Chegamos a mais uma de nossas colunas semanais sobre mundo digital, tecnologia e empreendedorismo.

Nosso destaque  é a falha do Facebook que atingiu cerca de 50 milhões de usuários.

Falha de segurança no Facebook atinge 50 milhões de usuários

O Facebook revelou nesta sexta-feira (28), a descoberta de uma falha de segurança que afetou 50 milhões de usuários no mundo todo. Em comunicado, o presidente executivo da rede social, Mark Zuckerberg, declarou que os invasores conseguiam ter acesso às contas, mas que ainda não há evidências se dados dos usuários foram coletados. Ainda sob investigação, o incidente aumenta a pressão sob o Facebook, que vive em 2018 uma de suas piores crises, após o caso Cambridge Analytica.

Segundo a empresa, a falha ocorreu dentro da função “Ver Como”, que permite aos usuários visualizarem como seus perfis são vistos por quem não é seu amigo na rede social. “Os invasores conseguiram acesso aos perfis dos usuários da mesma forma que os proprietários das contas”, explica Dmitry Bestuzhev, diretor de pesquisa da empresa de segurança Kaspersky na América Latina.

Segundo Guy Rosen, vice-presidente de produto da rede social, isso inclui não só o acesso à rede social, mas também a qualquer programa ou serviço que use o Facebook como sistema para login. Em conferência com jornalistas, ele disse que ainda não há detalhes sobre a identidade ou origem dos invasores, nem se o ataque tinha alvos determinados.

Como medida preventiva, a empresa desligou o acesso dos 50 milhões de usuários afetados, bem como de outros 40 milhões de pessoas que usaram o “Ver Como” no último ano. A rede social disse que já corrigiu a falha e notificou as autoridades competentes nos EUA e na Europa. Além disso, a rede prometeu enviar avisos aos usuários que foram afetados – entre eles, estão Mark Zuckerberg e Sheryl Sandberg, diretora de negócios do Facebook, reportou o jornal The New York Times.

Por causa da divulgação do ataque, as ações do Facebook caíram 2,59% na bolsa Nasdaq ontem, encerrando o dia a US$ 164,46. É um impacto financeiro menor do que o sentido pela rede social em março, quando os jornais The New York Times e The Observer revelaram que a consultoria política Cambridge Analytica usou indevidamente dados 87 milhões de usuários da rede social. Na época, a queda foi de 6,7% na bolsa.

Nos meses seguintes, o caso levou Mark Zuckerberg a depor no Congresso americano e fez a empresa rever suas políticas de privacidade, reduzindo previsões de lucro. O Facebook chegou a perder US$ 119 bilhões em valor de mercado em um único dia.

Em nova fase GuiaBolso adota inteligência artificial para dar dicas financeiras aos usuários

O aplicativo de finanças GuiaBolso anunciou nesta terça-feira (25), um novo recurso de inteligência artificial. Chamado de Guia, o sistema usa a tecnologia para dar dicas personalizadas e orientar decisões de economia e investimentos para os usuários. A ferramenta segue uma tendência de plataformas como Spotify e Netflix, que recomendam conteúdo para usuários de acordo com o comportamento de cada um e está disponível para aparelhos Android e iOS.

Por meio de mensagens no aplicativo, notificações por push ou por e-mail, usuários podem receber, por exemplo, um conselho para economizar dependendo de onde tem tido muitos gastos ou então uma dica de como investir melhor. Por meio de algoritmos, a plataforma vai mostrar qual é o conteúdo mais relevante para o usuário.

“Queremos lidar com o dinheiro de forma humana”, diz Thiago Alvarez, presidente executivo do GuiaBolso. “Muita gente tem medo de olhar os número frios de suas finanças, porque não sabem o que fazer com eles”.

Segundo a empresa, essa orientação de caminhos que o Guia faz não tem a intenção de julgar o comportamento financeiro do usuário. “Se ele quiser receber um puxão de orelha, vai receber. Mas se não quiser, não vai”, explica Alvarez. A plataforma também vai enviar um “parabéns” quando o usuário estiver seguindo no caminho certo.

O GuiaBolso tem atualmente uma equipe com 14 pessoas focadas em trabalhos com inteligência artificial, ramo que a empresa diz ter voltado suas atenções. Além disso, o GuiaBolso trabalhou diretamente com o Google para o desenvolvimento do Guia – no começo deste mês, a startup foi selecionada para participar do programa global de aceleração do Google, o Launchpad Studio.

O Guia já conta com parceiros para ajudarem nesse recurso de personalização – por enquanto, todos eles são empresas de crédito. Mas, o plano da empresa é ampliar essa oportunidade para empresas de outros setores, para ser possível, por exemplo, sugerir que o usuário pegue um aplicativo de transporte compartilhado em vez de usar seu carro ou então sugerir um plano de determinada operadora de celular que é o mais barato e adequado para a realidade da pessoa.

Musk rejeitou oferta da SEC de multa e de desistência de presidência do conselho da Tesla

O empresário Elon Musk se recusou a pagar uma multa nominal e a abrir mão do cargo de presidente do conselho da montadora de carros elétricos Tesla por dois anos como parte de um acordo com a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês), informou a rede de televisão CNBC nesta sexta-feira, citando fontes.

O acordo também exigiria que a Tesla nomeasse dois novos conselheiros independentes.

De acordo com a reportagem, Musk recusou-se a assinar o acordo, pois achou que não seria sincero para si mesmo e que ele não teria sido capaz de viver com a ideia de concordar em aceitar um acordo e qualquer culpa associada a isso.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários