Home Empresas Meta falha em impedir investigação sobre lucro com menores

Meta falha em impedir investigação sobre lucro com menores

A Comissão quer reforçar um acordo de privacidade existente da Meta de 2020 para proibir o lucro com dados de menores de idade

por Reuters
3 min leitura

A Meta Platforms (META; M1TA34) não pode atrasar a reabertura de um inquérito da Comissão Federal do Comércio dos EUA (FTC) sobre supostas falhas de privacidade da sua unidade do Facebook, enquanto a empresa move um processo que contesta a autoridade da agência, decidiu um tribunal federal nesta sexta-feira.

O Tribunal Federal de Apelações do circuito de D.C., em Washington, concluiu em sua ordem que a Meta não mostrou que sua contestação provavelmente seria bem sucedida. O tribunal disse que a Meta “não cumpriu seu pesado ônus de demonstrar direito a uma liminar pendente de recurso”.

O mesmo painel do tribunal de apelações negou em 12 de março uma solicitação separada da Meta em um caso relacionado para paralisar o inquérito da Comissão, que foi anunciado no ano passado, apesar das objeções da Meta de que já havia pagado uma multa de 5 bilhões de dólares e concordado com uma série de proteções.

A Comissão quer reforçar um acordo de privacidade existente do Facebook de 2020 para proibir o lucro com dados de menores de idade e expandir restrições à tecnologia de reconhecimento facial. A agência acusou a Meta de enganar os pais sobre proteções às crianças.

A Meta, que negou ter enganado os pais sobre os riscos de privacidade, processou a Comissão em novembro com uma ampla contestação constitucional contra a capacidade da agência de ser tanto um órgão investigativo quanto um adjudicativo.

A empresa afirmou, entre outras coisas, que permitir que a ação da Comissão prossiga violaria seu direito a um julgamento com júri. A Comissão e a Meta não comentaram em um primeiro momento.

A ordem do tribunal de D.C. desta sexta-feira abordou o recurso da Meta de uma ordem de 15 de março do juiz federal Randolph Moss, em Washington, recusando-se a interromper o inquérito da agência. Em sua decisão, Moss disse que a Meta não havia superado o “forte” interesse público da Comissão em examinar seus controles de privacidade.

Separadamente, a Comissão acusou a Meta em um processo antitruste em Washington de abusar do seu poder no mercado de redes sociais para esmagar ou comprar rivais. A empresa negou as alegações da agência, que pode forçar a empresa a vender a plataforma de fotos Instagram ou o aplicativo de mensagens WhatsApp.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.