Dinheirama - Finanças PessoaisConforme combinado, hoje abordaremos, ainda dentro do universo empresarial e do empreendedorismo[bb], um dos sistemas mais interessantes de negócios: o franchising ou sistema de franquias, que, tecnicamente falando, não é considerado um negócio ou uma indústria, mas um método de condução de negócios.

A utilização de um sistema de distribuição no qual um fornecedor concede à outra parte interessada o direito de comercializar seus produtos ou serviços, conforme termos e condições pré-estabelecidos em comum acordo, durante certo período de tempo, e numa área ou região especifica, sãos as principais características desse modelo de negócios.

Como surgiu a idéia de franchising?
Alguns historiadores afirmam que o conceito nasceu na idade média, quando a Igreja Católica passou a conceder licenças ou franquias a senhores de terras para que, em seu nome, coletassem impostos e taxas.

O franchising B2C (Business to Consumer), da maneira que hoje o conhecemos, surgiu em 1851, nos Estados Unidos, onde a fabricante de máquinas de costura Singer Sewing Machine Company decidiu conceder licenças para comerciantes independentes interessados na revenda de seus produtos.

Em 1898, a General Motors utilizou-se do sistema para expandir a rede de pontos de venda dos carros por ela produzidos. Era o inicio das chamadas concessionárias. Logo em seguida, em 1899, a Coca-Cola criou a primeira franquia de produção de que se tem noticia, concedendo licenças para empresários interessados em produzir e comercializar seus refrigerantes em áreas geográficas definidas por contratos, mais ou menos como acontece hoje.

A grande explosão do sistema aconteceu após o final da Segunda Guerra Mundial[bb], quando milhares de americanos retornaram para os EUA determinados a abrir seus próprios negócios. No Brasil, as escolas de Inglês Yázigi e CCAA foram, nos anos 60, as primeiras marcas a experimentar o sistema. Entretanto, só a partir dos anos 80 vimos um incremento nos negócios.

Em 1987 foi criada a ABF (Associação Brasileira de Franchising) que institucionalmente contribuiu para a abertura do mercado na década de 1990, com um ambiente mais próspero e chegada de várias franquias internacionais.

Conceitos e linguagem de negócios utilizada
Business Format Franchising (BFF):
Franquia de negócio formatado. Engloba todos os aspectos do funcionamento do sistema. Os procedimentos operacionais são colocados em manuais, de forma que o franqueado atue com todas as características da rede de franquias. Possui alto grau de profissionalização, sendo também chamado de franquia de terceira geração.

Circular de Oferta de Franquia (COF): Documento que o franqueador é obrigado, pela lei de franquias, a fornecer a todo candidato a franqueado. Contém várias informações sobre a franquia, a rede de franqueados e empresa franqueadora.

Contrato de Franquia: É o instrumento através do qual o franqueador, que é o titular da marca, patente industrial, comércio ou serviço, concede seu uso a outro empresário (franqueado), assim como o direito de distribuição, prestando-lhe assistência técnica e administrativa para a viabilização do negócio ou sistema operacional, detidos ou desenvolvidos pelo franqueador, mediante o pagamento de uma taxa inicial e/ou percentual sobre o volume dos negócios realizados pelo franqueado.

Conselho de Franqueados: Órgão de representação coletiva dos franqueados junto ao franqueador.

Master Franquia: Sistema pelo qual o franqueador concede a terceiros a direito de vender a sua marca em determinada região.

Pay Back: Prazo de amortização do investimento. Ou seja, o tempo que a franquia demora até obter, como lucro, o montante equivalente ao investimento inicial e à taxa de franquia.

Definição de Franquia Empresarial, de acordo com a Lei nº. 8.955/94:

“A Franquia empresarial é o sistema pelo qual um franqueador cede ao franqueado o direito de uso de marca ou patente, associado ao direito de distribuição exclusiva ou semi-exclusiva de produtos ou serviços e, eventualmente, também ao direito de tecnologia de implantação e administração do negócio ou sistema operacional desenvolvidos ou detidos pelo franqueador, mediante remuneração direta ou indireta, sem que, no entanto, fique caracterizado vínculo empregatícios” (art.1º).

Como funciona o franchising?
É interessante notar que o franqueador não fornece ao franqueado apenas o direito de comercialização de seus produtos. Ele fornece também os seus segredos e seu método, que caracterizam seu know-how e modo de gerenciamento, normalmente em um setor geográfico pré-definido.

Por outro lado, o franqueado assume integralmente o financiamento da sua atividade e remunera o seu franqueador com uma porcentagem calculada sobre o volume dos negócios. A figura abaixo ilustra, de forma simplificada, o funcionamento de uma relação franqueador-franqueado:

Como funciona uma franquia

Taxas cobradas pela franquia
Um dos aspectos de extrema relevância em qualquer tipo de negócio são as taxas envolvidas no processo. No caso do sistema de franquias, o empresário arcará com:

Taxa de Franquia: Valor pago pelo franqueado, na ocasião da assinatura do contrato, que serve para remunerar o franqueador pelo uso da marca, selando o ingresso em sua rede, repasse de know-how, manuais de operação, treinamento, assistência na divulgação da marca, assistência na escolha do ponto, projeto arquitetônico, adequação visual e assistência na inauguração.

Taxa de Royalties: Valor pago mensalmente e que equivale, em geral, a um percentual sobre o faturamento da franquia. Esta taxa diz respeito ao repasse de tecnologia e à prestação de serviços como treinamento, pesquisa, desenvolvimento de produtos e suporte operacional.

Taxa de Propaganda: Valor pago mensalmente e que equivale, em geral, a um percentual sobre o faturamento da franquia. Esta taxa refere-se à divulgação da marca e dos produtos e serviços oferecidos.

Vantagens do sistema de franquias

  • Marca conhecida e de boa reputação:
  • Aumento nas chances de sucesso, graças ao suporte que o sistema trás aos novos integrantes do negócio;
  • Existência de um plano de negócios;
  • Maior garantia de mercado;
  • Menores custos de Instalação;
  • Economia de escala;
  • Independência jurídica e financeira;
  • Maior lucratividade e retorno do investimento mais rápido;
  • Possibilidade de pesquisa e desenvolvimento.

Desvantagens do sistema de franquias

  • Pouca flexibilidade, o controle sobre as operações que são constantes e permanentes;
  • Autonomia parcial;
  • Risco de ocorrência de falhas no sistema;
  • Taxas pagas pelo franqueado;
  • Localização “forçada”.

De uma maneira geral, o sistema de franquias[bb] é uma opção interessante para quem pretende entrar no mundo dos negócios, especialmente se ainda falta certa experiência no ramo de interesse. Lembre-se que todo trabalho deve ser dotado de dois componentes básicos: produção e a felicidade. Produção porque você precisa fazer o que tem que ser feito e felicidade porque apaixonar-se pelo negócio e pelas pessoas é fundamental. Aproveitem o feriado e final de semana prolongado. Nos vemos novamente na próxima semana.

Fontes de consulta para o artigo: Franquias Net e Só Franquias

——
Ricardo Pereira é Analista Financeiro Sênior da ABET Corretora de Seguros, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para Marcio Eugenio.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários