Para fechar a série, escolhi uma armadilha que eu costumo chamar de síndrome do final feliz. Gosto dessa expressão porque ela simplifica uma relação bastante pesquisada em Psicologia Econômica entre o que se chama de experiencing-self e remembering-self.

Trocando em miúdos, há muitos estudos sobre o que de fato aconteceu e como nós costumamos nos lembrar das experiências (especialmente as não tão boas). A síndrome do final feliz tem um efeito parecido com o famoso “efeito sanfona” das dietas milagrosas, só que nas finanças é claro.

Vamos ver agora quais são os equivalentes às dietas milagrosas em finanças. Bem, para começar dietas de emagrecimento rápido não podem ser seguidas por muito tempo porque podem prejudicar a saúde. Elas funcionam como um recurso emergencial.

Essas dietas funcionam para pessoas que não têm problemas com peso, que acabaram engordando por conta de uma viagem ou de um período pós-operatório, ou qualquer outro contratempo passageiro e temporário.

Já para pessoas que se alimentam mal e de forma desregrada, essas dietas funcionam por um curto período de tempo – depois disso, se não houver uma modificação no comportamento alimentar elas voltarão a engordar.

Analogamente, em finanças existem recursos emergenciais que fazem a nossa vida financeira entrar nos eixos (e aqui estou falando de endividamento e descontrole nos gastos mais especificamente).

Com o fortalecimento do consumidor e de uma série de ações, tanto na esfera pública quanto privada, como os Feirões Limpa Nome e o PAS do PROCON-SP, é preciso tomar cuidado para não fazer desses programas uma espécie de tábua de salvação a que sempre se pode recorrer e começar a achar que no final tudo vai dar certo.

Outro perigo é começar a trocar dívidas caras por dívidas mais baratas. Eu sei que esse é o primeiro conselho de especialistas e não estou dizendo que não se deve fazer isso. Mas se você chegou a esse ponto, isso significa que você passou da conta.

Você assumiu um nível de endividamento incompatível com a sua renda. Isso pode ter acontecido por conta de um imprevisto ou porque o seu comportamento econômico é inadequado.

E se você se encaixa na segunda opção, você pode acabar caindo na síndrome do final feliz e sair achando que com o nome recuperado e as dívidas renegociadas, você resolveu o problema.

Não, você não resolveu nada! Você apenas equacionou a questão: você tinha um nível de endividamento absolutamente incompatível com a sua renda e agora você está num patamar de endividamento razoável.

E mesmo que você consiga quitar suas dívidas e limpar seu nome, se você sair dessa situação achando que “no final tudo deu certo”, é muito provável que você se empolgue e assuma uma nova dívida (especialmente no caso dos Feirões que normalmente antecedem datas de pico de consumo).

É preciso entender que ter o nome reabilitado para a tomada de crédito não significa que sua vida financeira entrou nos eixos. Eu sei que a sensação de alívio é muito grande e é essa sensação que pode fazer a gente achar que está tudo resolvido e baixar a guarda.

Bem, espero que vocês tenham gostado da série de artigos e para quem se interessou pelo assunto vale a pena a leitura de “Decisões Econômicas: você já parou para pensar?”, livro escrito pela Dra. Vera R. de M. Ferreira sobre uma série de armadilhas mentais muito comuns e com uma linguagem descontraída e bastante acessível.

O papel da informação na tomada de decisão é uma série de artigos publicados por Adriana Rodopoulos. Clique nos links abaixo para visualizar cada parte dessa sequência.

Deixe seus comentários sobre os textos no espaço abaixo. Até a próxima!

Adriana Spacca Olivares Rodopoulos
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários