O ano de 2011 e os desafios do BrasilO ano de 2010 passou muito rápido! 2010 já é passado e 2011 está chegando, cheio de desafios. O Brasil se solidificou como um país de oportunidades de acontecimentos louváveis. Como tenho ouvido muito por ai, “as oportunidades estão aí para quem conseguir aproveitar e pegar o ‘bonde’ do desenvolvimento”. É importante saber que temos uma economia sob controle, com boas perspectivas e uma migração social robusta que colabora nesse sentido.

Um exemplo bastante positivo surgiu no campo do emprego. O índice de 5,7% de desempregados é o menor desde 2002, segundo o IBGE. Ótimo, mas o que esperar para de nossa economia em 2011? Continuaremos crescendo e garantindo a oportunidade de emprego para quem chega ao mercado de trabalho? Essa é apenas uma das questões que o novo governo precisará responder.

Governo que começa diante de um desafio: o alerta causado pela alta da inflação é um dos fatores de preocupação do mercado[bb]. A inflação está, mais uma vez, na pauta do cotidiano. Com o incentivo ao consumo criado pelo maior poder de compra, muitos brasileiros foram às compras e o aquecimento da economia trouxe de volta a alta nos preços. O Banco Central rapidamente agiu para conter o consumo e encareceu os financiamentos mexendo no compulsório dos bancos – influenciando assim a quantidade de dinheiro disponível para emprestar (liquidez).

Mais seriedade e infraestrutura
Parece cada vez mais claro que o nosso crescimento está limitado a 4% ou 5% ao ano sem que tenhamos que nos preocupar com a inflação. Depreende-se dessa observação algo no mínimo importante: um dos grandes temas de debate para o futuro é o crescimento sustentável. Como crescer de forma sustentada, sem sobressaltos? Como garantir crescimento da ordem de 6% ou mais, como em 2010, mas sem ter que ver os juros subindo?

Minha opinião é óbvia e direta: o governo precisa investir em infraestrutura para que nossas limitações de crescimento não se tornem problemas constantes para o desenvolvimento do país. Além disso, precisa gerenciar melhor seus próprios recursos e colocar em prática reformas importantes e o fim do inchaço da máquina pública.

Porque ao encarecer o crédito, aumentando os juros como medida para esfriar a economia[bb], ataca-se a doença e não a causa do problema. Em pouco tempo a economia tende a se indexar, o governo verá sua dívida pública se elevar e os empresários pensarão duas vezes antes de empreender ou investir nas empresas e projetos brasileiros.

Taxa Selic, um remédio amargo
É claro que ao olharmos para o horizonte maior de tempo, a curva e a tendência de baixa na Selic são evidentes. Entretanto, o que fica nítido é que estamos, em alguns momentos, escolhendo como solução o procedimento mais fácil, rápido e não uma solução efetiva que passe pelo gerenciamento eficiente dos gastos públicos – o que aumentaria a capacidade de investimento do Estado.

Um novo governo é sempre uma oportunidade de fazer algo novo e melhor. Esperamos que o Banco Central continue tendo sua liberdade e autonomia na tomada de decisões, mas também que o governo possa fazer melhores escolhas e desenvolver controles, além de gastar melhor. Será preciso coragem, apoio político, disposição e muito trabalho, mas o Brasil[bb] merece esse esforço.

O Brasil precisa dar um salto de qualidade em todos os setores, inclusive para fazer bonito e aproveitar economicamente os benefícios dos eventos que teremos nos próximos anos (Copa, em 2014 e Olimpíadas, em 2016). Precisamos acelerar nossos passos de forma organizada e competente, mas acima de tudo de forma a fazê-los sair do papel.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários