Home Finanças Pessoais O papel da informação na tomada de decisão (parte 5)

O papel da informação na tomada de decisão (parte 5)

por Adriana Spacca Olivares Rodopoulos
0 comentário

Para fechar a série, escolhi uma armadilha que eu costumo chamar de síndrome do final feliz. Gosto dessa expressão porque ela simplifica uma relação bastante pesquisada em Psicologia Econômica entre o que se chama de experiencing-self e remembering-self.

Trocando em miúdos, há muitos estudos sobre o que de fato aconteceu e como nós costumamos nos lembrar das experiências (especialmente as não tão boas). A síndrome do final feliz tem um efeito parecido com o famoso “efeito sanfona” das dietas milagrosas, só que nas finanças é claro.

Vamos ver agora quais são os equivalentes às dietas milagrosas em finanças. Bem, para começar dietas de emagrecimento rápido não podem ser seguidas por muito tempo porque podem prejudicar a saúde. Elas funcionam como um recurso emergencial.

Essas dietas funcionam para pessoas que não têm problemas com peso, que acabaram engordando por conta de uma viagem ou de um período pós-operatório, ou qualquer outro contratempo passageiro e temporário.

Já para pessoas que se alimentam mal e de forma desregrada, essas dietas funcionam por um curto período de tempo – depois disso, se não houver uma modificação no comportamento alimentar elas voltarão a engordar.

Analogamente, em finanças existem recursos emergenciais que fazem a nossa vida financeira entrar nos eixos (e aqui estou falando de endividamento e descontrole nos gastos mais especificamente).

Com o fortalecimento do consumidor e de uma série de ações, tanto na esfera pública quanto privada, como os Feirões Limpa Nome e o PAS do PROCON-SP, é preciso tomar cuidado para não fazer desses programas uma espécie de tábua de salvação a que sempre se pode recorrer e começar a achar que no final tudo vai dar certo.

Outro perigo é começar a trocar dívidas caras por dívidas mais baratas. Eu sei que esse é o primeiro conselho de especialistas e não estou dizendo que não se deve fazer isso. Mas se você chegou a esse ponto, isso significa que você passou da conta.

Você assumiu um nível de endividamento incompatível com a sua renda. Isso pode ter acontecido por conta de um imprevisto ou porque o seu comportamento econômico é inadequado.

E se você se encaixa na segunda opção, você pode acabar caindo na síndrome do final feliz e sair achando que com o nome recuperado e as dívidas renegociadas, você resolveu o problema.

Não, você não resolveu nada! Você apenas equacionou a questão: você tinha um nível de endividamento absolutamente incompatível com a sua renda e agora você está num patamar de endividamento razoável.

E mesmo que você consiga quitar suas dívidas e limpar seu nome, se você sair dessa situação achando que “no final tudo deu certo”, é muito provável que você se empolgue e assuma uma nova dívida (especialmente no caso dos Feirões que normalmente antecedem datas de pico de consumo).

É preciso entender que ter o nome reabilitado para a tomada de crédito não significa que sua vida financeira entrou nos eixos. Eu sei que a sensação de alívio é muito grande e é essa sensação que pode fazer a gente achar que está tudo resolvido e baixar a guarda.

Bem, espero que vocês tenham gostado da série de artigos e para quem se interessou pelo assunto vale a pena a leitura de “Decisões Econômicas: você já parou para pensar?”, livro escrito pela Dra. Vera R. de M. Ferreira sobre uma série de armadilhas mentais muito comuns e com uma linguagem descontraída e bastante acessível.

O papel da informação na tomada de decisão é uma série de artigos publicados por Adriana Rodopoulos. Clique nos links abaixo para visualizar cada parte dessa sequência.

Deixe seus comentários sobre os textos no espaço abaixo. Até a próxima!

Dinheirama

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.