Chegamos a mais uma de nossas colunas semanais sobre mundo digital, tecnologia e empreendedorismo.

Nosso destaque é a informação de que o Facebook pretende integrar Whatsapp, Messenger e Instagram.

Facebook planeja integrar WhatsApp, Messenger e Instagram, diz jornal

O Facebook, que controla além da rede social o WhatsApp, o Instagram e o Facebook Messenger, planeja integrar os aplicativos de mensagem, permitindo que um usuário do Facebook consiga conversar com alguém que só usa o WhatsApp, segundo reportagem do jornal The New York Times.

O plano de Mark Zuckerberg, fundador e presidente executivo do Facebook, exigirá o redesenho de todos os aplicativos e envolve milhares de funcionários do conglomerado, segundo quatro pessoas ouvidas pela reportagem.

O projeto está em fase inicial e deve terminar no final deste ano ou no começo de 2020, ainda de acordo com os funcionários do Facebook ouvidos.

Com a reconfiguração, todos os apps de mensagem passarão a contar com criptografia ponta a ponta, o que atualmente só existe no WhatsApp. O sistema garante que as mensagens só possam ser lidas pelos participantes da conversa.

Zuckerberg planeja aumentar a funcionalidade da rede social, mantendo seus bilhões de usuários engajados. O temor do executivo é que, se as pessoas passarem a usar mais os serviços de mensagem em detrimento da rede social, poderão mais facilmente migrar para concorrentes, como os serviços da Apple e do Google.

O Facebook tinha, ao final do terceiro trimestre do ano passado, 2,3 bilhões de usuários ativos mensais. Considerando todos os aplicativos da rede social, são 2,6 bilhões de pessoas usam os apps a cada mês.

O Facebook está no centro de diversos escândalos de uso de seus serviços para disseminação de notícias falsas e manipulação de eleições. Os Estados Unidos investigam a interferência russa na disputa presidencial de 2016, que deu vitória ao republicano Donald Trump.

No Brasil, a crítica é o uso do WhatsApp para a disseminação de notícias falsas. Na semana passada, a rede social limitou a cinco o número de pessoas que poderão receber uma mensagem encaminhada, com o objetivo de limitar a viralização de fake news.

Em 2014, logo após a venda do WhatsApp para o Facebook por US$ 16 bilhões (R$ 37,45 bilhões à época), um dos fundadores do app, Jan Koum, afirmou que a junção dos aplicativos destruiria valor, citando exemplos anteriores.

Apple demite mais de 200 funcionários de divisão de veículos autônomos

A Apple dispensou mais de 200 funcionários de seu grupo de pesquisa de veículos autônomos, chamado de Project Titan, publicou a CNBC na quinta-feira (24).

As demissões são consideradas internamente como parte de reestruturação da unidade sob a nova liderança do Project Titan, disse a CNBC.

No ano passado, a Apple contratou Doug Field, um vice-presidente de engenharia da Tesla, para chefiar o Project Titan junto com Bob Mansfield.

WhatsApp Business lança novas ferramentas para função web

O aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp lançou, na quinta-feira (24), novas funcionalidades para empresas que usam o Business, versão corporativa do app, no navegador de internet. A partir de agora, o WhatsApp Business Web terá respostas rápidas, etiquetas para organizar contatos e filtros de conversas.

As novidades fazem parte da comemoração do primeiro ano do aplicativo, que foi lançado nos Estados Unidos no dia 18 de janeiro do ano passado. No Brasil, a função para empresas chegou uma semana depois, dia 25.  Em todo o mundo, mais de 5 milhões de empresas usam o app, divulgou o aplicativo nesta semana.

Segundo a empresa, os recursos que facilitam o envio de resposta rápida, de organizar contatos de filtrar conversas farão com que as companhias sejam mais produtivas. “Queremos disponibilizar novos recursos para os clientes encontrarem e interagirem com as empresas que são importantes para eles”, disse a companhia por meio de nota.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários