Meu caro, antes de tudo um clichê, no mais clássico estilo lugar comum: “depois da tempestade vem a bonança”.

Apropriado para o momento crítico da economia ou fora de contexto caso o seu negócio esteja de vento em popa, o fato é que, mais cedo ou mais tarde, todos enfrentam uma fase espinhosa e crítica. A vida é assim.

A receita perfeita

Você fez tudo certo. Aprimorou o senso empreendedor – afinando a sua conduta a realidade que iria encontrar. E não parou por aí.

Estudou minuciosamente o mercado, concebendo um plano de negócios detalhado e factível, trouxe gente competente para tocar a guerra ao seu lado. Gerenciou as finanças com rigor e fugiu das modinhas da época.

A receita perfeita estava ali, implantada e viva no dia-a-dia da sua empresa. Logo, os prognósticos eram os melhores, muito embora você jamais tenha cedido à tentação de exagerar no otimismo. Sempre muito realista e pragmático, como são todos os bons e longevos empresários.

Em resumo, um excelente capitão dos mares, tocando o seu barco lindo e ajustado rumo a mares conhecidos e outros nem sequer navegados, em uma história de aventuras, realização e descobertas.

Ebook gratuito recomendado: Como falar sobre dinheiro com o seu filho

Mas nem sempre dá certo

Contudo, deixando a poesia de lado, o fato é que depois de alguns meses ou semestres, os resultados não refletiram as expectativas. O fluxo de caixa entrou em declínio e o mercado não está reconhecendo a proeza da sua inovação.

O que fazer? Como reagir? O nosso herói largará a toalha? Pendurará a chuteira? A resposta é não. Se ele for um empreendedor genuíno, enfrentará o caos.

Mas encarar o mar revolto e aportar no cais com segurança não é uma missão simples. Demanda preparação e um rosário de cuidados. Seguem aqui algumas dicas para enfrentar o mais sombrio (ou glorioso) momento.

O front psicológico 

1. Antes de tudo, a aceitação

 Meu amigo, saiba que os números não mentem e se eles informam que o seu negócio não vai bem, não discuta com a realidade crua e nua que eles trazem. Sim, o seu negócio está em declínio e isso precisa ser aceito e encarado. De frente.

2. Assuma a responsabilidade

 A liberdade de conduzir o próprio futuro e traçar o próprio roteiro com total autonomia cobra o seu preço.

Quanto antes isso acontecer, mais rapidamente você se sentirá retomando energia para ajustar as coisas e, eventualmente, até mesmo recomeçar com a parte que restou do que construiu.

3. Não se permita abater pela percepção dos erros cometidos

 Eles são inevitáveis, você não é perfeito e é falível. Entendido isso, saiba que de nada adiantará o exercício da autopunição.

Leitura recomendada: Empreendedor, não confunda insistência com persistência

4. Retome rotinas pessoais

 Tente ir dormir mais cedo, cuide do peso, retome exercício físicos com regularidade, aproxime-se de pessoas de confiança que estarão ao seu lado – aconteça o que acontecer.

Inclua o lazer e quem sabe um saudável hobby na sua vida. Afinal de contas, você já existia antes da sua empresa.

Com isso você vai restaurar o equilíbrio físico e psicológico tão necessário para a tomada de boas decisões e o abastecimento energético para implantá-las.

E se não der certo? Sei lá, recomendo que procure um médico imediatamente.

O front prático

1. Retome rotinas pessoais 

Ajuste produtos e/ou serviços envolvidos, estrutura de precificação, relacionamentos comerciais e estratégias de gestão e vendas.

Tente analisar o projeto a partir de um enfoque panorâmico. Depois divida suas conclusões com sócios e colaboradores de maior confiança e comprometimento (assim você forma o seu gabinete de crise, mesmo que seja composto por apenas duas pessoas).

2. Realize ajustes no seu plano de negócios

Lembre-se, a culpa não é do seu business plan, mas provavelmente das premissas assumidas e dos conteúdos inseridos nas variáveis da operação.

3. Enxugue a operação 

Esteja disposto a isso até o ponto do novo alinhamento estratégico-operacional. Vai demandar decisões difíceis e situações desconfortáveis para você e para as pessoas que trabalham para você? Sim, vai, e pare de choramingar. A vida empresarial é assim mesmo.

Vídeo recomendado: Empresa rica, dono pobre: o erro fatal de consumir antes de produzir

4. Negocie com credores

 Neste caso em particular, cuide de expor a situação com clareza, deixando claro qual é o plano de saneamento e estabilização da empresa. Estabeleça prazos factíveis de normalização nos pagamentos.

Se você for cuidadoso nos cálculos e firme no cumprimento do que repactuou, provavelmente sairá dessa com mais credibilidade do que tinha anteriormente.

5. Aproveite o tranco para amadurecer

 Pare de se comparar a outros casos e ícones midiáticos, aprendendo que cada um tem a sua própria história e constrói a sua própria lenda.

Conclusão

Para finalizar, recobre a visão de longo prazo, deixando um pouco a pressa de lado, e aproveite mais o caminho do que a chegada. Isso trará uma nova perspectiva, mais saudável, sólida e sustentável. Boa sorte e até o próximo.

Plataforma Brasil
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários