O consumo consciente pode fazer muita diferençaDurante nossas conversas sobre educação financeira[bb], algumas verdades indiscutíveis são pronunciadas de boca cheia, mas que pouco influenciam o dia-a-dia de muitos de nossos amigos e familiares. Por exemplo, quem não sabe que reter dinheiro é o passo fundamental para se alcançar a independência financeira? E a prática, como fica? E o exemplo e a vontade de passar adiante tal atitude?

Pois é, reter dinheiro é tudo! Mas a abordagem do texto de hoje será diferente – e mais uma grande promoção em parceria com o Instituto DiSOP começa a valer. Imagine a quantidade de dinheiro já passou em suas mãos durante todos esses anos. Consegue mentalizar quanto de grana já viu circular em suas atitudes e decisões? Ora, todos os dias precisamos mexer com dinheiro e é essa a troca natural que faz a economia girar.

Agora pense nesta pergunta: De todo este dinheiro que andou perto de você, quanto você reteve? Nada? Quase nada? Pouco? Já diz a canção que “dinheiro na mão é vendaval”. Mas por que? Como sempre frisamos, as pessoas não constroem sonhos e objetivos para o dinheiro que têm. Assim, o caminho mais lógico e prazeroso é “torrar”.

Sabedora dessa debilidade nacional, a publicidade insiste em criar sonhos de curto prazo, embutindo em nossas mentes a necessidade de um celular[bb] mais novo ou de um carro igual ao do mocinho da novela. Logo, quem criou esse objetivo para o seu dinheiro? Alguém, mas não você. E, em muitos casos e por muito tempo, você nem percebe. Quantos se dedicam a analisar friamente a renda e o padrão de vida que possuem e utilizar o controle e planejamento financeiro para se preparar? Poucos.

Não se trata de ser ou parecer avarento ou aquele que não aproveita as coisas boas da vida, mas simplesmente de encarar  o dinheiro como meio, e não como fim. É fato que quando aprendemos a lidar com o dinheiro realizamos nossos sonhos e vontades com maior tranqüilidade.

Como juntar dinheiro?
A primeira coisa a fazer é destinar parte de sua renda mensal para realização de seus objetivos – e novamente insisto neste ponto. Seu dinheiro[bb] não pode ser totalmente utilizado para o pagamento de dívidas: reserve pelo menos 10% de suas receitas para os sonhos e então passe a adequar seu orçamento ao seu padrão de vida.

Lembre-se seu salário não é o que está registrado em sua carteira, afinal existem impostos que precisam ser descontados. Isso significa que você deve se atentar ao valor líquido que recebe. Mais, se o padrão de vida se mostrar fora de controle, não deixe de poupar para os sonhos. Prefira sair da zona de conforto e rebaixar, ainda que por tempo limitado, seu nível de vida. Humildade sempre.

A realização dos sonhos através da adequação financeira é o caminho natural da independência financeira. Gosto bastante da planilha de orçamento mensal criada pela equipe do Instituto DiSOP porque garante espaço para o apontamento e controle dos objetivos antes das dívidas, valorizando a realização de sonhos. O download pode ser feito diretamente a partir do site do Instituto.

Ainda pensando no orçamento, nas tarefas para que possa juntar, não se esqueça de fazer uma lista com suas necessidades básicas do mês, o que evita as compras por impulso. Já parou para pensar quanto de dinheiro desperdiça todos os meses ao comprar alimentos que estragam e/ou que ninguém consome? Aliás, você realmente consome tudo o que compra?

E os gastos de ordem consumista?
Atitudes financeiras inteligentes vão de encontro ao consumo consciente dos meios naturais. Banhos de 15 minutos, diversos aparelhos eletrônicos ligados ao mesmo tempo e torneira ligada enquanto escova os dentes ou quando faz a barba são atitudes típicas do desperdício que passa despercebido. E isso custa.

Você realmente precisa pagar mais completo de TV a cabo? Pense bem! Que tal um plano mais simples? Só o ato de ligar para sua operadora para mudar de plano já lhe garantirá, no mínimo, um bom desconto. Comece a negociar mais! Claro, esses são apenas alguns exemplos. Existem muitos outros! Descubra o seu problema e ataque-o, sempre pensando na necessidade de economizar e pagar-se primeiro – alimente e realize seus sonhos.

Super promoção do dia
Quem relatar a melhor prática de consumo consciente, aqui mesmo no espaço de comentários deste artigo, mostrando de fato quanto essa ação resultou em uma economia e recursos para a independência financeira[bb] ganhará o Curso Prático de Educação Financeira a ser realizado pelo Instituto DiSOP em São Paulo no dia 14/02, com direito a certificado, um livro autografado pelo terapeuta financeiro Reinaldo Domingos e um almoço ao meu lado e também com a presença do Conrado Navarro – com tudo pago.

Recapitulando, o curso e o almoço serão dia 14/02, um sábado, com o curso prático sendo realizado das 8:30h as 12:30h e o almoço das 13:00 as 14:00. Concorrerão as pessoas que deixarem suas respostas até o dia 03/02 – a melhor resposta será escolhida pelos editores do Dinheirama com a equipe do DiSOP. O resultado será divulgado dia 04/02 e o vencedor ou vencedora deverá confirmar a participação até o dia 09/02. Participe!

——
Ricardo Pereira é educador financeiro e palestrante credenciado pelo Instituto DiSOP, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários