Jorge comenta: “Navarro, sou um pequeno empresário que mantém um pet shop, mas estou tendo dificuldades para manter a empresa funcionando. O principal problema, adivinhe, é dinheiro, e perdi uma chance de conseguir crédito e ajuda de parentes investidores para dar um gás no negócio. Alguma dica? Obrigado”.

Nosso país é um celeiro de empreendedores, de gente capaz e muito corajosa, que a despeito das dificuldades segue em frente na concretização de seu negócio próprio. No entanto, poucos destes negócios avançam, e entre os principais motivos temos a falta de planejamento e controle.

Esta semana conversei com um amigo meu que, entre outras coisas, é um caçador de oportunidades de investimento. Ele me contou sobre um episódio do qual podemos extrair lições. Acompanhe.

A história, seus desafios e oportunidades

Em contato com uma colega, o meu amigo descobriu que ela estava desenvolvendo um negócio próprio há algum tempo, e que as coisas estavam indo bem. O negócio em questão é um canil.

Ela havia comprado alguns cães de ótima procedência, com pedigree, e cuidava muito bem de seus animais. Visitando o ambiente, meu amigo constatou que sua colega realmente amava o que fazia – ele realmente percebeu um ambiente impecável e um tratamento carinhoso dela para com os cães.

No desenvolver da conversa, ela mencionou que tinha planos de crescimento, mas enfrentava algumas dificuldades para obter crédito; ela disse ainda que estava perdendo algumas chances excelentes de adquirir novos integrantes para a família.

Como se não bastasse o problema financeiro, ela também tinha desafios com a logística, pois morava no interior e começava a receber demandas vindas da capital e de cidades localizadas a distâncias muito maiores do que jamais imaginou no início de suas operações.

Meu amigo viu uma oportunidade e propôs investir no negócio dela, mas antes ele precisava entender em detalhes a operação do canil, seu fluxo de caixa, custos, faturamento e, principalmente, o modelo de negócios da empresa, uma vez que as fêmeas procriavam a cada seis meses, aproximadamente.

As consequências de não fazer a lição de casa

Meu amigo ficou surpreso (e frustrado) ao ouvir que ela não tinha tais informações. Aliás, ela não tinha qualquer tipo de controle sobre os valores envolvidos no negócio. Aconteceu o óbvio: ele não seguiu com as negociações.

Como percebeu que sua colega era uma pessoa esforçada e digna de sua confiança, explicou a importância da gestão financeira para o bom andamento do negócio e propôs que ela fizesse uma longa lição de casa, iniciando um controle apurado de todo o dinheiro que circulava no negócio. Aspectos como capital de giro, margem, custos fixos e variáveis, dentre outros, foram explicados de forma objetiva.

O que aconteceu é emblemático e precisa ser frisado: ela perdeu a oportunidade imediata de receber os recursos de que precisava e de conseguir um bom sócio para seu negócio. Teve sorte por receber uma ajuda para resolver seus problemas imediatos, mas isso é raro.

Cuide bem de seu negócio se quiser prosperar

Se você sofre do mal da desorganização e do desleixo, mistura as contas da empresa com as finanças pessoais e não dá a mínima para o básico da gestão financeira do seu negócio, é bom você começar a resolver isso agora.

Certo, mas por onde e como começar? Comece simples. Pegue um caderno e lance em cada linha o valor que gastou até agora e também o que ganhou (faturou). Utilize canetas de cores diferentes para facilitar a visualização das entradas e saídas. Pronto, isso é muito para quem não tem absolutamente nada – você agora tem uma visão do quanto fatura e do quanto gasta. Compare os valores.

No final de um mês você terá uma visão clara do que acontece com o seu negócio em termos de faturamento e despesas. Com o passar dos meses, esta visão deve ser ampliada e você poderá verificar onde ocorrem as variações e como gerenciá-las (e entenderá melhor o que significa capital de giro, por exemplo).

O que eu mencionei até aqui é o pontapé, mas você pode (deve) ir além, inclusive fazendo cursos online/presenciais do SEBRAE (clique para ver detalhes) ou até mesmo lendo outros conteúdos que já publicamos por aqui na seção de Empreendedorismo.

Conclusão

Quem não entende a importância de controlar seus recursos financeiros e administrá-los de forma a potencializar seu negócio próprio, sempre estará em desvantagem. Ah, isso também vale para a vida pessoal, é claro (eu insisto nisso há uns 10 anos, pelo menos).

A verdade é que não sabemos quando precisaremos de ajuda ou quando receberemos um convite inesperado para ampliarmos nossos horizontes. Portanto, é melhor estar preparado para estes momentos, não acha?

A maioria das pessoas não planeja fracassar, fracassa por não planejar.” (John L. Beckley). Pense nisso! Se você gostou do texto, deixe sua opinião no espaço de comentários abaixo ou fale comigo no Twitter – sou o @Navarro por lá. Obrigado e até a próxima!

Foto “Confident businessman”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários