Home Comprar ou Vender Morgan Stanley indica Brasil como alternativa para possível queda do mercado nos EUA

Morgan Stanley indica Brasil como alternativa para possível queda do mercado nos EUA

"Considere moderar qualquer sobreexposição extrema a ações dos EUA na sua carteira", afirma o Morgan Stanley

por Gustavo Kahil
0 comentário
Brasil Cristo Redentor

Nos últimos 15 anos, o mercado de ações dos Estados Unidos tem testemunhado uma recuperação notável, superando significativamente seus pares globais. Contudo, analistas como Lisa Shalett, do Morgan Stanley, sugerem que a dinâmica está mudando, e as ações não americanas podem desempenhar um papel mais proeminente nas carteiras dos investidores nos próximos anos.

De acordo com Shalett, a valorização exponencial das ações americanas contrasta com as oportunidades encontradas em outros mercados ao redor do mundo. Em 2009, o índice S&P 500 (SPXUSD) estava em níveis historicamente baixos, mas desde então cresceu mais de sete vezes.

“Após a crise financeira de 2007-08, enquanto outras regiões enfrentavam dificuldades, os EUA recuperaram rapidamente devido a estímulos governamentais extraordinários. Depois veio a pandemia e a crise bancária regional de 2023, que estimulou ainda mais estímulos”, lembra a analista em um relatório enviado a clientes nesta quarta-feira (28).

Entretanto, Shalett observa que as ações dos EUA representam uma fatia desproporcional do mercado global, com 63% da capitalização de mercado do índice MSCI ACWI, contrastando com a participação dos EUA no PIB mundial, que é de apenas 24%.

O Morgan Stanley sugere uma mudança de perspectiva, incentivando os investidores a considerarem ativos internacionais como uma forma de proteger suas carteiras em meio a uma potencial retração do mercado americano. Comparativamente, as avaliações e os rendimentos de dividendos das ações não americanas oferecem oportunidades atraentes.

O Japão emerge como uma opção viável, com reformas governamentais impulsionando melhorias econômicas e retornos para os acionistas. Na Europa, a flexibilização da política monetária e investimentos significativos em defesa e tecnologia prometem catalisar o crescimento econômico.

Além disso, o Morgan Stanley destaca os mercados emergentes selecionados, incluindo Brasil, Índia, México e Vietnã, como áreas de interesse para investimentos. Apesar dos desafios, políticas fiscais construtivas e esforços para reorganizar as cadeias de abastecimento global podem sustentar o crescimento econômico nessas regiões.

“Considere moderar qualquer sobreexposição extrema a ações dos EUA na sua carteira e adicionar alguma exposição ao Japão, Europa e mercados emergentes, incluindo Brasil, Índia, México e Vietnã”, conclui o banco.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.