Caro leitor do Dinheirama, a pedidos de muitos, abrimos a partir de agora um espaço fixo para comentarmos tudo sobre o Mundo Digital, Tecnologia e Empreendedorismo. Como sempre fazemos por aqui, a iniciativa tem como objetivo incrementar o debate sobre os temas abordados, tratando tudo de forma imparcial, e seguindo sempre as orientações do conselho editorial.

Intuit lança aplicativo nativo do QuickBooks ZeroPaper

Tendo em vista a preocupação com a gestão financeira eficiente de micro e pequenos empreendedores, a Intuit Inc. (Nasdaq: INTU) aprimorou o aplicativo do QuickBooks ZeroPaper  para smartphones. Em sua nova versão para iOS e Android, o aplicativo agora é nativo. Com isso, o usuário ganha rapidez em suas atividades financeiras diárias, além de ser beneficiado com uma nova interface, que é mais amigável e totalmente responsiva.

“Entendemos que o empreendedor tem, muitas vezes, que desempenhar vários papéis em sua empresa. E, em muitos casos, o tempo que ele passa na rua é grande. Com nosso novo app nativo, o empreendedor ganha agilidade em seu controle financeiro, mesmo estando longe do computador. Contamos com uma tecnologia baseada 100% na nuvem, com dados armazenados de forma segura e disponíveis 24 horas por dia, a partir de acesso via computadores, smartphones e tablets”, explica o Country Manager da Intuit Brasil, André Macedo.

Siga-nos na maior rede profissional do mundo: Dinheirama no Linkedin

Snapchat levanta US$ 1,8 bilhão com investidores

O aplicativo de mensagens Snapchat levantou cerca de  US$ 1,81 bilhão em investimentos, de acordo com documentos enviados à Securities and Exchange Comission (SEC). Após a nova rodada de investimentos, o valor de mercado da companhia superou US$ 17 bilhões, de acordo com a base de dados de venture capital PitchBook.

De acordo com o site de tecnologia TechCrunch, os fundos General Atlantic, Sequoia Capital, T. Rowe Price e Lone Pine, estiveram entre os que participaram da nova rodada de investimentos. Segundo fontes, o Snapchat registrou receita de US$ 59 milhões no ano passado. O valor é US$ 3,1 milhões mais alto que o registrado em 11 meses de 2014, de acordo com informações de fontes da Reuters.

Polêmica sobre regulação de Startups

Pedro Conrade, CEO da startup Controly, participando recentemente de um evento, declarou ser favorável à regulação das startups. Pedro se referia às startups da área financeira, conhecidas como Fintechs.

A declaração foi tuitada por um repórter, que fez a complementação da informação em outros tuites minutos depois. Independentemente da referência ao setor das startups, ainda assim o assunto causou reboliço entre os participantes do ecossistema de startups do Brasil. Afinal, uma regulação não mataria as oportunidades de inovação em um mercado já extremamente complicado como o brasileiro?

Após a polêmica, Pedro divulgou uma nota, onde em primeiro lugar esclarece que se refere às fintechs e defende seu ponto de vista, porque já aconteceram casos de startups financeiras, que após pouco tempo de funcionamento, fecharam as portas e levaram problemas para seus investidores e usuários.

E-book recomendadoFinanças Pessoais para Mulheres

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários