dinheirama-post-sp-rebaixa-credito-brasil-economiaNessa semana, a S&P, uma das três maiores agências de classificação de risco do mundo, rebaixou a nota de crédito do Brasil em um degrau, para BBB-, último nível ainda considerado como grau de investimento. Na mesma leva decidiu reduzir também a classificação de Petrobras e Eletrobras.

O fato não foi surpresa para ninguém, já que a S&P tinha advertido o país algumas vezes (outras agências também falaram), as revistas internacionais estampado matérias (The Economist) e muitos economistas locais fora do governo também falaram inúmeras vezes, inclusive nós.

O mesmo pode ser tido sobre Petrobras e Eletrobras, ambas enredadas em problemas sérios de mudanças em marcos regulatórios, elevado grau de endividamento e forte ingerência do governo em suas atividades.

Segundo declarações da S&P, o motivo para o downgrade reside no aumento da vulnerabilidade externa, no baixo crescimento dos últimos anos e nesse também e na renitente inflação sempre beirando o teto da banda de variação.

Além disso, citaram também os problemas mais recentes do segmento de energia e despacho de térmicas e dificuldade para atingir a meta de superávit primário estabelecida para 2014, idêntica à obtida em 2013, de 1,9% do PIB, não sem muita contabilidade criativa.

O governo reagiu como sempre, negando problemas na política econômica, monetária ou cambial. Afirmou que o país cresce acima da média de seus pares, que possui baixa exposição externa (verdade), reservas internacionais dentre as cinco maiores do G-20, e política fiscal robusta, além de inflação dentro da meta (que meta?).

Tivemos nota do Ministério da Fazenda, do Banco Central (BC), declarações de líderes do legislativo petista e até do presidente do BNDES, aproveitando a tribuna proporcionada por sua arguição na CAE (Comissão de Assuntos Econômicos).

Em se tratando de alguém que conhece o mercado de capitais, o presidente Luciano Coutinho foi no mínimo infeliz ao dizer que a melhor resposta veio da reação do mercado. O presidente do BNDES esqueceu de acrescentar que nos últimos 14 meses a Bovespa teve queda em 10 meses (estamos por quatro meses em queda) e que o valor de mercado Petrobras foi dizimado.

Consequência óbvia, os mercados já tinham ajustado em boa parte para essa expectativa, assim como tinha acontecido com a taxa do CDS (Credit Default Swap) do Brasil em forte expansão nos últimos tempos. Consequência prática disso, vai dificultar a captação de recursos pelo país e empresas, além de encarecimento dos juros que ainda vão subir nos próximos tempos (a partir de 2015) no segmento internacional.

O pior é que se o governo não mudar os rumos da política econômica e não lidar seriamente com metas, estaremos na direção absolutamente correta para perder o grau de investimento no futuro.

Pior que não ter grau de investimento é perdê-lo. Com eleições ou não, urge realizar mudanças, sem as quais estaremos sendo progressivamente abandonados no cenário externo de investimentos.

Está na hora do Brasil mostrar a sua cara! Transplantado para o mercado de capitais, isso significa que teremos ainda muita volatilidade em curso nos mercados e, portanto, investimentos requerem algum cuidado.

Acesse nosso site Orama.com.br e vislumbre alternativas de risco e retorno compatíveis com o seu perfil. Vale uma incursão lá! Até a próxima.

Foto Shutterstock: Home safe broken to save economies .

Alvaro Bandeira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários