Brasil e seus movimentos para conter a criseAlém da comum dúvida sobre a chegada ou não da crise financeira no Brasil, outros questionamentos vêm sendo realizados por vocês, nossos fiéis leitores: como o Brasil está se preparando, enquanto nação, para a chegada dos efeitos colaterais deste tufão financeiro internacional? Já concordando com a afirmação de que tais efeitos serão sentidos também aqui, será que o governo tem tomado atitudes inteligentes[bb] para evitar estragos maiores?

As respostas não completamente animadoras, mas trazem tom de “estamos preocupados e agindo”, discurso um pouco diferente daquele proferido algumas vezes pelos porta vozes do governo. A equipe econômica, capitaneada principalmente pelo presidente do Banco Central Henrique Meirelles desde o inicio da crise, se mexe para conter eventuais efeitos da crise no Brasil.

Quais as medidas tomadas até agora?
Para muitos, fica a impressão de que nosso governo não tem agido de forma intensa para evitar problemas locais, o que não é uma verdade completa. Discute-se, principalmente na mídia especializada, a eficácia de certas medidas, mas não se duvida da capacidade de ação de nossa atual equipe econômica. A equipe econômica brasileira não está de braços cruzados.

Listo abaixo as principais medidas adotadas pelo governo, desde 19 de setembro – quando o banco Lehman Brothers quebrou:

  • Nessa data, o Banco Central promoveu um leilão de US$ 500 milhões, com o compromisso de recompra em 30 dias. O leilão serviria para, nesse tempo, garantir dólares para as empresas exportadoras;
  • Em 1º de outubro, o Banco do Brasil antecipou para o mercado agrícola R$ 5 bilhões;
  • Em 2 de outubro, o BC anunciou a redução do compulsório (valor diário que os Bancos são obrigados a enviar ao BC) com a expectativa de injetar R$ 23,5 bilhões na atividade econômica – para os bancos grandes que comprassem parte das carteiras de crédito dos bancos pequenos;
  • Nas primeiras horas do dia 6 de outubro, ficava claro que o dia entraria para a história do mercado financeiro. O dólar ultrapassou os R$ 2,15 e a bolsa despencou 15% durante o dia. O Banco central realizou um leilão de swap cambial, injetando US$ 1,468 bilhão no mercado financeiro. A operação de swap é usada para proteção contra a alta do dólar;
  • Nesse mesmo dia, o BNDES disponibilizou linha de crédito para exportações em mais US$ 5 bilhões. O Presidente Lula assinou uma medida provisória concedendo maiores poderes ao BC;
  • No dia 7 de outubro, o BC realizou mais leilões de swap cambial e vendeu mais dólares, com compromisso de recompra. Ao todo, foram injetados no mercado US$ 1,359 bilhão e US$ 2,059 bilhões nessas operações;
  • No dia 8 de outubro, o dólar chegou muito perto de R$ 2,50. O BC decidiu utilizar as reservas internacionais para conter a alta da moeda – registre-se que esse tipo de leilão não ocorria desde fevereiro de 2003. Durante o dia, novas operações de swap foram realizadas, levando o dólar a R$ 2,28;
  • Ainda no dia 8 de outubro, o ministro da Fazenda Guido Mantega, atual presidente do G-20, convocou uma reunião na sede do FMI, nos EUA, para discutir a crise. Novas mudanças foram anunciadas na regra dos empréstimos compulsórios e mais R$ 23,2 bilhões entraram na economia;
  • Os dias 9 e 10 de outubro foram marcados por mais leilões de swap e venda de dólares da reserva cambial;
  • No dia 13 de outubro surgiram mais mudanças no compulsório, com conseqüente liberação de R$ 47,1 bilhões.

Hoje, o presidente Lula assinou a medida provisória que autoriza os bancos públicos Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil a comprarem participações em instituições financeiras (incluindo bancos de Investimentos, seguradoras, instituições previdenciárias, empresas de capitalização e etc.) no país, sem passar por processos burocráticos, como licitações. O portal Infomoney traz, também, uma ótima cronologia da crise.

O governo se mexe e abraça o plano Gordon Brown
O que fica evidenciado é a disposição do governo em tentar contornar os possíveis efeitos colaterais da crise no país. Se, por um lado, sinaliza que o país não está imune à crise, de outro evidencia que o governo trabalha com diversos instrumentos e ferramentas a fim de garantir liquidez e confiança ao mercado. Tem gente séria trabalhando para sustentar nosso crescimento, o que é fundamental para restaurar a “simpatia” (leia-se dinheiro) dos investidores[bb] nacionais e internacionais.

A medida provisória assinada por Lula é uma adesão ao plano do primeiro ministro britânico Gordon Brown, considerado personagem principal da crise por lançar um plano bastante discutido pelos especialistas. Nele, o governo toma participação nas instituições financeiras, garantindo a confiança dos investidores com milhões de euros e libras. Vale lembrar que os Estados Unidos aderiram a essa ação e tentam seguir pelo mesmo caminho. Até a próxima.

——
Ricardo Pereira é consultor financeiro, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários