Dinheirama e Nossa OpiniãoTodos sabemos que um blog é uma ferramenta de socialização de conhecimento e informação, um excelente canal de comunicação e relacionamento e também um espaço onde se pode (e deve) expressar opinião. Com este pensamento, um grupo de blogueiros se reuniu para efetivamente colocar em prática a construção de conhecimento de qualidade, criando o Nossa Opinião, um aglomerado decente de artigos e pensamentos sobre os mais variados temas, atualizados e discutidos a cada quinze dias.

Assim, caros leitores, permitam-me também um momento de reflexão e polêmica. Convidado a participar do grupo de debatedores, confesso estrear com certo receio, afinal de contas o assunto, artigos patrocinados e a publicidade em blogs, evoca diferentes reações em cada um de vocês (e em mim). Parte deste artigo justifica-se pelo fato do Dinheirama ter, recentemente, publicado um artigo patrocinado por uma grande agência publicitária. Espero que acompanhe todo o desenrolar do tema e perdoe-me por fugir, ainda que brevemente, da principal razão de existir deste espaço: o seu dinheiro[bb].

O asco pela hipocrisia
Não há nada pior que a institucionalização de maus hábitos e atitudes. Exemplos negativos e diferenças culturais criam abismos morais cruéis e surreais diante da realidade vivida por cada um de nós. Exagero? Provocados a reagir diante das catástrofes sociais e econômicas do país e do mundo, comumente nos escondemos atrás da cortina da hipocrisia e da falta de vergonha (ou será de atitude[bb]?). Quanto podemos exigir de nossos cidadãos, se pouco fazemos para mudar sua razão de ser e existir? Será que fazer só a sua parte é suficiente?

Admito, não sei debater sem contextualizar e polemizar. O desabafo, diante do dia-a-dia cada vez mais autômato das pessoas, tem razão de ser. Discute-se ardorosamente o surgimento dos blogs na atual sociedade, seu real papel frente aos seus leitores e diversas fontes de informaçao, mas não vê-se o mesmo empenho em diagnosticar seus reais resultados, sua abrangência em termos qualitativos. A subjetividade do alcance, aliada ao parco profissionalismo da Blogosfera nacional contribuem para o tímido papel deste novo catalisador de conhecimento. Não obstante, muitos preferem abster-se diante do pérfido caminho.

O cuidado com o moralismo cibernético
A hipocrisia online é igualmente perigosa. Leitores e blogueiros, no afã pelo (único) minuto de fama, decidem proliferar mensagens e opiniões moralistas e de cunho ideológico, enquanto suas atitudes para com o próximo e seu trabalho são pautadas pelo aspecto prático e, por isso, mais coerentes. Julgam pois, através de movimentos hipócritas, as iniciativas sérias como sendo meras brincadeiras e satirizam as tentativas honestas de sustento de seus criadores.

Por trás da tela do computador[bb], fala-se muito e muitas teorias são facilmente criadas. Quando não há compromisso para com o resultado, fica fácil verbalizar saídas mirabolantes e “práticas eficientes” para os problemas da sociedade. A publicidade não existe há pouco tempo, assim como sua grande relevância e eficiência são mais do que aceitas e comprovadas. Um blog, um anúncio ou artigo patrocinado não existem sem um fiel universo de leitores. Você, portanto, é a chave de todo o processo.

Mas você entende de publicidade?
Por que alguma empresa decide anunciar neste blog e não em outro lugar? Quem toma esta decisão? Sob que aspectos e métricas, uma resolução deste tipo deve ser levada adiante? Como um blog pode trazer retorno ao seu anunciante e em que formatos este player deve mostrar seu produto, serviço ou iniciativa? São perguntas comuns nas agências de hoje, mas que raramente populam as cabeças dos muitos leitores de espaços como o Dinheirama. O modelo só será interessante para eles, se for para você. Sendo assim, será também para mim, blogueiro.

Acostuma-se fácil com o que é bom, rápido e, principalmente, sem efeitos colaterais. Lembro-me dos primeiros dias de Dinheirama, quando alguns colegas diziam: “O blog vai crescer rápido porque você fala de um assunto que é importante para todo mundo, dinheiro”. Sem dúvida, mas “só até a chegada do primeiro artigo patrocinado”, como alguns leitores fizeram questão de me alertar. Manter um espaço como este dá muito trabalho. Mas não há recompensa melhor que a oportunidade de poder escrever um artigo como este e vê-lo ainda lendo-o de olho grudado à tela.

A coisa fica insustentável, sob o ponto de vista prático, se pensarmos que a maioria dos leitores acharia bacana e concordaria prontamente com a veiculação de um artigo patrocinado sobre uma iniciativa de inclusão social, especialmente se ele fosse bancado por uma ONG. Normalmente não é uma ONG, não é um programa assistencialista, mas sim uma empresa com fins lucrativos que procura este tipo de serviço. Recusar o capitalismo, sem causa aparente, e focar apenas nas iniciativas puramente beneficentes não soa hipócrita?

Portanto, você há de concordar que é muito bacana saber que você gosta do que ofereço por aqui, mas que só isso não é suficiente para que o blog tenha futuro e possa melhorar. Pense bem, sua resposta pode ser minha sentença, embora eu ainda possa recorrer e tentar surpreendê-lo. Você confiaria menos em um Dinheirama respaldado em um modelo completamente sustentável?

Sustentabilidade, o enorme desafio!
Não pretendo, no meu limitado saber sobre marketing[bb], ações dirigidas e publicidade, propor regras e(ou) diretrizes para o anúncio em blogs ou comunidades similares. Embora não pareça, a discussão aqui é mais profunda. Senti-me deveras decepcionado com a reação exagerada de alguns leitores diante de meu artigo patrocinado, ainda que, de forma honesta e explícita, o aviso correspondente constasse do texto.

Que mal há em tentar viabilizar um modelo sustentável de negócio, perguntei-me diversas vezes. Um artigo patrocinado não define um modelo único e ainda inexistente nos veículos tradicionais de comunicação, mas sim o desdobramento diante do meio eletrônico e, principalmente, dos blogs. É óbvio, sou humano, sou um leitor como você e procurei entender o seu sentimento. “O Navarro colocou à venda sua opinião?” Claro que não. Um grande amigo, Alessandro Martins, definiu bem a confusão: “o artigo é pago, a opinião não”.

Um post pago, no jargão preferido por alguns, significa a opinião sincera de um editor diante de uma iniciativa. Ora, concordar com a atitude de uma empresa não tem nada a ver com minha postura como cidadão ou consultor financeiro[bb]. E, reparem, o foco do noticiário remunerado existente por aqui não fere nenhuma lei da boa convivência ou aspecto moral, é apenas um retrato de um mercado em movimento e que pede por sua atenção.

Receber para escrever significa compromisso com apenas o lado positivo da discussão? Alguém pensou em credibilidade?
Você confia nas opiniões refletidas no Dinheirama? Faz uso delas como fonte balisadora de suas decisões ou as toma como certas e apenas as executa sem deliberar sobre suas consequências? A credibilidade se constrói com um aliança entre o que sabemos ensinar e o quanto estamos dispostos a aprender. Eu não sei mais que você porque construi o Dinheirama. Quem construiu o Dinheirama foi você e a credibilidade deste blog só existe enquanto as opiniões aqui colocadas forem sinceras, honestas e pautadas no bom senso. Falando bem ou falando mal, estes são os princípios não negociáveis de nossa opinião.

Aliás, sempre coloco em cheque minhas opiniões, meus pensamentos e aquilo que julgo importante. Mas é só. Ficam sempre de fora da discussão o aspecto moral, as convicções e os sentimentos, pontos únicos e condicionantes do que sou, de minha forma de agir e de minhas reações. Respeito, credibilidade e legitimidade são, portanto, uma consequência. Ninguém, nem a agência que nos contrata, é isento o suficiente para atestar credibilidade. Você, leitor amigo e fiel, é quem define o grau de importância deste espaço e suas consequências diante das possíveis oportunidades[bb]. A credibilidade, assim como o sucesso, é algo relativo e subjetivo.

Leia, ignore se não for de seu interesse ou acesse se achar interessante.
De novo, a hipocrisia. Muito dos produtos que você tem em casa e consome, o faz porque o conheceu através de propaganda, mídia interativa ou marketing direto. No entanto, condicionado pelos anos diante destas massivas campanhas, não reclama, não questiona. O surgimento dos banners também passou por este receio demonstrado diante das resenhas pagas e, no entanto, sobrevive. Se funciona, é outra história. Por hora, que tal deixarmos de lado a confortável posição de críticos do novo? Que tal participar do debate de forma mais produtiva, criando alternativas viáveis para a solução da questão?

De repente o artigo patrocinado é um tiro no pé, uma iniciativa furada. De repente não é.
Como sabe, gosto muito de escrever. Mais ainda de discutir e aprender. Assim, confesso estar motivado a seguir por mais diversas linhas, mas o bom senso e a sua paciência me impedem. Portanto, sendo objetivo, acredito que haja uma saída. Será que estamos, todos os que chegaram até aqui, dispostos a doar R$ 5 ou R$ 10, todo mês, para manter um espaço como este que lhes apresento? Quanto de seu tempo você doa aos outros e para os outros? Sem nenhuma vergonha levanto a questão, porque sem ela não saberia debater a necessidade de dinheiro como ferramenta de negócios. Afinal, você só paga por um serviço ou produto que lhe agrega valor.

A opção de contribuição está viva diante do formulário de contato e da página de créditos. Não reparou? Infelizmente, ela tem servido mais de ferramenta social que de incentivo financeiro. Que hipocrisia de minha parte dizer que não há problema e que ainda assim fico satisfeito e motivado a seguir firme em frente. Que hipocrisia de sua parte dizer que não tem R$ 5 para nos ajudar. Será que falta esforço de nossa parte para que haja geração de valor nos artigos que publicamos por aqui? Será que a sensação de valor banalizou-se tanto, que mal consigo enxergá-lo? Repare como ainda precisamos crescer e quanto ainda se pode fazer por aquilo que prezamos e que nos traz alegria e conhecimento.

Certamente, não estou fazendo o suficiente. Este espaço pode e vai melhorar. Prometo aprender mais, ajudar mais. Peço de todos o mesmo empenho e comprometimento em criar alternativas inteligentes (e simples) para que iniciativas como essa não morram apenas por falta de consideração e hipocrisia. A questão do artigo pago é apenas a fagulha. Torço para que a discussão o leve através de uma extensa reflexão sobre o papel dos blogs diante da sociedade. Eu, ciente da necessidade de melhorar e satisfeito por ter mantido minha postura e transparência, fico por aqui. Um abraço.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários