A negociação é uma arte que faz parte do mundo dos negócios. Quando feita de forma eficaz, ela pode proporcionar a influência que você precisa para garantir um retorno favorável.

Embora as situações possam variar significativamente, o processo envolve certos princípios fundamentais e a sequência correta de passos.

Preparação

Assim como Sun Tzu, em “Arte da Guerra”, planejamento estratégico é o primeiro passo para vencer a batalha.

Embora a negociação não seja tão épica (e sangrenta) como a antiga guerra, é necessário seguir os mesmos princípios e é muito importante que se tenha ampla visão da situação.

De modo geral, a pessoa mais bem preparada tem maior vantagem e está na melhor posição para fechar o negócio com base nos seus termos.

Digamos que você seja um fornecedor de software voltado para gerenciamento de relacionamento com cliente e esteja tentando fechar um grande negócio com uma empresa, para vender seus produtos em massa.

Antes de começar o processo de negociação, talvez seja necessário saber:

  • Qual problema específico esta empresa está enfrentando? Talvez estejam perdendo leads e não estejam obtendo as taxas de conversão que estão precisando;
  • Por quê eles estão enfrentando esse problema? Pode ser que eles não estejam capitalizando leads rápido o suficiente ou há uma falha na comunicação da equipe;
  • Como seu software pode eliminar ou aliviar o problema? Talvez seu software utilize análises preditivas para melhorar a interação dos clientes e melhor direcionar o processo de vendas, o que geralmente aumenta as conversões.

Independente dos itens, você precisa se munir do máximo possível de informações e entender exatamente o que se passa na mente da pessoa (ou pessoas) com quem você está negociando.

Ebook gratuito recomendadoFreelancer: Liberdade com muito trabalho e resultados

Estabelecendo uma oferta inicial

Pesquisas mostram que com uma oferta inicial impactante, a tendência é que a sua negociação seja conduzida para uma etapa mais avançada, o que na maioria das vezes funciona a seu favor.

De acordo com as pesquisas, “quando a primeira oferta é agressiva, isso te permite oferecer benefícios e ainda alcançar um acordo muito melhor que suas alternativas”.

Entretanto, muitos negociadores não vão agir assim tão agressivamente e nem vão irritar ou ofender a outra parte. Obviamente, você não vai querer exagerar pedindo um valor absurdo ou que vá além do esperado.

Pelo contrário, você vai preferir ter uma margem de manobra e se antecipar, estabelecendo um número menor que a sua oferta inicial.

Táticas eficazes

Uma estratégia que pode funcionar a seu favor é oferecer uma média, em vez de um número fixo. Isso dará a ambas as partes alguma flexibilidade e reduzirá as chances de você receber uma contraoferta desfavorável.

Digamos que, por exemplo, você está tentando vender sua startup. Em vez de fixar uma oferta de R$ 500.000,00, você pode estabelecer uma média entre R$ 500.000,00 e R$ 800.000,00.

É sempre importante estabelecer o valor mínimo que você está disposto a aceitar. Certamente, você não precisa chegar perto desse número, mas decidir isso o quanto antes é fundamental para que você não fique preso numa negociação ruim ou permite que alguém obtenha vantagem sobre você.

Podcast recomendadoDinheiramaCast, o seu podcast de educação financeira

Quando brigar

Obviamente, o momento certo de avançar é quando está óbvio que a pessoa está muito interessada no seu produto, serviço ou empresa, e quando o que você está oferecendo supera o que os competidores oferecem.

Esse tipo de vantagem te coloca na posição de predador e você quer atacar enquanto a presa está disponível. O objetivo é atacar em suas objeções, em vez de os atacar pessoalmente.

Quando fazer um acordo

Existem dois motivos principais para se fazer um acordo:

1. Se você está com certa desvantagem e um ajuste não é possível, você irá destruir as possibilidades de fechar o tão esperado negócio. A menos que você não esteja abaixo do menor valor estabelecido antes da negociação, um acordo pode fazer todo sentido;

2. Você ainda vai obter um acordo favorável e construir um bom relacionamento com a outra parte, que, no longo prazo, pode beneficiar a ambos. Neste caso, se doar um pouco mais agora pode potencialmente te levar a retornos ainda maiores depois.

Quando desistir?

Dar-se como falido é um risco inerente. É como jogar roleta russa. Se correr este risco pode te fazer perder ou arruinar potencialmente as suas finanças ou carreira, então simplesmente não é aconselhável agir assim.

Entretanto, se você tem confiança e sabe que você ficará bem mesmo no pior cenário, então talvez seja o momento de apostar todas as suas fichas e jogar os dados. Afinal de contas, a sorte tende a estar do lado de quem arrisca.

Vídeo recomendadoO Estresse e o Seu Dinheiro: cuidado com as Emoções

Conclusão

É essencial que você entenda os princípios fundamentais das negociações se você quiser obter realmente o que merece e fechar grandes acordos.

Você vai ter sucesso em toda negociação, sem ter que enfrentar algum problema? Provavelmente não.

Mas com os esforços adequados, estudando a outra parte e utilizando a abordagem psicológica correta, você pode melhorar consideravelmente suas chances e se tornar altamente proficiente em negociação.

Quais técnicas você descobriu serem eficazes no processo de negociação?

Neil Patel
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários