Chegamos a mais uma de nossas colunas semanais sobre mundo digital, tecnologia e empreendedorismo.

Nosso destaque é valor do iPhone X no Brasil.

No Brasil, iPhone X vai custar até R$ 7.799

O brasileiro que quiser comprar o iPhone X no país terá de preparar o bolso. Nesta terça-feira (31), a Apple divulgou os preços para o novo aparelho, que ainda não tem data de chegada ao país. E eles são (bem) salgados.

Na versão de 64 GB de armazenamento, o primeiro smartphone com tela Oled da Apple custará R$ 6.999. O valor é 114% maior que nos EUA (R$ 3.270, na conversão de US$ 1.000).

A topo de linha, com 256 GB, custará R$ 7.799.

Ou apenas R$ 7.019,10 se o pagamento for à vista, com 10% de desconto.

Baixe grátis: Guia completo sobre investimentos

Com 50 milhões de usuários, Brasil é segundo no ranking do Instagram

Nem só de gatos, pratos bem montados e selfies vive o Instagram. A rede social de fotos do grupo Facebook atingiu no último mês a marca de 2 milhões de anunciantes, dois anos e meio após a introdução dos anúncios no feed do usuário.

O Brasil tem participação importante no número. Segundo o diretor de negócios global do Instagram, Vishal Shah, que esteve no Brasil para um evento com empreendedores na rede social, o país tem a segunda maior base de usuários da rede, com 50 milhões de usuários ativos mensais (são 800 milhões no mundo todo).

Os brasileiros também são conhecidos como “early-adopters”, embarcam nas novidades rápido, e já são um dos principais produtores de conteúdo para o Stories –fotos e vídeos que desaparecem depois de 24 horas–, que já tem 250 milhões de usuários diários no mundo.

Ferramenta recomendada: Super planilha para seu controle financeiro

Apple supera US$ 900 bilhões em valor de mercado pela primeira vez

A Apple superou a marca de US$ 900 bilhões em valor do mercado no início da noite de quinta-feira (2), depois de anunciar os resultados financeiros para o quarto trimestre do ano fiscal de 2017, encerrado em 30 de setembro.

Apesar dos resultados acima das expectativas, o que realmente animou os investidores foi a previsão de receita divulgada pela companhia para o primeiro trimestre do ano fiscal de 2018, que representa um termômetro da forte demanda pelo iPhone X, versão mais avançada do smartphone da companhia que chega às lojas dos primeiros países na sexta-feira (3).

A companhia afirmou que a receita do primeiro trimestre deve ficar entre US$ 84 bilhões e US$ 87 bilhões, acima das expectativas de analistas consultados pela agência de notícias Reuters, que esperavam algo em torno de US$ 84,9 bilhões. “Estamos esperando por uma grande época de Natal e estamos às vésperas do lançamento do iPhone X. Nós não poderíamos estar mais animados conforme começamos a entregar nossa visão do futuro com esse maravilhoso dispositivo”, afirmou o presidente executivo da Apple, Tim Cook, em nota.

Segundo analistas, há dúvidas sobre como a Apple vai conseguir atender a demanda no período que antecede o Natal. “Não sabemos onde a curva entre a oferta e a demanda vão se cruzar, já que o iPhone X não tem uma versão anterior para comparar”, afirmou o diretor financeiro da Apple, Luca Maestri, à Reuters.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários