O deslumbramento financeiro causa dependência (e dívidas)Renato comenta: “Navarro, sou médico recém-formado e estou vivendo uma situação angustiante. Depois de mais de seis anos estudando muito, tenho possibilidades de trabalhar em plantões e chego a tirar mais de R$ 10 mil por mês com relativa facilidade. Comprei carro esporte, viajei, estou curtindo muito, mas tenho que planejar minha residência (período em que ganharei pouco). Estou deslumbrado, mas ansioso porque sei que eu mesmo estou atrapalhando meus sonhos. E agora?”.

Embora seja um passo muito mais relacionado aos hábitos que à condição familiar, equilibrar desejos de consumo e necessidades de planejamento não é uma decisão simples de se colocar em prática. Fatores como educação, meio, relacionamentos, desejos represados e expectativas sociais costumam ser mais decisivas em nosso roteiro de consumo que o bom senso e a lógica.

Leve em conta um país recém-alçado à condição de “país com demanda interna sustentável” e você verá cada vez mais famílias “tirando o atraso” em relação ao consumo e à desigualdade social medida por bens e aparências – o que, diga-se, é legítimo e compreensível, embora financeiramente duvidoso.

Jovens são mais suscetíveis às pressões sociais
O contexto atual brasileiro, de economia previsível e sem inflação, cumpre papel de destaque na nova realidade econômica dos nossos jovens. A possibilidade de qualificar-se e as oportunidades do mercado de trabalho (nosso desemprego é de apenas 6%) criam condições ideais para a satisfação de desejos de consumo.

Acontece que jovem também é sinônimo de aprendizado, imaturidade, e muitos são os que criam compromissos financeiros maiores que suas capacidades e acabam por figurar como inadimplentes em muitas pesquisas. Os jovens são, de longe, os que têm mais problemas com o endividamento excessivo, principalmente em decorrência das expectativas dos outros e sua necessidade de “fazer parte” do grupo onde está inserido.

Em outras palavras, quanto mais a renda aumenta, maior fica a demanda por comprovações sociais de pertencimento: a compra do carro, a troca do celular, a roupa da moda, os hábitos emulados dos ídolos, tudo isso representará despesas correntes cada vez maiores e mais profundas.

O deslumbramento causa dependência
O exemplo do médico é, de certa forma, emblemático. Ainda jovem, ele tem a possibilidade de ganhar muito dinheiro com plantões, mas precisa confrontar essa realidade com o sonho de especializar-se em sua área de interesse. O dilema toma proporções alarmantes à medida que o médico decide usufruir plena e materialmente de seus recursos.

A elevada renda permite extravagâncias típicas dos jovens: comprar carros importados (esportivos, SUVs etc.), frequentar lugares caros e exclusivos (restaurantes, casas noturnas, shows etc.), viajar e por ai vai. A “vida perfeita”, qualquer jovem há de concordar. Será? O deslumbramento, no entanto, causa alguns efeitos interessantes:

  • Torna tudo isso cada vez mais banal, na contramão do que pensava o jovem quando decidiu exagerar. O carrão foi comprado “porque era possível comprá-lo e assim o sonho seria realizado”. Não funciona assim; logo o desejo por outro carro ainda mais exclusivo vai aparecer e ser a razão de tudo;
  • Cria a falsa sensação de poder, na medida em que gera barreiras materiais claras entre o abençoado jovem rico e seus pares mais simples. A sensação é falsa simplesmente porque o ciclo é resumido pelo item anterior: aos olhos dos outros, o jovem é bem-sucedido, “tem tudo”; no íntimo, ele vive angustiado, querendo mais e mais;
  • A ansiedade do deslumbramento desvia o foco das questões essenciais para o momento da carreira. O que fazer a seguir? Será que vou conseguir viver sem esse padrão de vida? Repare que não há nenhum julgamento de certo ou errado, apenas consequências de decisões tomadas. A angústia paralisa o jovem, que frequentemente precisa de ajuda para seguir a partir deste marco.

Despesas fixas e despesas variáveis
Repare que tudo aquilo que se ostenta pode, em certo momento, se tornar o problema que nos impede de crescer e ter ainda mais destaque. Essa conclusão é importante, porque temos a impressão de que atingir tais metas materiais significa ser atingir o sucesso. A questão, como é possível debater, é muito mais subjetiva e pessoal que definitiva.

A questão central, no entanto, não diz respeito ao padrão de vida em si, ao que se pode consumir com tanto dinheiro ou à renda em determinada idade. O que vale é como empregamos o dinheiro diante de duas análises objetivas:

  • Despesas fixas, ou todos os compromissos financeiros assumidos e contabilizados como de médio e longo prazos. Comprar um carro financiado em três, quatro anos implicará um pagamento mensal razoável durante todo esse período. Despesas com moradia, água, luz etc. também são frequentemente encontradas nesta categoria;
  • Despesas variáveis, ou responsabilidades assumidas sem base frequente e que tem seus valores diferentes de um mês para o outro. O lazer, entremeado de saídas noturnas, viagens e alguns hobbies, é o exemplo perfeito para ilustrar esse item do orçamento.

Engessar o consumo compromete o padrão de vida
Observe seu controle financeiro e procure identificar onde está a maior parte de seus gastos. Você gasta mais com as despesas fixas ou variáveis? O ideal é ter o menor número (e menor valor) de despesas fixas, enquanto gerencia muito bem as despesas variáveis – não adianta apenas criar uma categoria “Outros” ou “Diversos” e lançar tudo lá.

Esse simples exercício já foi motivo de muita discussão entre meus amigos. De forma geral, o orçamento dos jovens deslumbrados normalmente apresenta duas falhas graves:

  • Bens de consumo duráveis, caros e com grande depreciação, geram despesas fixas elevadas. A prestação do carro esportivo e a decisão de morar em um bairro elitizado comprometem a renda mensal e criam uma barreira mental contra uma eventual necessidade de redução do padrão de vida. Como pagar as parcelas e despesas do Hyundai Veloster se a receita vai cair para quase zero no período da residência médica?
  • Cada vez mais, despesas variáveis se tornam despesas fixas, quando o ideal seria o contrário. As saídas frequentes, as viagens, os hobbies cada vez mais caros, tudo isso passa a contar muito no orçamento mensal. Ainda que apenas mentalmente, a contabilidade para tudo isso passa a ser enraizada no orçamento e tais gastos passam para a categoria das despesas fixas.

As “coisas” não são quem você é!
Ou seja, a elevada receita causa bem-estar material imediato (o tal deslumbramento), mas gera um orçamento pesado e cada vez mais exigente. Utilizando o conceito de “profissão escalável”, lançado pelo escritor Nassim Taleb, autor do excelente livro “A Lógica do Cisne Negro”, isso significa que você terá que trabalhar cada vez mais para sustentar a alta dos gastos; e quanto mais trabalhar, mais vai querer possuir e provar.

O conceito também é apresentado por Robert Kiyosaki, autor de “Pai Rico Pai Pobre”, como “Corrida dos Ratos”. O deslumbramento, então, começa a se transformar em dívidas cada vez maiores e cujo único objetivo é sustentar sua posição social e profissional (e não completar suas lacunas pessoais e familiares). É divertido, mas cansa e custa caro.

Em termos financeiros, despesas fixas cada vez maiores somadas a despesas variáveis sem controle geram uma realidade financeira angustiante. Do ponto de vista social e emocional, esse deslumbramento cria dependência total do trabalho (receitas maiores) e dos outros (é preciso que haja plateia).

Mas como fica o que você realmente é e quer? No caso do nosso amigo médico, como fica a especialização (residência)? Pois é, o assunto é bem polêmico e repleto de opiniões fortes. Mexer com quem acha que o dinheiro pode comprar tudo é sempre um desafio. Espero ter contribuído de forma enriquecedora para com o debate.

E você, o que acha disso tudo? Deixe seu comentário abaixo ou fale comigo no Twitter: @Navarro.

Foto de sxc.hu.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários