Dinheirama - Finanças PessoaisViramos o ano sem a CPMF em nossa conta. Boa notícia para alguns, nem tanto para outros. Nem todos serão impactados pela mudança. Infelizmente, os maiores impactados serão aqueles que já não estão bem com a saúde financeira: os ENDIVIDADOS. Os impactos mais abrangentes da maior alíquota do imposto estarão nos financiamentos e crediários e também nas compras com cartão de crédito no exterior.

Em relação ao cartão de crédito, ainda compensa continuar utilizando esse meio de pagamento, pois o dólar praticado pelas operadoras de cartão é próximo do dólar oficial, enquanto que a compra de travellers cheques e moeda embute um preço bem maior no câmbio. Ainda compensa pagar o IOF nessa modalidade.

Quanto aos financiamentos, nunca foi bom negócio estender o pagamento de suas compras por prazos longos. O aumento do IOF apenas reforça essa idéia, pois os financiamentos ficaram BEM mais caros. A recomendação, como sempre, é solicitar ao vendedor uma simulação com todos os valores a pagar e refletir sobre a soma de todos os encargos. Se você topa pagar muito mais pelo que compra, continue adiando seus planos de enriquecer.

Aos poucos, nos acostumaremos com o IOF maior, até porque o imposto não é o único custo que se sobrepõe aos juros. Você acredita que paga juros de menos de 1% ao mês no financiamento de seu automóvel ou de sua casa? É porque ainda não somou os custos do IOF, e também da Taxa de Abertura de Crédito, do seguro contra inadimplência, os custos de cobrança e, em alguns casos, de impressão do carnê. Essa informação vem ganhando a mídia e muitos consumidores estão atentos e já não vacilam diante de uma proposta mágica de financiamento. Se comprar a prazo já era um mau negócio, pior agora. Pense duas vezes antes de levar para casa um carnezinho.

Uma alternativa que está voltando à cena do consumo é o uso do leasing como alternativa de pagamento de bens de grande valor. O leasing foi muito utilizado até 1999, quando muita gente aproveitou a opção de financiar veículos com taxas corrigidas pela variação cambial – que eram mais baratas até o dólar disparar e, então, a maioria não conseguir pagar seus carros.

Por não ser uma operação considerada financeira, mas sim mercantil – ou seja, uma compra a prazo sem juros – o leasing acaba não recebendo o ônus do IOF. No lugar dos juros, surge a chamada taxa de administração. Essa taxa varia bastante no mercado, por isso você deve pesquisar bem antes de contratar seu leasing. Mas, com a dimensão que ganhou o IOF, essa passou a ser uma alternativa bem vantajosa para adquirir seus bens.

Pesquise a respeito. A decisão, como no financiamento, deve ser feita sempre somando o valor de todas as parcelas e seus encargos, para saber o quanto você pagará a mais pelo serviço.

——
Gustavo Cerbasi (www.maisdinheiro.com.br) é consultor financeiro pessoal e autor de Casais Inteligentes Enriquecem Juntos e Dinheiro – Os Segredos de Quem Tem.

Crédito da foto para Marcio Eugenio.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários