussão sobre a hora certa de cessar os depósitos. O especialista Marcos Silvestre dá sua opinião:

“É interessante subtrair da mesada o dinheiro que seu filho recebe com trabalhos pontuais ou estágios. Por exemplo, é possível reduzir 5% da mesada, a cada três meses, depois que o filho sai da faculdade”

O apoio incondicional dos pais deve ser eterno, a mesada não. Isso deve estar claro tanto para você, pai (ou mãe), quanto para você, filho. Vivencio casos típicos de pais que, sem saber como contornar a falta de preparo do filho em relação ao trabalho e seu fracasso em relação à educação financeira, bancam seus pupilos por muitos anos, colocando-os em pós-graduações aqui, cursos de extensão lá, viagens ao exterior etc. Parece que o problema não existe, que está tudo certo.

“Ele está se preparando para o mercado de trabalho” é o que escuto freqüentemente. Trabalho? Alguém acha mesmo que esse jovem vai querer trabalhar? Já já ele “reconhece” que o tal curso não lhe trouxe benefícios e resolve pular para outra faculdade, outra profissão. Por que não conhecer o Canadá e ficar um ano estudando inglês? Pulando daqui e de lá ele vai mantendo seu padrão de vida, sustentado pela família, sem a menor preocupação com a energia que mantém seu computador ligado ou com as compras que abastecem seu almoço. Que valor esse jovem dá ao trabalho, ao dinheiro?

PS: Antes que alguns pais, irados, discordem de tudo e apelem para o “você ainda não tem filho, vai ver como é difícil”, peço que reflitam sobre suas atitudes e permitam que um filho agradeça sua família pela formação que recebeu. Obrigado mãe, obrigado pai.

PS2: Antes que alguns filhos, irados, discordem de tudo e apelem para o “eu realmente não me encontrei ainda e esses cursos são para que eu possa experimentar diferentes áreas”, peço que experimentem trabalhar e permitam que um filho, como você, comemore sua independência financeira.

Crédito da foto para Marcio Eugenio

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários