MBA Barsi
MBA Barsi
Home Economia e Política O futuro da Taxa Selic e a economia brasileira

O futuro da Taxa Selic e a economia brasileira

por Ricardo Pereira
0 comentário

O futuro da Taxa Selic e a economia brasileiraOntem, dia 09/12, na última reunião do Conselho de Política Monetária (Copom), assistimos à manutenção da taxa básica de juros – Taxa Selic – em 8,75% ao ano.  A sustentação do patamar era esperada pelo mercado, sendo aprovada por unanimidade na reunião. Entretanto quando mudamos o cenário e procuramos enxergar alguns meses à frente, o bom senso, a prudência e as demonstrações de rigor realizadas até hoje (desde o inicio do atual governo) levam a crer que haverá uma tendência de alta na taxa.

Ao final da reunião de ontem, o seguinte comentário foi feito pelas autoridades presentes:

“Tendo em vista as perspectivas para a inflação em relação à trajetória de metas, o Copom decidiu manter a taxa Selic em 8,75% a.a., sem viés, por unanimidade. Levando em conta, por um lado, a flexibilização da política monetária implementada desde janeiro, e por outro, a margem de ociosidade dos fatores produtivos, entre outros fatores, o Comitê avalia que esse patamar de taxa básica de juros é consistente com um cenário inflacionário benigno, contribuindo para assegurar a manutenção da inflação na trajetória de metas ao longo do horizonte relevante e para a recuperação não inflacionária da atividade econômica”

O aquecimento da economia pode representar um perigo real ao principal trabalho do Banco Central, que é o combate sistêmico à inflação. O BC inclusive divulgou, em relatório sobre a inflação no terceiro trimestre, uma observação dando conta do possível aumento nos preços em 2010. Neste sentido, espera-se que o valor de 8,75% seja mantido até meados do ano que vem, saltando para um patamar próximo de 10% a partir do segundo semestre.

MBA Barsi 06/02/2024

Eleições e os reflexos na tomada de decisão
Existem alguns detalhes que podem influenciar a tomada de decisão sobre qual será o caminho que a política monetária irá seguir e o principal fator parece ser político, afinal 2010 é ano de eleições. Mesmo com o cenário e a perspectiva de alta, tudo leva a crer que serão para pequenos ajustes – alguns arriscam que a Selic chegará a 10,25% no final de 2010.

Cabe salientar que a maioria dos analistas acreditam que o grande “problema” seja o ano de 2011. As tarifas públicas que sofrerão reajuste em 2010 estão sobre controle, mas um problema com  o grupo de alimentos. Além disso, a competição e o Real valorizado sugerem que as importações serão uma outra novidade freqüente – e isso já será percebido neste Natal. As prateleiras já estão repletas de importados[bb] a preços muito competitivos.

Crescimento econômico versus inflação
A história é a mesma do inicio de 2008: mais pessoas consumindo e a produção mantendo o mesmo padrão de produtividade. São as chamadas “dores do crescimento”. Lembre-se que o Brasil e boa parte dos países em desenvolvimento conseguiram elevar o padrão de vida de sua população – a classe média nunca esteve tão grande e o consumo explodiu.

Importante pensar se a tendência para o próximo ano é de alta dos juros. Como vimos, deve ser. Mas, se aumentarmos ainda mais o tempo da análise, a realidade[bb] se inverte e a tendência é que ciclos curtos de alta se contraponham a ciclos grandes de baixa nos juros. Trata-se da realidade oriunda da estabilidade econômica: o remédio pode ser amargo, mas quando necessário, e se bem administrado, faz um bem enorme.

Como sempre, basta saber se a dose será correta, mas isso só iremos descobrir no decorrer de 2010. Até a próxima.

Crédito da foto para stock.xchng.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Faça parte da rede “O Melhor do Dinheirama” com as melhores análises e notícias

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.