O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, considera uma “má solução” uma reforma da previdência só para quem entra no mercado. Diz que o governo avalia fazer cortes radicais no orçamento e afirma que sua meta é reverter o crescimento da dívida pública num prazo de dois a quatro anos.

Em entrevista na manhã desta quarta-feira (18) aos jornais Folha de São Paulo, Valor, O Globo e O Estado de S. Paulo, o ministro se disse favorável à fixação de idade mínima para aposentadoria no país e evitou antecipar qualquer medida econômica justificando que não pode criar falsas expectativas.

Durante toda conversa com jornalistas, Meirelles destacou que seu principal objetivo na Fazenda é reverter o crescimento da dívida pública e que todas as medidas serão adotadas para interromper a atual trajetória de crescimento do endividamento público, classificado por ele de “insustentável”.

O drama do ministério da Cultura

A extinção do ministério da Cultura é um dos temas que tem causado mais desgaste ao Presidente interino Michel Temer. Em uma tentativa de tranquilizar artistas e militantes críticos ao fim do Ministério da Cultura, o ministro Mendonça Filho (DEM) anunciou Marcelo Calero na Secretaria Nacional de Cultura e prometeu ampliar os recursos da área.

Ao longo dos últimos dias, algumas mulheres foram convidadas para assumir a Secretária Nacional de Cultura, todas recusaram o convite e deixaram claro o descontentamento com a extinção do ministério.

STF dá prazo para Dilma esclarecer a utilização do termo “Golpe” para o impeachment

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), notificou a presidente afastada Dilma Rousseff, para que ela esclareça, caso queira, as declarações de que é vítima de um “golpe de Estado” em razão do processo de impeachment aberto contra ela.

O prazo para os esclarecimentos é de dez dias a contar da data em que ela receber a decisão, que foi publicada nesta quarta-feira (18). A presidente afastada não é obrigada a se manifestar.

A ministra atendeu a pedido de deputados de oposição, que entraram com uma ação na Corte para que Dilma se explicasse pelas declarações.

Mercado Financeiro

O mercado financeiro avalia a possibilidade do Fed (Federal Reserve) elevar os juros nos EUA em junho. A possibilidade se tornou maior após a divulgação da ata da Fomc (Federal Open Market Committee).

No Brasil, a expectativa em torno das dificuldades do governo interino em afinar o discurso e enfrentar temas desgastantes no congresso continua. O presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, mostrou ainda ter força política e conseguiu emplacar o deputado André Moura (PSC) como líder do governo.

André Moura é investigado pela Lava Jato, suspeito de tentativa de assassinato e réu em três ações no STF.

O Ibovespa, principal benchmark da Bolsa de Valores de São Paulo, operava às 12h18 em baixa de -1,55% a 49.776 pontos, enquanto o dólar seguia em alta de +1,09% negociado a R$ 3,60.

Foto: José Cruz/ Agência Brasil

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários