O cidadão brasileiro e o desinteresse pela políticaSempre observei um persistente desinteresse de empresários e dirigentes empresariais sobre os assuntos políticos. Refiro-me à política tradicional. Aquela mesma, a de Brasília, dos estados e municípios. Os argumentos para o distanciamento são sempre os mesmos e, em sua maioria, remetem à insistente corrupção[bb], ao rocambolesco repertório, à eterna “lenga lenga” sem resultados concretos e por ai vai.

Sem dúvida alguma, são argumentos críticos mais do que legítimos. Existe, sim, engajamento nas questões socioambientais, ora por genuíno interesse e preocupação, ora por conta dos posicionamentos de marca e cuidados com a imagem. Existem também as legítimas contribuições para campanhas políticas.

Mas confesso que nesse aspecto nado contra a corrente e defendo o envolvimento político como caminho de sobrevivência e alguma preservação.

Preservação das mínimas condições para uma sociedade livre; preservação e resgate de valores caros que não desejamos que sejam esquecidos (considerando que muitos deles já foram liquidados); preservação (e talvez conquista) do mínimo de espaço e voz ativa nos destinos desse país enorme que mantemos com o nosso trabalho, sacrifício e disposição ao risco.

A ciência política e a história (que sempre se repete) ensinam que a omissão pavimenta o caminho do absurdo, da barbárie e dos descaminhos. Ensinam ainda que o conforto fútil e a falsa sensação de inabalável prosperidade[bb] podem anestesiar e inibir os necessários enfrentamentos e conflitos tão ricos ao amadurecimento.

Acomodados, anestesiados e infantilizados pela falta de conflitos, nos tornamos uma massa fácil de ser conduzida e controlada.

Não defendo ânimos acirrados, nem a desconfiança (Juscelino Kubitschek dizia que “uma sociedade desconfiada é facilmente manejada”), mas anseio por maior participação, vigilância, senso crítico e combate à omissão.

Se com tudo isso você ainda não se convenceu da importância de participarmos da vida política do nosso próprio país, sugiro que leia a lista que publico abaixo com alguns bons motivos para tal:

  • A arrasadora e crescente carga tributária, acompanhada de total falta de contrapartida em benefícios públicos;
  • A antiquada legislação trabalhista;
  • O ambiente jurídico de absoluta insegurança;
  • A falta de incentivos para pesquisa e desenvolvimento;
  • A brutal desqualificação da mão-de-obra, resultando nos robustos (mas muitas vezes insuficientes) investimentos empresariais em capacitação e treinamento;
  • O crescente predomínio de alguns grupos e sociedades de classe (com ativa participação política) que preconceituosamente observam os empresários como inimigos a serem suportados e eventualmente combatidos;
  • A forte e resistente burocracia cartorial;
  • A instabilidade das regras institucionais;
  • Os investimentos em infraestrutura muito mais presentes em peças de marketing do que na vida real;
  • As reformar estruturais (Política, Previdenciária e Tributária) que aguardamos desde o início dos anos 90;
  • O alardeado (mas inexistente) combate à crescente corrupção;
  • O combate efetivo à criminalidade pouco observado no cotidiano comum, mas muito presente nos roteiros cinematográficos e em ações com forte objetivo midiático.

Esses são apenas alguns bons pretextos para um maior engajamento dos cidadãos. Há muito a ser feito e boa parte das mudanças depende também de nós. Ao tomar a sua decisão, pense na frase de Martin Luther King: “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons”. Até a próxima.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Plataforma Brasil
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários