Chegamos a mais uma de nossas colunas semanais sobre mundo digital, tecnologia e empreendedorismo.

Nosso destaque é a informação de que novo projeto de lei pode tornar obrigatório nos celulares a presença de rádio FM.

Rádio FM pode ser tornar obrigatória em celulares no Brasil

A Câmara dos Deputados quer obrigar os fabricantes a habilitar o serviço em todos os celulares do Brasil. O projeto é do deputado federal Sandro Alex (PSD) e deve ter o parecer final apenas no primeiro semestre do ano que vem, mas já conta com a oposição declarada dos grandes fabricantes de celulares no País.

No projeto de lei, o deputado justifica que a obrigatoriedade da rádio nos celulares como forma de defender interesses sociais e culturais dos mais pobres.  “A transmissão de rádio é reconhecidamente uma fonte de cultura, lazer e informação, em especial em localidades menos desenvolvidas economicamente”, diz. “Além disso, a programação das emissoras de rádio é uma ferramenta extremamente importante para a divulgação de informações de segurança pública em momentos de emergência ou de calamidade”, completa.

O texto que está sendo avaliado pelos deputados diz ainda que os brasileiros preferem ouvir rádio em celulares e carros, mas que a audiência das emissoras caiu recentemente porque smartphones mais modernos não possuem o serviço disponível. É importante lembrar que o autor do projeto, Sandro Alex, é radialista em seu Estado, o Paraná, pela rádio Mundi FM.

Caso a proposta do deputado seja aprovada em todas as comissões da Casa Legislativa, os celulares produzidos ou montados no Brasil serão obrigados a ter rádio FM em até 90 dias após a aprovação. A ideia irritou os fabricantes, que consideram a proposta inconstitucional e contra a liberdade de escolha do consumidor.

eBook gratuito recomendado: Bolsa de Valores para Iniciantes

Amazon acelera esforços em corrida por liderança em inteligência artificial

A Amazon.com anunciou esta semana uma enxurrada de novos recursos de aprendizagem de máquina para seus negócios de computação em nuvem, Amazon Web Services (AWS), elevando o desafio para as maiores empresas de tecnologia do Vale do Silício que disputam a liderança em inteligência artificial.

As novas ofertas permitirão que clientes da AWS desenvolvam e “treinem” rapidamente seus próprios algoritmos de inteligência artificial, criem aplicativos de software capazes de traduzir a linguagem, analisem vídeos e busquem por palavras-chaves ou tendências em texto.

A inteligência artificial (IA) se refere a máquinas que executam tarefas normalmente associadas à inteligência humana. A aprendizagem de máquina é um subconjunto de IA em que sofisticados algoritmos de computador são desenvolvidos para reconhecer padrões em grandes volumes de dados para resolver problemas por conta própria.

Por exemplo, com dois dos novos recursos da AWS, uma empresa pode transcrever rapidamente as chamadas telefônicas do cliente e depois analisar o texto para entender o sentimento do cliente.

Apple, Facebook, Amazon e outras empresas de alta tecnologia já estão desenvolvendo e usando a inteligência artificial para seus próprios produtos, mas as novas ofertas da AWS poderiam tornar mais fácil e acessível a implementação de IA para startups e empresas menos experientes em tecnologia.

Os anúncios de produtos, feitos na conferência anual da AWS em Las Vegas, encerram um ano em que a Amazon lançou 1.300 novos recursos da AWS, ante pouco mais de 1 mil em 2016.

Relatório grátis: É hora de comprar ações da Petrobras?

Facebook lança nos EUA aplicativo Messenger para crianças

O Facebook lançou o Messenger Kids, aplicativo que permite que a maior rede social do mundo se expanda para um mercado até agora inexplorado de crianças menores de 13 anos, ao mesmo tempo em que dá aos pais controle completo sobre o que seus filhos vêem.

O Facebook normalmente exige que os usuários tenham pelo menos 13 anos de idade. O novo aplicativo possibilita que a rede social fidelize crianças mais novas, no momento em que enfrenta competição de outras plataformas populares entre adolescentes, como o Snapchat.

O Facebook disse que uma pesquisa com 1.200 pais e especialistas em segurança e desenvolvimento infantil mostrou que crianças jovens já estavam usando a tecnologia regularmente, mas em aplicativos para adolescentes e adultos, fazendo pais temerem que seus filhos estivessem se comunicando com estranhos.

Ao mesmo tempo, os pais estavam dispostos a deixar que seus filhos de 6 a 12 anos usassem redes sociais, desde que existisse um controle parental rigoroso. O Facebook Messenger Kids exige que os pais criem uma conta e aprovem os contatos dos filhos.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários