Mulheres ainda ganham menos que homensO Data Popular divulgou hoje uma pesquisa que mostra que a renda das mulheres cresceu nos últimos anos. O crescimento da renda feminina foi de 83% nos últimos dez anos, enquanto o dos homens foi de 45%. No entanto, o que as mulheres ganham hoje é o que os homens recebiam em 1993.

Segundo dados da pesquisa, em 2013 a massa de renda das mulheres deve atingir R$ 1,01 trilhão. Isso é mesmo que a soma das riquezas de países como a Suécia ou a Bélgica. Renato Meirelles, sócio diretor do Data Popular, ressalta o aumento da presença feminina no mercado de trabalho e as oportunidades cada vez mais interessantes preenchidas por elas.

Cerca de 11 milhões de mulheres passaram a integrar o mercado de trabalho nos últimos 20 anos. O aumento das carteiras assinadas para elas foi de 162%, o que possibilitou investir em estudos e melhores oportunidades para contribuir com a renda familiar, antes responsabilidade do marido.

O Data Popular investigou também o que desejam essas mulheres hoje mais presentes no mercado de trabalho e na vida profissional. Entre os sonhos de consumo delas estão celular, TV, sofá e fogão. De acordo com a pesquisa, quase 30% das mulheres pretendem adquirir um telefone novo nos próximos 12 meses.

Mais da metade delas (52%) adora produtos com tecnologia de última geração e 25% das participantes da pesquisa afirmaram que querem comprar uma TV. Trocar o sofá ou o fogão é o desejo de 2 em cada 10 mulheres.

O que isso tem a ver com educação financeira?

Tudo, afinal estamos comemorando a cada vez maior participação feminina no mercado de trabalho, bem como sua capacidade de gerar e acumular riquezas e contribuir com as metas financeiras de suas famílias. As mulheres, como sabemos, são mais organizadas e tendem a correr menos riscos que os homens – características importantes para a construção de patrimônio e independência financeira.

Um aspecto da pesquisa chamou minha atenção. Para 63% das mulheres, produtos caros são produtos de qualidade. A associação de preço a qualidade não é algo exclusivo das mulheres, mas parece que elas tendem a valorizar mais essa relação. Você concorda com essa percepção? Será isso fruto de uma cultura voltada para o status?

Ainda que os salários de homens e mulheres estejam defasados, é importante notar que essa diferença vem diminuindo, principalmente graças aos esforços e desafios enfrentados por elas no dia a dia. Parabéns, mulheres, pela determinação e garra.

Consultorias financeiras mostram algo importante: um lar cuja mulher assume de forma pró-ativa o controle das finanças, sempre valorizando a importância do planejamento financeiro, dos investimentos e do consumo consciente, é um lar privilegiado. Quando ela compartilha isso com a família e acerta (e cobra) a participação de todos, os resultados são ainda melhores.

Fonte: R7 | Foto de freedigitalphotos.net.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários