O pão-duro, o esbanjador, o empreendedor e o dinheiroRegina diz: “Navarro, nem sempre é fácil definir nossas próprias reações quando o assunto é dinheiro, o que é assustador. Pensando nisso, passei a observar melhor os materiais, artigos e livros publicados sobre o tema. Pois bem, é comum notar alguns autores que gostam de descrever seus modelos e perfis das pessoas e ligá-los às atitudes de seus clientes e leitores. Por perfil entenda a relação entre as atitudes de uma pessoa e seu dinheiro. Suponho que você também mantenha alguns perfis em seu trabalho. Estou certa? Pode compartilhar sua visão e algumas dicas neste sentido? Obrigada”.

O interessante sobre dinheiro[bb] é que, de um jeito ou de outro, mais hora, menos hora, ele é razão de reflexão. Alguns pensam sobre o que fazer com o dinheiro poupado ou arduamente economizado. Outros param para avaliar a situação só quando a grana já não é suficiente para dar asas aos seus desejos mais loucos. Entre estes dois perfis existem muitas variáveis e inúmeras atitudes essencialmente previsíveis.

Interessante porque assumimos diferentes personalidades diante do dinheiro. Embora nem sempre tenhamos a coragem de admitir, muitas atitudes são divergentes do considerado racional. Se temos mais do que o usual, tendemos a agir de forma diferente. Se falta, pensamos de outra forma. Interessante, porque tudo depende.

Perfis e personalidades
Deste universo de reações surge a necessidade de criarmos alguns modelos, cujos objetivos são: 1) facilitar a identificação por parte do leitor; e 2) alertá-lo para a necessidade de mudança. Mas não se trata de engessar o comportamento ou tentar limitá-lo através de simples definições. O objetivo é pautar a discussão e permitir auto-reflexão. Com este objetivo, peço licença para deixar minhas impressões sobre certos “tipos”:

O pão-duro
Esqueça o sentido pejorativo ou a piada. Gosto de usar esse nome porque ele é rapidamente assimilado e interpretado. A verdade é que eu adoro os pão-duros, pessoas inteligentes e com excelente capacidade de planejamento. Com ótimo bom senso, o pão-duro é capaz de manter-se dentro de seu plano mesmo em tempos de crise ou de euforia extrema.

São ótimos em economizar e planejar, mas não costumam ser bons em investir e arriscar. São conservadores demais. Evitam alternativas de investimento[bb] que exigem conhecimento mais aprofundado, optando pelas aplicações tradicionais cujos conceitos foram passados por seus pais e(ou) familiares. Investem bem para o curto prazo, mas não aproveitam o tempo para buscar retornos mais interessantes para o futuro mais distante.

O esbanjador
O oposto do pão-duro. Figura comum especialmente entre os mais jovens e nos meios onde o fluxo de caixa mensal é vultoso. Sempre existem figuras assim onde paga-se muito bem. Mas não pense que trata-se do esbanjador que gosta de se mostrar em busca apenas de aprovação social. Em essência, ele gosta de viver muito bem, mesmo que isso signifique não poupar nada e não pensar no futuro.

São ótimos em investir e arriscar, mas não o fazem com disciplina e planejamento. Arriscam-se na bolsa, mas não para colher os frutos também no longo prazo. São investidores[bb] por natureza. Investem em si, em sociedades e formação de empresas, projetos mirabolantes, mesmo que nenhuma análise de riscos tenha sido conduzida. Ah, sim, muitos atingem sucesso nesta ciranda, mas comumente voltam ao ponto de onde começaram.

O empreendedor
Prevalece o eqüilíbrio, a capacidade de agir conforme a situação. Soa como um clichê, é verdade, mas o empreendedor[bb] reúne as principais qualidades do pão-duro e do esbanjador, sabendo usá-las com mais parcimônia e inteligência. O empreendedor valoriza o poder do dinheiro, mas também usa o tempo e as variáveis econômicas para tomar decisões.

Portanto, economizar, planejar, investir e arriscar são atividades presentes na vida de um empreendedor. Conhece alguém com este perfil? Quanto ele é capaz de conquistar e construir? Claro, empreendedores também têm defeitos, mas sua atitude diante deles é diferente. Eles preferem investir esforços naquilo que fazem bem e procuram especialistas para preencher eventuais lacunas de sua formação. Funciona.

Tratar das diferenças entre cada um dos exemplos aqui citados é apenas uma maneira de encorajar as pessoas. O objetivo é fazê-lo rever seus conceitos e atitudes diante das finanças. Identificar-se com um dos grupos significa reconhecer que você é um ser humano como outro qualquer, mas agir diante das conclusões que a reflexão pode trazer é o que realmente importa.

As poucas palavras do texto não podem ser tomadas como guia. Use-as como pontapé inicial para algumas perguntas e respostas que transcendem as habilidades deste cidadão que aqui escreve: como é possível lidar melhor com seu dinheiro, hoje e sempre? Suas atitudes financeiras diárias tornam as decisões de economizar, planejar, investir e arriscar mais conscientes? Que valor tem a educação financeira no querido lar de sua família?

Exercite as respostas, compartilhe as perguntas. Não dependa apenas de livros, blogs e artigos de especialistas para ter melhores atitudes em relação ao seu dinheiro. Você é o responsável. Pausa para reflexão. Viu como muita coisa pode ser melhorada? Pronto, hora de agir!

bb_bid = “74”;
bb_lang = “pt-BR”;
bb_name = “fixedlist”;
bb_keywords = “investir dinheiro,mercado de ações,independência financeira,bolsa de valores,cerbasi,investimento dinheiro”;
bb_width = “600px”;
bb_limit = “6”;

Crédito da foto para stock.xchng.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários