O FGTS e a capitalização da PetrobrasAntonio comenta: “Os jornais e comentaristas de TV disseram que há uma possibilidade de que trabalhadores possam usar parte do FGTS para comprar ações da Petrobras. Isso já é fato? O que precisamos saber sobre isso para poder tomar partido nesta oportunidade? Gostaria de conhecer os detalhes sobre a questão para poder saber o que fazer. Muito obrigado”.

Há muito tempo se discute a possibilidade de o trabalhador investir parte de seu FGTS em ações da Petrobras. A verdade é que tal chance não ganhou a simpatia do governo. A saída para o impasse só surgiu com a nova capitalização a ser realizada pela gigante brasileira do petróleo, que é parte das ações destinadas à exploração da camada do pré-sal. Discutiremos neste texto as mudanças propostas e o desenrolar da história até o presente momento.

Capitalização? Como assim?
Para crescer e fazer investimentos[bb], toda e qualquer empresa precisa de capital. Logo, capitalização é o processo que caracteriza a emissão de novas ações por parte de uma empresa com a finalidade de levantar dinheiro. De acordo com o projeto aprovado na terça-feira, a União está autorizada a vender à Petrobras, sem licitação, o direito de explorar até 5 bilhões de barris de petróleo e gás natural em áreas ainda não concedidas da camada do pré-sal.

Para pagar a União, investir em infraestrutura, exploração e contratação de pessoal, a Petrobras precisa de dinheiro. Alguns especialistas avaliam que  o valor da emissão pode chegar a US$ 75 bilhões. Em suma, a capitalização significa ter mais dinheiro para investir em projetos da companhia voltados para o pré-sal.

Situação do projeto
Por enquanto, o projeto foi aprovado apenas na Câmara – o que já foi considerado um grande passo. O trâmite normal ainda exige que ele seja aprovado no Senado e então sancionado pelo presidente Lula. De forma resumida, as características da proposta até então são:

  • Os trabalhadores que compraram ações da Petrobras com recursos do FGTS em 2000 poderão novamente adquirir ações[bb] da capitalização usando dinheiro do Fundo;
  • O limite autorizado para compra das ações é de 30% do saldo em conta no Fundo. A compra de ações não poderá exceder o capital que o trabalhador já tem investido na empresa;
  • Só poderão comprar ações e participar da capitalização aqueles que ainda não venderam seus ativos adquiridos em 2000;
  • O resgate só poderá ser feito depois de ao menos 12 meses, quando então passam a valer as regras de resgate do FGTS. Não haverá cobrança de Imposto de Renda.

Interesse na Petrobras? Vale a pena?
Na prática, serão poucos os investidores[bb] que irão se enquadrar nas regras estabelecidas e que, portanto, poderão participar da capitalização usando recursos do FGTS. Ainda assim, cabe ressaltar que dada a pífia rentabilidade de 3% do FGTS, a possibilidade apresentada pode ser tentadora.

As ações da Petrobras estão oscilando e prometem volatilidade elevada no curto prazo, mas os horizontes podem ser interessantes se levarmos em conta que a gigante estatal quase não tem concorrência. A matemática neste caso parece bem simples: ainda que as ações ofereçam riscos e as incertezas continuem por algum tempo, é quase certo que os rendimentos serão maiores que os encontrados na média do FGTS, que perde sempre para a inflação do período.

Crédito da foto para stock.xchng.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários