Chegamos a mais uma de nossas colunas semanais sobre mundo digital, tecnologia e empreendedorismo.

Nosso destaque  são os números históricos da Apple, a primeira empresa no mundo a alcançar US$ 1 trilhão em valor de mercado.

Apple atinge marca histórica de US$ 1 trilhão em valor de mercado

A Apple se tornou na última quinta-feira (2), a primeira empresa americana a alcançar a marca de US$ 1 trilhão em valor de mercado. Durante o pregão da Nasdaq, as ações da empresa conseguiram superaram o preço de US$ 207,04, em alta de 2,8%, por volta das 12h50 (horário de Brasília) – valor que, multiplicado pelas 4,842 milhões de ações que a empresa tem, alcança o recorde histórico.

Na última quarta-feira (1), a empresa já havia batido na trave: suas ações subiram 5,9%, negociadas a US$ 201,50, fazendo a empresa ser avaliada em US$ 973 bilhões.

O otimismo dos investidores se deve aos bons resultados apresentados pela empresa na última terça-feira, em seu balanço para o período entre abril e junho de 2018. Destaque para a alta de 17% na receita, graças às boas vendas do iPhone X, modelo mais caro de seu smartphone, vendido por US$ 1 mil nos EUA e R$ 7 mil no Brasil, e a alta do faturamento da empresa com serviços como a loja de aplicativos App Store e o serviço de streaming Apple Music.

iFood compra operação da concorrente Pedidos Já no Brasil

O iFood anunciou nesta quinta-feira (2) a compra da operação brasileira da empresa uruguaia PedidosJá, com a qual concorria no mercado de delivery a partir da internet.

Em nota, a companhia afirma que a operação amplia sua base de restaurantes e clientes e fortalece sua liderança de mercado.

Alex Anton, diretor responsável pelas operações de aquisições, disse no comunicado que a companhia está muito otimista com a operação.

“A Pedidos Já é uma marca muito querida. Quando falamos em pedidos online, a companhia foi pioneira em educar o brasileiro e conta com uma base de cerca de 15 mil restaurantes pelo Brasil.”

O iFood não informa quantos são seus parceiros.

Como parte da negociação, o iFood vendeu a participação de sua marca na Argentina para a Pedidos Já. Além de estar presente no Brasil, a uruguaia atua em outros seis países da América Latina.

Desde 2014, a Pedidos Já era controlada pela alemã Delivery Hero, empresa listada na Bolsa de Frankfurt que oferece serviços de entrega online em mais de 40 países.

A união das empresas acirra a concorrência entre o iFood e o Uber Eats, que tem como principal característica o uso de entregadores autônomos para levar os pedidos, a partir do conceito já adotado pela americana no serviço de transporte de passageiros.

O iFood, fundado em 2011, tem sua história de crescimento marcada por seguidas fusões e aquisições.

As principais companhias com as quais a startup se uniu são o Restaurante Web, em 2014, e o Hello Food, em 2016.

Nesta semana, o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprovou outra operação da empresa, dessa vez a compra da startup Rapiddo, de entregas com motoboys chamados online.

Spotify passa a aceitar cartão de débito

A plataforma de streaming de música Spotify passou a aceitar cartão de débito como forma de pagamento no Brasil.

O serviço está disponível para correntistas do Santander (Mastercard), Bradesco (Visa), Inter e Original. A assinatura individual custa R$ 16,90, e a familiar, R$ 26,90.

Até então, os usuários só podiam assinar o serviço com cartão de crédito ou cartões pré-pagos.

A solução foi desenvolvida pela empresa Worldline, que habilitou o recurso em sua plataforma global para permitir que o streaming processe as transações de débito localmente no Brasil.

A fintech Ebanx também participou do desenvolvimento da novidade no app e integrou com os bancos emissores parceiros no Brasil.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários