O drama da disciplina e dos objetivos financeirosFalamos essa semana sobre planejamento e estratégias para alcançar um objetivo[bb] e aproveitar determinadas oportunidades, você se lembra? Pois é, estou definitivamente convencido de que esta é a única maneira de passar por momentos de crise sem “grandes” sobressaltos. Planejar e é preciso!

Ok, acho que de certa forma todos concordamos com essa afirmação. Mas, além da falta de planejamento, o que, por si só, já dá calafrios, muitos partem para a ação sem ao menos ter um objetivo financeiro claramente estipulado. Nem sequer sabem defini-los ou trabalhar seus prazos e necessidades.

Estranho? Sim, sem dúvida, mas muito comum. Poucas pessoas sabem exatamente o que querem da vida (eita chavão hein?). A maioria simplesmente vai levando a vida conforme os acontecimentos do dia-a-dia. Vão levando, levando e levando. Alguém se arrisca a apontar os amigos que já sabem onde querem chegar no médio e longo prazos e que, por isso, já estejam agindo (agora) para que o futuro se realize?

Comprar uma casa, fazer um MBA, trocar de carro e viajar são bons objetivos. São bons exemplos, que podem se tornar realidade desde que sejam buscados e trabalhados de maneira organizada, inteligente e planejada. Educação financeira[bb] não é só entender as siglas e jargões da área. Incrivelmente, tudo começa com um simples objetivo.

Objetivo? Por que?
A falta de objetivos transforma o investidor em uma simples “máquina de poupar”, o que implica no hábito de não perseguir rentabilidades maiores, investimentos[bb] mais sofisticados ou a reavaliação constante de sua carteira ou cesta de aplicações.

Isso é perigoso! Para quem está nessa situação, a caderneta de poupança, por exemplo, pode ser sinônimo de bom investimento, mesmo que a realidade e a economia mostrem que existem opções melhores lá fora. É simples: quando não existem objetivos, não existe o desejo de buscar um prêmio de risco. Isso mesmo, quando não temos objetivos, raramente nos arriscamos.

A organização é fundamental para encontrar e fundamentar bons objetivos. Aqueles pouco organizados e que ignoram a disciplina jamais terão metas a cumprir, já que a certeza do insucesso se apresenta como incentivo necessário para a desistência. Li certa vez que desistir de mudar é mais fácil do que decidi mudar. Fiquei encabulado!

Quem não tem um objetivo, repito agora com palavras um pouco mais duras, sempre estará à margem do sucesso e dos vencedores. Se contentará com o óbvio, evitará quebrar regras e não contestará nada, nem ninguém. Será mais um. Deixando a veia dramática de lado, não é isso que queremos para nós, certo?

Até porque, em um belo dia, este se dará conta de quanta diferença um objetivo poderia fazer entre o que ele conquistou e tudo o que poderia ter conquistado. Pois, convenhamos, até o fracasso é previlégio daqueles quem tem objetivos. Eles fracassam tentando crescer, mudar. E crescem. Isso é, acima de tudo, sinal de sucesso[bb].

O papo está filosófico demais?
Calma, é proposital. Quero chamar sua atenção para este momento especial – de crise, mas com algumas oportunidades. Quem se estrutura, certamente vive uma crise sendo capaz de sair dela mais preparado do que quando entrou.

Por último, uma reflexão bem direta: muitos choram e maldizem o mercado de ações[bb], mas o que eles esperavam de um mercado de risco? Ah, sim, crises são cíclicas. Um pouco do estudo básico prévio sobre o mercado de capitais já seria suficiente para que aventureiros desavisados pensassem em um plano B.

As recentes baixas são significativas, mas não representam o fracasso. Outros que possuem objetivos e um bom planejamento sabem que é um momento de forte correção, mas percebem as condições de uma retomada gradual e consistente já no médio prazo.

Porque, no final das contas, não se trata de tentar enxergar a luz no fim do túnel – como muitos tentar fazer -, mas sim de manter a tranqüilidade para continuar trabalhando por seus objetivos e para renová-los ao largo de sua concretização. Bom final de semana! Aproveite para mentalizar bons e novos objetivos. Agora!

——
Ricardo Pereira é consultor financeiro, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários